Blog do Sakamoto

Índios são agredidos no Sul da Bahia. De novo

Leonardo Sakamoto

Membros da Aldeia da Serra do Padeiro sofreram ataques e ameaças de fazendeiros durante manifestação de produtores rurais contra a demarcação de terras Tupinambá, no Sul da Bahia. Segundo o Conselho Indigenista Missionário (Cimi), dois indígenas estavam na cidade de Buerarema vendendo farinha produzida na sua comunidade quando foram abordados por fazendeiros que os perseguiram e destruíram veículos usados pela aldeia.

De acordo com o Cimi, revoltados, os indígenas ocuparam uma fazenda localizada em uma reserva já demarcada, mas cuja posse ainda está com um dos incentivadores da agressão. A Polícia Federal teria desocupado a propriedade com violência, atirando e intimidando. Os que não conseguiram fugir para a mata foram detidos sob acusação de formação de quadrilha e reação à prisão, sendo depois liberados. ''Temos direito à terra que nos pertence tradicionalmente. Além disso, esse fazendeiro é o principal agitador do povo contra nossa comunidade, mesmo não tendo motivos para isso'', afirmou a liderança Glicélia Jesus da Silva.

Isso me lembra dois fatos tristes. Primeiro, uma campanha veiculada anos atrás no Sul da Bahia, patrocinada por empresas e organizações ditas sociais. Fazem parte de um discurso terrorista contra os povos indígenas, que ajuda a criar um contexto em que perseguições nas cidades se tornam cada vez mais frequentes. Vá para Roraima e para o Mato Grosso do Sul, por exemplo, e perceba, através dos argumentos contra eles, o estrago das campanhas pelo ''progresso'' feito no imaginário popular. Que nem tocam na possibilidade de o desenvolvimento ser feito de forma sustentável, o que inclui, não perseguir índios no meio da rua.

E a História continua sendo escrita e reescrita pelos conquistadores. No ritmo em que vão as coisas, se for deixar a elaboração dos livros didáticos na mão desse povo aí do outdoor, não me surpreenderia que fossem feitas algumas atualizações… ''Em 22 de abril de 1500, o proprietário rural português Pedro Álvares Cabral, quando aportou no Sul da Bahia, estabeleceu comércio com caciques empreendedores, trocando miçangas por toras de eucalipto – o que foi altamente lucrativo para os locais. A primeira missa foi celebrada com a presença de dezenas de operários – entre os turnos da tarde e da noite – de forma a não prejudicar a produção…''

Além disso, o caso da violência contra os indígenas no Sul da Bahia também me lembrou de um trecho do documentário ''Humilhados e Ofendidos'', de César Brie, sobre a violência sofrida por camponeses em Sucre, na Bolívia, em maio de 2008.

Eles foram espancados, humilhados, obrigados a andar nus na praça principal e a negar suas origens. Por quê? Porque são uma maioria indígena, lutando para ter direitos, em um país economicamente dominado por uma elite, muitas vezes, preconceituosa e reacionária.

É lá, mas podia ser aqui.

  1. Jorge A.

    28/02/2010 13:24:19

    Jota, qual seria seu partido politico???, A que ONG pertence??? Ou será que você é indio???, Acredito que uma das 3 opções, como já lhe foi dito, procura conhcer a historia local, para ter base no que diz, para de falar bestiera para aparecer!!!, A região sul da Bahia sofre com os supostos indios, e até uma descendente de indios, já disse em um papo comigo, - eu fico envergonhada com as atrocidades que o pessoal ta fazendo, não é assim que se conduz as coisas e muitos deles não são indios de verdade, o que tira a credibilidade do movimento. Então Jota, procura vir por aqui, vem fazer um passeio na região, um local magico de belezas naturais e aproveita a cultura para poder ter base e conteudo para discutir qualquer coisa em relação ao referido assunto.

  2. JOTA

    28/02/2010 11:41:31

    EU SABIA QUE VOCE ERA DA TURMA DO ACM,SÒ PO DIA SER,

  3. lleo

    28/02/2010 01:14:14

    Belo comentário Rafael.

