Blog do Sakamoto

O brasileiro fala a verdade sobre si mesmo?

Leonardo Sakamoto

Esta semana, abordado na rua, respondi a uma pesquisa de opinião. Ao final, quando a entrevistadora questionou minha profissão, não gostou do que ouviu, fechou a cara, depois a prancheta, agradeceu amarelamente e escafedeu-se. Eu sei, dei mancada, devia ter dito antes quem eu era. Raramente jornalistas podem ser ouvidos nessas pesquisas. Sendo honesto, não sei bem o motivo, mas desconfio que seja porque há o medo de que manipulemos o resultado. Ou não sejamos um público consumidor confiável. Ou que saibamos como funciona uma entrevista e possamos jogar com o entrevistador. Sei lá.

Acumulo histórias ouvidas ou vividas em anos de estrada: a do escravo liberto que inventou mulher e filhos para ganhar empatia, a do chefe indígena ambientalista radical (que depois descobriu-se ser um grande vendedor de madeira ilegal), a do catador de material reciclável que narrou uma trajetória pessoal surrealista só para ajudar o pobre repórter iniciante que estava com uma pauta-pepino nas mãos. Como, muitas vezes, a velocidade na linha de produção da imprensa dificulta aos operários da notícia irem fundo nas biografias daqueles que entrevistam, o que fica é essa superficial conversa, muitas vezes construída sem o propósito de enganar. Apenas de tornar a vida mais interessante e palatável! É papel de um entrevistador profissional perceber isso, mas somos humanos e, portanto, erramos. Bastante.

Tenho a impressão que, com pesquisas de opinião, ocorre a mesma coisa. Muitos respondem o que é mais socialmente aceito ou politicamente mais correto. Mas, na hora “H”, optam pela saída mais confortável individualmente.

É hype defender o verde e o consumo consciente. Mas no momento sigiloso da caixa registradora, a sustentabilidade é defenestrada sem cerimônia. Poucos se aventuram no preconceito aberto contra os gays quando podem ser visto pela sociedade, mas no anonimato dos comentários em um blog na internet, a intolerância se esbalda e se espreguiça. Em todas as pesquisas de opinião sobre racismo, os entrevistados dizem que não têm preconceito por cor de pele, mas que os outros brasileiros sim.

Uns vão dizer que é medo, outros hiprocrisia. A verdade é que é mais fácil continuar enganando incautos mocinhos e mocinhas entrevistadores de prancheta na mão do que encarar a verdade sobre nós mesmos.

  1. Antonio

    26/08/2010 18:17:22

    CAra realmente você acredita que é um gênio? Se existe um idiota ou hipócrita neste planeta é sua pessoa, realmente o povo a grande maioria anda na Merda por ter que engolir pessoas assim ocupando os departamentos públicos. Minha escolha é que você não fala a verdade sobre si mesmo ,é um hipócrita e um idiota.

  2. Magda

    21/08/2010 08:39:12

    Caro José Elias Aiex Neto, pra começar você é um dos que não fala a verdade sobre si, ou seja mentiroso depois Você é um idiota completo porque pensa ser um político fazendo apenas política de acusação, oque demonstra seu desespero em aparecer a todo custo... Pensa ser um grande admenistrador da saúde quando na verdade não é, então passa a ser um hipócrita. Neste caso temos ai uma biografia sua não do povo brasileiro este sim pensa na hora de votar e sabe em quem votar quem tem competência pra fazer acontecer o que definitivamente não se aplica a você, pois nunca vai chegar a ser um político, a prova disso foi a eleição de 2008 quando sua votação foi insignificante meros 238 votos onde temos milhares de votos válidos.Já fiz minha escolha e foi esta.Pra idiota e hipócrita José Elias Aiex Neto.

  3. Proftel

    23/07/2010 04:18:31

    Surf:Este foi um dos melhores comentários que já li em blog.Te juro.:-)

  4. Proftel

    22/07/2010 21:56:37

    Luiz Carlos:Tenho dois filhos "encaminhados" a saber: o mais velho com vinte e quatro anos na segunda faculdade (cursa segundo ano de Engenharia Civil na UNISANTA), antes disso graduou em Tecnologia, o mais novo é professor de informática na prefeitura d'uma cidade litorânea de São Paulo e conta com vinte e três anos (os dois trabalham desde os dezesseis anos, o mais novo só não está na faculdade também por conta da pensão que recebem deste funcionário público que vos fala).Não tenho netos mas, a vida se adiantou, há três anos a filha d'uma sobrinha neta mora e reside conosco (eu e a Tia).A menina conta com cinco anos hoje e a considero filha, até meus filhos legítimos quando conversam comigo no Messenger perguntam em primeiro lugar "como está minha irmãzinha" -até antes de perguntar como estou de saúde.A sabedoria popular se me aplica a saber: "onde comem dois, comem três", não ser "abastado" é uma coisa, mão de vaca é outra.Fiz vasectomia quatro meses antes do meu mais novo nascer (na esperança de não mais botar gente no mundo) e.... A Vida* se me deu mais uma.*Só não disse "Deus" porque alguns aqui são ateus.A maioria dos confrades e confreiras tem conhecimento da odisséia que foi a Duda, não cabe aqui reprisar, você encontrará facilmente nos comentários do finado PD ao longo desses três/quatro anos.Hoje mesmo a Duda veio me mostrar no escritório a primeira "pinta" de catapora que saiu no banho, chegou toda feliz mostrando o braço e gritando "Tivô*, a catapora passou...."*Ela só nos chama de "Tivô" e "Tivó" (tio-avô e tia-avó).Por nada não mas, estou com lágrimas nos olhos enquanto escrevo esse comentário.No fundo Luiz Carlos, creio que sou muito mais velho que você apesar dos meus quarenta e oito anos.:-)

  5. Proftel

    22/07/2010 21:33:18

    Luiz Carlos:Grato.Sempre encarei assim:"-Universidade na graduação é somente e tão somente obtenção de caminhos.Ao fim do ciclo você adquire uma "carta branca" para continuar dentro da área o rumo que se lhe parece mais confortável".Pode caçar na Rede, o entre aspas é meu. Se utilizar citar o autor como "Proftel", só isso basta.FDA:Grato também, só vi esse lance hoje, não frequento blogs de segunda a quinta a tarde.:-)

  6. WELINGTON GAETHO ESCOLA

    21/07/2010 18:03:03

    Gosto muito dos adágios populares, todos encerram em si uma verdade,há um que diz o seguinte: "Nem todas as verdades foram feitas para serem ditas!" Caso uma mulher passe um longo tempo se arrumando e ao terminar pergunte a mim: "Estou bonita?" Eu jamais lhe diria que não. Isso deve ser por força do cavalheirismo. No que diz respeito ao brasileiro essa questão já foi fruto das mais variadas pesquisas acadêmicas no campo das ciências sociais, o Sr. Sakamoto, certamente, conhece muitas, mas mesmo assim está propondo que façamos uma reflexão. Quero abordar esta questão, empiricamente, sob um outro ângulo um povo com o nosso passado histórico colonialismo, escravidão e governos ditatoriais não pode ser tachado de mentiroso ou coisa que o valha, pois fomos condicionados a evitar o confronto e o embate, fato que não faz de nós cordiais, como quer o mito, mas que nos ensinou a aceitar o "Status quo", mais do que isso, devíamos agradar aos "Donos do Poder." Nosso povo não participou como protagonista dos rumos que o país tomou ao longo dos séculos fomos apenas (tel)espectadores. Acredito que seja por isso que os brasileros, de forma geral, tenham tantas dificuldades de se posicionarem em relação a muitos temas, principalmente, sobre os mais controversos. É lógico que isso não nos exíme, por completo, das consequências que esta postura traz para nós mesmos, mas ajuda a entendê-las melhor. Sem mais, abraços!!