  4. Rafael

    27/02/2010 21:19:52

    Só pra não esquecer,estes outdoor aí, não são da região sul da bahia, mas do extremo-sul, cujo os índios não sei informar se realmente o são. Mas em Buerarema é exatamente aquilo que relatei.

  5. Rafael

    27/02/2010 21:10:43

    Sakamoto,infelizmente o senhor comprou um peixe estragado. Esta notícia está completamente distorcida e não relata o que verdadeiramente acontece neste lugar. Sou da localidade e vou te contar o que todos na cidade de Buerarema e região sabem e presenciam diariamente.Estes pseudo-índios, fruto da ganância municipal em receber verbas, surgiram do nada. Um estudo realizado por antropólogos, que encontra-se com os agricultores e anexo ao processo administrativo da Policia Federal, comprovam que os índios que viveram nessa região, infelizmente, foram extintos. Estes aí que se dizem índios, não são. É uma estupidez a falta de critério na classificação indígena em nosso país. Muitos desses que e dizem índios, são filhos dos agricultores da região, agricultores esses que estão aí pra provar que não são índios.Essa região é composta por pequenos agricultores que vivem da agricultura familiar, pessoas estas que tem suas propriedades tituladas pelo Estado e gozaram do auxilia da Ceplac para implementar a agricultura familiar.Nós não estamos falando de grandes fazendeiros contra índios. Mas de Pequenos agricultores que vivem da terra contra pseudo-índios, verdadeiros marginais, organizados criminalmente com um estrutura de dar inveja a qualquer traficante em termos e armas e munição. Arsenal este que é facilmente escondido nas matas da região.Essa história que você contou aconteceu da seguinte forma: "os agricultores estavam fazendo uma passeata em Buerarema e os pseudo-índios em questão conduziram um veículo de encontro a estes agricultores, por sorte nada grave aconteceu, ao perder o controle do veículo, os manifestantes correram atrás deles afim de linchá-los, mas não obtiveram sucesso porcausa da intervenção policial.Um ou dois dias depois, os pseudo-índios invadiram a fazenda de um dos líderes do movimento dos agricultores. Acontece que esta fazenda tinha um Interdito Proibitório e a Polícia Federal foi ao local prender os pseudo-índios que comandaram a invasão.Nesta oportunidade, os agricultores, aproveitando-se da Policia Federal, foram com estes até a fazenda, levando os funcionários desta para retomar as atividades normais. Antes de adentrar na fazendo, a PF certificou-se que este grupo de agricultores e funcionários não estavam armados. Logo depois, como não encontrou os meliantes, a PF se retirou do local, o dono da fazenda ainda pediu que esperassem um pouco mais para colocar os funcionários de volta, mas eles se recusaram, pois não era função deles.Isso foi pela manhã do dia 24/02/2010.Só que ao meio-dia, os pseudo-índios retornaram a fazenda, pois já estavam ao derredor escondidos, fortemente armados, fazendo ameaças e encurralando os agricultores para a casa sede da fazenda.Fecharam o cerco com ameaças até o cair da tarde, quando começou o maior show de horror que esta região já presenciou, tiros dos mais diferentes tipos de armas começaram a ser deflagrados contra a casa onde encontrava-se os agricultores, relatos