  7. Luiz Carlos

    21/07/2010 14:38:22

    Os baixos salários dos mestres devem-se, principalmente, por uma lei irrevogável, pois é da natureza; o excesso de oferta. São milhares de formandos despejados no mercado anualmente. A natureza e a economia, num determinado momento resolverá esse desequilíbrio, basta, para tanto, que não se encontre mais professores disponíveis.Na atual quadra da economia, um engenheiro civil está ganhando cerca de 15 mil reais/mês, no mínimo, na iniciativa privada. Um técnico em edificações ganha quase isso também. Seria uma crueldade dos empregadores? Não. É a lei natural. Que não se repita a velha e desgastada ''mantra''; é o capitalismo. Não. Não há alternativas. É o mundo que é assim, gostemos ou não.Não é só a educação que é um direito Constitucional. A saúde e a segurança também são; ambas precárias no Brasil.No Rio de janeiro, um paciente que necessite um cirurgia do fêmur no INTO (Instituto Nacional de Traumaortopedia) tem que aguardar por mais de cinco anos na fila. Muitos morrem antes.Lembrando que, dos 190 milhões de brasileiros, apenas 30 milhões têm convênio saúde.É isso!A melhor escola do ranking do ENEM é de São Paulo e a mensalidade é de 2800 reais/mês para p 3º ano médio. E há filas para ingressar.

  8. Luiz Carlos

    21/07/2010 14:15:20

    Alicia disse:21/07/2010 às 11:09''A respeito dos comentários do Sr. Luiz Carlos sou forçada a discordar.''Prezada Alicia.Não tenho procuração p/defender Americanos, mas, não brigo com os fatos.O maior PIB do mundo é Americano; 14,5 trilhões de dólares;Está lá também a 3ª maior renda per capita; 47 mil dólares (a do Brasil, p/ comparar, não chega a 10 mil)O IDH é um dos mais altos; 0,985A mortalidade infantil é uma das mais baixas do mundo; 6/mil;(no Brasil, média 23/mil).Ah, sim, ia me esquecendo; A tx de criminalidade é de 8/100 mil (Brasil, média, 31,5/100mil.A tx de alfabetização é 99,8%.De fato, é até folclórico o desprezo do Americanos pela geografia.Nenhum povo em nenhuma outra época da história da humanidade chegou tão perto do ideal de vida.Apenas por curiosidade; a maior renda per capita do Planeta é a do Qatar, um Emirado da península arábica mergulhado no petróleo cujo território é igual a cidade de Campinas, onde vivem 800 mil felizardos com renda de 80 mil dólares. É a primeira do mundo.

  9. Carolina

    21/07/2010 11:30:43

    Caro FDA,Eu deveria estar lisonjeada com o lirsimo do seu comentário, que lança mão de uma figura mítica brasileira com poderes sobrenaturais, para tentar me insultar.Mas infelizmente eu prefiro as frases diretas, cirúrgicas, frias e duras com inox. Não precisava gastar seu latim para me chamar de mentirosa.Por outro lado, o comentário é bastante revelador: mostra sua necessidade de afirmação intelectual, e seu machismo enrustido. Só uma entidade mítica femina, poderia ter tamanhos atributos.Sugiro que vc olhe ao seu redor, e veja quantas mulheres bonitas, inteligentes, cultas e sensíveis te cercam.Enquanto alguns homens, se entrincheram nessa nova forma de batalha, trocando insultos, prontos a morrer para defenderem seus dogmas, nós mulheres tocamos nossa vida, fazendo as coisas acontecerem.E infelizmente concluí que a verdade está realmente em baixa: quando qq pessoa baixa a guarda e divide algumas de suas experiências mais íntimas, ela imediatamente está sob suspeita.Eu fui criada por pessoas, cuja palavra empenhada, tem um enorme valor. Pena que talvez não tenha sido assim com vc.

  10. Alicia

    21/07/2010 11:09:41

    A respeito dos comentários do Sr. Luiz Carlos sou forçada a discordar.Não há como, num país como o Brasil dizer para todos virem empressários e que só a inicativa privada irá nos salvar. Citando um dos comentários do Surf (aliás uma ótima sacada) como incetivar a concorrêcia quando não se condições igualitárias de condições? E não, não sou comunista, e sinceramente nem acredito no comunismo. Vamos ser objetivos e vamos aos fatos. Não queiram tomar o EUA como única base de comparação, o extremo liberalismo e a privatização de serviços como educação e saúde geraram custos socias imensos por lá, a saúde é um caos e planos de sauúde se recusam a tratar seus pacientes, pois otratamento é caro e não gera lucro (estamos falando de recusa de tratamento de cancêr, autismo, etc.) e ó ensino também é ruime decadente, as universidades são boas porque aceitam uma parcela miníma de americanos que pordem pagar ou se endividam mas tem notas ótimas, mas mais da metade dos graduandos no "ensino médio" de lá não sabe onde é o oceano pacifíco.Depois de esculhabar com o "american dreams" de alguns aqui vamos usar uma outra base de comparação. A inglaterra, berço do capitalismo, tem sua saúde e educação como públicas e são uma das melhores do mundo, há mais igualdade de competição e as empresas de lá são mais represantivas, mas nem por isso houve privatização dessas areás e há muitas empressas estatais em outras áreas, sendo elas muito eficientes.Não aceito também a falta os ataques contra os educadores de SP, como economista vinda de uma família de professores sei que seus argumentos falham, primeiro porque a educação está falhida proc ulpa da sociedade que acha mais fácil deixar os filhos de quem pode pagar nas particulares do que cobrar uma educaçõa decente para todos, é culpa dos pais que não cobram nem dos filhos, nem dos professores um bom rendimento, é culpados filhos que não se cobram porque não tem nenhuma prespectiva de futuro, é culpa do governo que não apresenta propostas consitentes para a educação com um bem público e margianliza uma classe já desmotivada, é e culpa de uma parcela da classe quem também é indiferente, pois são muitos os que não lutam pela digindade de uma classe que merece todo o respeito do mundo.

  11. surfando na jaca

    21/07/2010 10:50:33

    Esse senhor Luiz Carlos é um simplificador. Um repetir inconsciente do que escreve. Emulou e colocou a lanterna na popa e esqueceu de colocar a China na comparação e da crise asiática. Na realidade, o que verdadeiramente esqueceu na sua simplificação é que o capitalismo é um sistema mundial e o socialismo real só ocorreu na sua periferia e não pode se tornar um competidor para o capitalismo. É evidente que o que está atuando é o processo histórico, cujos recursos materiais e imateriais (tecnologia e cultura) do capitalismo não encontra competidores. Pergunto, que grande centro tecnológico é a Coréia do Sul ou a China? O capitalismo passa por uma grande transformação, que é a agilidade de transferência de recursos para novos mercados. É também uma grande jogada transferir a poluição da produção industrial para a sua periferia, usando mão-de-obra barata e fugindo dos encargos sociais do Primeiro Mundo. Não se transfere a criação de tecnologia, mas a sua aplicação. O seu Luiz quer esse modelo chinês provavelmente. Quem sabe não comece a entoar loas ao "socialismo chinês". Pode deixar que não evitarei de fazer considerações laterais às suas, mesmo que não goste ou as desconsidere. Acho que fui bem claro no meu ponto de vista a respeito das escolas federais e o mesmo para as universidades federais. É a simples realidade. Outra coisa que sua ignorância proposital esquece é que educação fundamental é um direito constitucional do Estado Moderno e que deve ser de qualidade e pública, como é na França. Nem os neoliberais mais doentios defenderam a eliminação desse direito pela iniciativa privada. A realidade é mais complexa do que o seu dogmatismo idiota.

  12. Bruna Melo

    21/07/2010 10:41:33

    Mais um post interessante e que abre espaço para as dicussões importantes sobre o comportamento do brasileiro.É realmenter comum ver pessoas politicamente corretas em publico e no âmbito privado ouvirmos verdadeiros absurdos. Mas também me preocupa muito o outro lado, pois vemos pessoas que agridem a opinião alhei a quando divergente. Quando participo de debates em comunidades contra o preconceito vejo muitas pessoas que estão do mesmo lado que muitas vezes, por erro de interpreação ou por falta de boa vontade, agridem as outras sendo intolerantes quando elas próprias sofrem pelas intolerância. Não digo que devemos ser todos hiprocritas, mas confesso que muitas vezes já deixem de dar uma opinião sincera com medo de represalias de quem é muito politicamente correto, porém é intolerante ao extremo com uma opinião divergente.