afirmam que um clarão de tiros iluminava o entardecer.Pessoas foram baleadas e o desespero tomava conta, quando um dos agricultores resolver fazer uma tentativa de se entregarem, mas ao tentar sair da casa, identificando-se e mostrando as mãos, um incontável número de tiros veio em sua direção atingindo as suas duas mãos.Após isso eles perceberam que se anoitecessem de vez, estariam mortos.Foi assim que decidiram fugir com uma caminhonete que estava em uma das portas da casa. O desespero se acumulou, sairam desnorteadamente debaixo de tiros e arrancaram com o veículo,os tiros atingiram pneus e vidros, mas eles não pararam. No ramal para sair da fazenda perceberam que a ação foi premeditada, pois a cancela estava acorrentada e haviam troncos ao longo da estrada. Além disso uma ponte havia sido destruída.Debaixo de balas os agricultores direcionaram o veiculo até perceber que cairiam no rio, cuja onte havia sido destruída, quando saltaram sem saber o que faziam e embrenharam-se na mata, foi assim que este grupo sobreviveu.Eles afirmar que houve mortes, mas até agora só tem pessoa desaparecidas, pois corpos ninguém jamais achará, o carro da fuga foi queimado.O mas doloroso da história é que nas reportagens os índios dizem que não tem armas, que tomaram a terra com paus e rojões.Só alguém muito ingênuo para acreditar nisso, desde 2006 que esses marginais invadem fazendas, roubam tudo e queimam aquilo que não pode levar.O tal cacique é acusado de tudo que você imaginar, mas a PF não consegue prendê-lo. Estas matas estão abrigando um grupo fortemente armado e perigoso travestido de penacho.Somos solidários aos verdadeiros índios, mas não a esses marginais que decidiram se tornar índio de 2005 ou 2006 para cá, antes disso não existiam índios neste lugar.Mas por engenhosidade do tal cacique e de politicos de olho nas verbas, aí estão eles, recebendo verbas e cestas básica do governo e de ongs, saqueando fazendas (cacau e gado) e cada vez mais se organizando criminalmente.Sei que o prezado Sakamoto não conhece a história de perto, mas deveria conhecer, pois enriqueceria seu invejável currículo, que infelizmente só não é completo por faltar-lhe discernimento em falar daquilo que não conhece.Pais de famílias estão sofrendo com a violência destes pseudo-índios. Propriedades estão sendo usurpadas.Contra a bala de borracha da PF vem o fogo pseudo-indígena.A pequena e sofrida Buerarema está largada, vive da Prefeitura e da Agricultura. A primeira está em litigio e nãose definiu quem será o Prefeito, a segunda está ameaçada por animais que se dizem índios, qual será o futuro deste lugar.O dinheiro já não circula, outro dia os pobres agricultores foram impedidos de venderem sua produção na feira livre, pois os pseudo-índios fecharam a estrada da zona rural, propositalmente no sábado pela manhã, no dia da feira. Alimentos se perderam, dinheiro não foi conquistado e dívidas se acumulam.Isso é movimento social?Isso é defesa de minoria?Quem é minoria, grupo de agricultura familiar ou grupo fortemente armado que vive de dinheiro público e da criminalidade?Vocês que comentaram sem conhecer a realidade não são culpados,mas cuidado ao falar de uma região que vocês não conhecem.Lutem por movimentos sociais verdadeiros.