  13. Luiz Carlos

    21/07/2010 09:13:16

    Terça-feira, 20/07/2010''Entre as mil piores escolas no desempenho do Exame Nacional do Ensino Médio, mais de 90% são públicas. Das 20 escolas brasileiras mais bem colocadas no ranking, apenas duas são mantidas pelo governo.''Esta foi a Manchete de todos os jornais do Brasil na terça feira. No meu comentário citei apenas o Rio de Janeiro, onde, conforme escrevi, as 20 piores são todas públicas e, a mesma fonte, informa que, das 20 melhores, apenas uma escola pública aparece num honroso 6º lugar.Baseio-me nestas informações que, diga-se, são oficias. Pretendo encerrar aqui este assunto, pois tenho absoluta convicção que, análises paralelas dando outras interpretações são puros exercícios tergivercionistas totalmente alheios à realidade.Um povo lutador aprende com os erros e não os justificam transferindo culpas. Isso é insistir no erro.Lembrando que as escolas técnicas têm uma dinâmica própria e , independente da gestão é possível manter um padrão de qualidade razoável.

  14. Luiz Carlos

    21/07/2010 07:19:36

    O meu comentário se enquadra no tema do Sakamato que propôs discutir hipocrisia. Pois bem.O terceiromundismo encalacrado numa certa camada da nossa população, orientada pela falácia do esquerdismo tupiniquim insiste no vitimismo para esconder e disfarçar os nossos fracassos. Não somos desenvolvidos porque somos incompetentes e adotamos políticas erradas. Culpar os outros pelas nossas mazelas, além de ser um procedimento que ofende os países desenvolvidos, mostra ainda uma certa preguiça mental. É a síndrome do Jeca Tatu.Um exemplo clássico atual; as Coréias. Enquanto a Coréia do Norte adotou o comunismo e, produziu um dos países mais pobres do Planeta, a do Sul, no mesmo período, num regime de liberdade total, conseguiu, em menos de 50 anos se transformar num país próspero.Os Norte Coreanos têm renda per capita igual aos mais pobres países Africanos e, de 1990 até hoje, mais de 3 milhões de cidadãos morreram de inanição (fome pura).A Coréia do Sul ostenta uma renda de mais de 20 mil dólares per capita e é produtora e exportadora de tecnologias avançadas, concorrendo com o Japão e o próprio EUA.Lembrando que, em 1960, a Coréia do Sul era um país miserável. Investiu pesado em educação e não culpou ninguém, como é do gosto dos Tupiniquins. Ao invés de demonizar os EUA, aliou-se a ele, deixando as utopias socilialistas em voga à época, longe de tudo, inclusive das salas de aulas.

  15. surfando na jaca

    21/07/2010 00:14:04

    Entre as dez primeiras colocadas do ranking 2009, o Colégio de Aplicação da Universidade Federal de Viçosa (MG) é a única instituição pública. Se forem consideradas as 50 melhores, mais oito instituições públicas se destacam. Uma é militar, uma é ligada à Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), duas são federais e quatro são ligadas a universidades públicas.Agora conte quantas escolas federais existem e quantas particulares. Outra coisa, veja a relação salarial dos professores desses colégios de aplicação e os da rede muncipal e estadual. Pois é, salário decente é resultado de bom ensino. Essa relação que os conservadores e as privatarias nunca apontam. E vem com esse papo de demissão, fim de estabilidade, fazer os professores estudarem mais etc. Salário que é bom, nadica.