  6. lleo

    26/02/2010 16:59:50

    Afrimar que existe índio Tupinambá aqui no Sul da Bahia é um verdadeiro estupro contra a história do Brasil. O relatório da FUNAI aponta dados históricos mentirosos e sem qualquer embasamento real. Não se tem registro histórico de fonte confiável da existência de índios Tupinambá nessa região onde se pretende impor a demarcação da terra. Nesse local habitavam os Tupiniquins e não os Tupinambás, como quer determinar a Funai. Inclusive esses mesmos descendentes de índios que hoje se auto-intitulam os "Tupinambá" tentaram ser reconhecidos, há poucos anos, como descendentes de outra etinia e não conseguiram. Me respondam, como um dia se é índio de uma etnia e no outro já é de outra?O relatorio da FUNAI que afirma ter índio Tupinambá aqui é de uma historiadora de COIMBRA - PORTUGAL. Interessante, não?! Nem daqui a historiadora é.Te pergunto dionisya, conhece a historiadora, professora aposentada da UFBA e vice presidente do Instituto Geográfico e Histórico da Bahia Angelina Garcez?Pois bem. Pesquise a respeito e verá a veracidade do que digo.

  7. lleo

    26/02/2010 16:31:54

    JOTA, Seria bom ter argumentos para discutirmos a respeito, não somente mandar eu me ferrar. Mas se assim prefere lamente em dizer, mas não irei.O GENTE com "G" dessa vez você acertou sim. Agora o "DEICHA" com "CH" foi pior ainda. O CERTO é DEIXA com "X". Vá estudar uma gramática, amigo.Por acaso você é da Bahia? ACM colocou a Bahia no âmbito nacional, tornando Salvador a terceira maior capital do Brasil.Salvador tinha até o salário mínimo diferenciado do restante do Brasil. Creio que não sabia disso. Pois ACM igualou. Assim como fez diversas outras coisas.É muito fácil chegar e defender, sem ser conhecedor dos fatos. Leia a respeito, construa um argumento e depois vamos discutir.

  8. JOTA

    25/02/2010 23:57:55

    (LEO DA BAHIA).GENTE COMO VOCE QUERO QUE SE FERRE.AGORA ACERTEI? VAI TE CATAR ZÈ MANÈ.DEICHA OI INDIOS TER O QUE È DELES DE DIREITO,ESTE TEU ESTADO FOI GOVERNADO PELA FAMILIA MAGALHÃES 5O ANOS, TEM COISA PIOR DO O ACM FEZ COM A BAHIA?

  9. dionisya

    25/02/2010 22:15:05

    entao vc precisa ler os livros de historia corretos, pois esta lendo nao apenas os jornais como tbem os livros fabricados pelos proprios dizimadores de indios, retalhadores de das terras que roubaram sob violencia dos tupinamba.leia o estatuto do indio, lei 6001/73, a convencao 169 da oit pra ver se vc tem alguma legitimidade pra dizer quem eh ou nao eh indio...

  10. dionisya

    25/02/2010 22:06:25

    tem certeza que esse coitado agente da PF que teria, segundo vc, recebido uma cusparada indigena na cara (?) nao eh um daqueles que aplicaram choque eletrico em varios tupinamba, numa acao ilegal e que nao deu em nada, ja que a investigacao desses casos de tortura verificados pelo IML/DF foi o mesmissimo delegado que os ordenou?

  11. Ciro Lauschner

    25/02/2010 19:36:34

    digo: antropólogos

  12. Ciro Lauschner

    25/02/2010 19:35:38

    O caso da Bahia é muito parecido com esse que aconteceu em SC.Importou-se índios até do Paraguai para se fazerem donos de cidades como Saudades, Cunha Porã, Palmitos, Mondaí etc. composta 100% de pequenos e micro-proprietários há muitos anos.Parece que há dentro da FUNAI , paleontólogos que atestam que alí residiam índios (caso de Santa Catarina, mas provávelmente de outros estados) e já a FUNAI faz portarias dizendo que é terra indígena. O ministério do Tarso Genro, (sempre êle) ja reconhece de imediato o direito indígena e começa a confusão. Como não há índios reivindicando nada, como na maioria dos casos, entra o CIMI, ONGS e outros para criarem a situação de conflito e justificar a "luta indígena".Aqui o Supremo Tribunal acabou com a festa, mas em outros lugares segue a mesma estratégia.Se se quisesse realmente dar terras aos índios, nada mais certo do que comprar as terras e doa´-las e podem ter certeza que não resolveria nada aos índios terem mais terra, porque viver de caça ou pesca muito poucas tribos do Brasil ainda sobrevivem assim.

  13. lleo

    25/02/2010 18:41:52

    JOTA, Acho que você não leu a parte do texto em que falo: "A região é basicamente da agricultura Familiar", ou seja, PEQUENOS PEDAÇOS DE TERRA. Venha fazer uma visita e veja você mesmo.Não odeio índio, os que forem realmente índios - aqueles da AM, RO, RR, até aqui na BA (Porto Seguro) e tantos outros - esses sim têm o meu respeito. Agora, esses daqui? índios? NUNCA! Ou não viu a parte onde coloquei também: "É comprovado HISTORICAMENTE que, aqui no Sul da Bahia, NUNCA existiu índios Tupinambás"?E só uma dica: É GENTE com "G", e não "jente" com "J".

  14. JOTA

    25/02/2010 17:56:22

    (LEO DA BAHIA) . VOCE È MAIS UM DESTES BRASILEIROS, QUE ESTA A FAVOR DESTES LATIFUNDIARIOS IMUNDOS, COM CERTEZA VC È DAQUELES QUE ODEIA INDIO. ´POR CAUSA DE JENTE COMO VC,QUE OS INDIOS ESTÃO SENDO EXTERMINADOS.COMO AQUI NO MEU ESTADO MS. QUERO QUE JENTE COMO VC, SE DANE.

  15. lleo

    25/02/2010 15:18:29

    É repugnante ver matérias como essa claramente tendenciosa. Sou morador da região e o que se percebe aqui é a arbitrariedade produzida a partir dos ditos índigenas. Para se publicar uma matéria como essa deveria ser conhecedor dos fatos. O cadastramente desses supostos indigenas foi feito sem nenhum critério, onde QUALQUER UM se cadastra. Há pessoas cadatradas de outros países, só porque são casados com supostas índias. Onde já se viu isso? Pessoas de olhos azuis ser índio? Não aqui no BRASIL! É comprovado HISTORICAMENTE que, aqui no Sul da Bahia, NUNCA existiu índios Tupinambás. O que se percebe por parte desses marginais disfarçados de supostos índios é que eles são um bando de aproveitadores, que querem terras produtivas e até um pedaço da cidade (Olivença). A região é basicamente da agricultura Familiar, onde o ESTADO concedeu título hás mais de 150 anos. Como só agora descobriu-se índios aqui? Estima-se que que 1.000 (Mais de 20 mil pessoas) famílias será atingida com essa demarcação. Agora me responda Senhores. Defensores do Direitos Humanos, cadê os DIREITOS HUMANOS dessas 20 MIL PESSOAS? Pra onde essas pessoas irão? A cidade irá ser abastecida de que, se uma boa parte da economia da cidade é baseada na agricultura.Nunca houve manifesto como esse citado na matéria. Procure por jornais locais, que aí sim verá o que realmente aconteceu.Alguns supostos índigenas foram presos sim, mas por desacado desse por parte deles. Um deles CUSPIU na cara de um agente federal e o agrediu com um murro. O policial não pode fazer nada, pois "Índio" nesse país pode tudo.Vai um cívil fazer uma coisa dessa, é preso na hora.Cadê os direitos igualitários no Brasil?

  16. Bruno Pini

    25/02/2010 12:30:13

    Parabéns Sakamoto, pela bravura de suas denúncias e por lutar por um país mais digno e justo.É incrível como a história se repete em vários lugares do mundo e, infelizmente, não vislumbramos avanços ou, quando existem, seguem a passos lentos.Continue realizando esta bela missão, divulgando estas atrocidades pela internet.Talvez precisemos entender melhor o potencial desta ferramenta para encontrar uma forma de organização e acabar, de vez, com esses atos de barbárie.São os votos de um sonhador, sempre alerta!Grande Abraço!

  17. JOTA

    24/02/2010 20:10:28

    È VERDADE SAKAMOTO. SOU DO MATO GROSSO DO SUL E AQUI OS INDIOS SOFRE VERDADEIRO GENOCIDIO.O BRASILEIRO È UM, POVO IMBECIL E INGUINORANTE, NÃO SABE DA HISTORIA DO INDIO ,NEM DA CULTUIRA INDIGENA, ESTES POLITICOS CANALHAS MUITO MENOS, POR COICIDENCIA PASSEI EM BUERAREMA DIA 15 DE JANEIRO ULTIMO, VINDO DE ITABUNA BAHIA, ESTAVA PASSANDO FERIAS NA BAHIA. COMO NO MS OS INDIOS SOFREAS MESMAS MAZELAS PRINCIPALMENTES DOS GOVERNANTES. PARABENS PELA MATERIA.

  18. Ricardo Arini

    24/02/2010 19:00:30

    É...esse é o povo "gente boa" da Bahia, terra de gente hospitaleira e alegre...

Os comentários não representam a opinião do portal; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Leia os termos de uso