  16. surfando na jaca

    21/07/2010 00:05:12

    Tem um tipo de autismo que acomete meus colegas de profissão. Com a maior facilidade do mundo (repetindo a lógica do Luiz Carlos, a do facilitário) afirmam, devemos copiar os ianques para sermos como eles. É como se dispuséssemos das sedes das maiores empresas de ponta da tecnologia mundial, que recebécessemos lucros expatriados de filiais de outras nações, que monopolisássemos tecnologia e recebécessos seus royalties e com isso tudo e mais alguma coisa, lubrificássemos o maior sistema financeiro do mundo. É simplesmente esquecer a divisão internacional do trabalho. Como se o mundo fosse possível de ser inventado da noite para o dia. Eu acho incrível, após visitar outras universidades estrangeiras, que possamos criar tecnologia e efetivamento o fazemos (enriquecimento de urânio, prospecção de petróleo em águas profundas, venda de jatos etc.), com baixos salários e laboratórios sem recursos. Duvide-odó que se gaste mais em ensino superior e tecnologia no Brasil do que nos EUA. Um curso numa grande universidade privada dos EUA custa ao aluno algo em torno de 100 mil dólares anuais. Aqui nem teríamos uma classe média que pudesse pagar esses valores. Deixa de bestagem, seu Luiz!

  17. surfando na jaca

    20/07/2010 23:54:15

    Vc. quer continuar a confundir, mas não dá:O levantamento do Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) 2009 por escola mostra que 78% (39, no total) das 50 escolas públicas com maiores notas no ensino médio regular pertencem à rede federal de ensino. Em sua maioria, são colégios militares ou instituições vinculadas ao ensino superior, como os colégios de aplicação. Ao mesmo tempo, apenas uma instituição municipal compõe a lista – a Escola Técnica de Paulínia (SP). O melhor colocado dentre todos é o Colégio de Aplicação da Universidade Federal de Viçosa, em Minas Gerais, com nota média geral 734,66.

  18. Luiz Carlos

    20/07/2010 20:13:49

    Francamente, não falei em Universidades. Falei das escolas do ensino médio.Das Universidades públicas só tenho a dizer que, realmente, são mais eficientes. Mas, isso se explica. É que nas Federais só entram alunos da classe média para cima e, estes, como se sabe, já trazem na bagagem uma vantagem ; o currículo oculto. São criados num ambiente propício e têm apoio da família.E custam os olhos da cara!O orçamento da USP praticamente é igual ao de Harvard.Há um economista no Rio que garante; se o governo embarcasse os universitários num navio e os mandassem para estudar nos EUA ou na Europa seria mais barato para os contribuintes.Na produção de tecnologias somos um fracasso monumental. O Brasil é ainda, um país exportador de produtos manufaturados. Mesmo a EMBRAER utiliza os principais componentes —os de maior exigência tecnológicas— importados.Não há uma fábrica sequer que produza reatores a jato no Brasil. E aquelas que produzem os velhos motores a pistão, ainda assim, o fazem com pagamentos de licenças.

  19. Carolina

    20/07/2010 20:10:28

    caro surfando,Espero que se vc precisar de um neurocirurgião, não caia na mão de um que resolveu ler Gramsci.Espero pelo seu bem que ele seja bem positivista, com a sua cabeça, e se quiser ser filósofo, faça isso com cobais!!!!!Não precisa me xingar não comteana, nem liberal, nem marxista, nem webberiana, nem gramsciana, nem discípula de Habberma ou de Hayek.Na verdade acho que todos igualmente persuasivos, mas nenhum deles ainda me convenceu.E todos escrevem mal, são chatos de doer.Amar de paixão só um, meu nobre colega de profissão o Dr. Freud. Pode ser que tudo que ele diz seja bobaeam, mas que bobagem boa de ler!Este tem uma imagem meu altar ultra sincrético, junto com Buda, Nossa Sra. Aparecida e o Espírito Santo.Tem também um bottom com meu carinhoso apelido dado pelos colegas da psicanálise: super-ego!

  20. Carolina

    20/07/2010 19:54:05

    Gente,Eu sou apenas uma estudiosa do cérebro humano, mas não tenho qualquer pretensão de entender o comportamento humano.Não acredito na neurociência como explicação última para tudo que o que somos, e o que fazemos.O cérebro é extremamente complexo, e tenho que confessar, com módestia não muito apreciada pelos cientistas, que ele não cansa de nos surpreender.A capacidade do cérebro de criar novas sinapses, é algo assombroso, mas existe alguma coisa ali, que vai além da simples neurobiologia.Por isso refuto quaisquer assertivas absolutas, sobre a formação do cérebro, ser o fator determinante para certos traços de personalidade.Posso dizer que os miolinhos de mentirosos e não mentirosos, são virtualmente idênticos.Agora uma coisa eu sei, no momento em que a vida se esvai, há uma necessidade imensa de se dizer a verdade.Ë um momento realmente surreal, quando uma pessoa que você jamais viu, sentindo a proximidade da morte, segura a sua mão e te faz uma confissão atordoante.Porque deixar para este último segundo????Talvez seja nesse último segundo, a nossa única chance de sermos verdadeiramente honestos.

  21. Luiz Carlos

    20/07/2010 19:52:08

    O estatismo e o empreguismo.Há poucos dias foi divulgado o ranking das 100 maiores empresas do mundo. As 10 primeiras são privadas.A Shell, 2ª maior empresa do mundo tem 100 mil empregados no mundo todo e fatura 4 vezes mais que a PETROBRAS. A Petrobras tem, praticamente o mesmo número de empregados.Num cálculo primário pode-se afirmar que a estatalzona brasileira poderia funcionar com 1/4 dos funcionários que têm hoje.E aí vem um distinto me dizer que a PETROBRAS é nossa. Nossa quem? Minha que não é. É deles. Das corporações.Quem é o tacanho?Pelo o menos os escravos lutavam contra os seus algozes. Aceitar o nacionalismo tacanho o estatismo dele derivado é o mesmo que ser escravo por opção. Eles ganham e nós pagamos.

  22. surfando na jaca

    20/07/2010 19:18:26

    Vc. deve estar de brincadeira. Fala em resultado nacional no Enen e depois corre para o Rio de Janeiro. Falo de universidades federais no Brasil e vc. corre para ranking internacional. A sua generalização é estúpida para o ensino superior brasileiro como é para um francês também. Vai rezar seu mantra em paz em pleno declínio do Deus Mercado, quando até nos EUA o estado foi chamado para regular o mercado em crise. Cada um é livre para acreditar no que quiser. Só posso é ter pena das suas crenças. Vc. deve ter uma raiva do sucesso da Petrobrás que nem imagino! Mais um tucano dissimulado que conheço na Net. Haja saco!

  23. Luiz Carlos

    20/07/2010 19:05:19

    Reafirmo.O noticiário de hoje dá conta que, no Rio, as 20 piores escolas são públicas e, das 20 melhores, só uma, umazinha só, está em 6º lugar,Esta é a verdade.Num ranking de 100 Universidade, os Americanos ocupam os 10 primeiros lugares. A USP , neste ranking é a 96º.E os estatismo inibe sim, a iniciativa privada. Isso é provado no mundo inteiro.

  24. Luiz Carlos

    20/07/2010 18:58:06

    E não adianta colocar dinheiro na educação e na saúde. É jogar no lixo. Tem que mudar o conceito, métodos e a forma de contratação dos mestres. Contratos pela CLT, turno de 8 horas e, demissão em caso de incompetência. O próprio ministro da saúde disse, há poucos dias que, os Hospitais públicos estão privatizados pelas corporações sindicais e, não há como mudar. (entrevista à Isto É)Os Americanos fizeram isso na década de 60. Eles descobriram que as escolas particulares, com um terço das despesas eram mais eficientes do que escolas públicas que consumiam montanhas de dinheiro. E a estabilidade dos mestres levavam ao absenteísmo e ao desinteresse.

  25. surfando na jaca

    20/07/2010 18:54:25

    Não se trata de lugar, mas das melhores colocadas. Deixe de tentar distorcer as coisas, que comigo não cola. Procure o ranking das universidades e veja se estou mentindo também. E nunca falei a favor de estatismo, isso é contigo e seus medos particulares. Vc. é demasiado tacanho ao fazer essa citação constitucional, como se as estatais estivessem fora da lei. Nem lhe darei resposta sobre isso. Tampouco acredito no Deus Mercado como salvador de tudo, sou mais novo que vc., mas já vivenciei a derrota de vários dogmas em economia. Nos EUA, as grandes universidades são privadas, embora possuam muitas estatais de qualidade. Uma coisa não eliminou a outra. Porém no Brasil, as privadas colocam os lucros na frente das finalidades do ensino, pesquisa e extensão. Por isso mesmo, não alcançam o nivel de excelência que as suas congêneres americanas, com raras exceções e sem comparar a classificação mundial delas.Dá um tempo.

  26. Luiz Carlos (O velho)

    20/07/2010 18:42:56

    surfando na jaca disse:20/07/2010 às 18:07''Além de tudo é desinformado. As escolas federais estão na frente das particulares.''Não é verdade. Apenas uma conseguiu o 6º lugar; uma exceção.O seu virulento discurso expõe a paixão doentia pelo estatismo retrógrado que nos faz, como nação, permanecer eternamente no terceiro mundo.A iniciativa privada, ao contrário dos discursos dos nacionalistas é um preceito Constitucional e amparado no Título I 'dos direitos fundamentais' da Constituição de 88.Inciso IV do Art. 1º: Brasil, um Estado de Direito Democrático e tem como fundamentos...''OS VALORES SOCIAIS DO TRABALHO E DA LIVRE ININICIATIVA''Reafirmo; o sindicato dos professores do Estado de S.Paulo faz política escancarada para a candidata oficial.

  27. surfando na jaca

    20/07/2010 18:07:58

    Além de tudo é desinformado. As escolas federais estão na frente das particulares. E as universidades federais, idem. Se quiser explico, desenho para vc. os motivos desse sucesso contra a filosofia auleira das privadas. Sou filho de professores universitários. Sua ignorância me espanta!

  28. surfando na jaca

    20/07/2010 18:05:13

    Proselitismo barato ou não, é minha opinião. Opinião de quem toma partido mesmo. Não me importa sua objeção, senhor Luiz. Agora sempre escutei isso em minha casa, criado por dois professores. E não deixa de ser um exemplo claro de sua hipocrisia, que na realidade só revela que o inacessível justifica o baixo salário e tratamento canalha do governo de São Paulo. É a repetição da imbecilidade eterna que imagina estarmos numa sociedade ideal e não de classes, do monopólio do capital que passa de pai para filho. Imbecilidade de não reconhecer que não partimos das mesmas condições sociais capazes de nos permitir escolher o que quisermos ser de um estalo para outro. Simples, né. Basta repetir essa sua máxima até para um empregado reduzido à escravidão ou para qualquer explorado, que vá ser empresário rico e não encha o saco. É hipócrita e safada a sua lógica, ainda mais quando conhecemos o alto grau de concentração de renda por uma elite pequena de abastados nesse país,onde a classe média é mínima. O FDA tem razão ao desvelar seu parco fundamento e reflexão no que escreve. Um professor conhece logo um mau aluno.

  29. Luiz Carlos

    20/07/2010 17:42:16

    surfando na jaca disse:20/07/2010 às 15:20''O Serra fez isso com os professores, resumindo-os em baderneiros e politiqueiros. Dessa forma, impede o avanço das reivindicação de categoria e a desarticula. Em que país vc. vive, Luiz?''Proselitismo político barato. Discurso de assembléia de sindicatos da CUT.Respeito profundamente os mestres; sindicalistas não. Em São Paulo o sindicato está ''tomado'' pelo Cutismo e pelo PT e é usado para fazer oposição ao governo.Atrevo-me, contudo a dar um conselho aos desiludidos: Mudem de profissão. Saiam da aba do Estado.A melhor — e unica— maneira de um trabalhador ganhar bem é se tornar empresário. Quem for competente, pois, que se estabeleça.Greve no serviço público só prejudica os pobres. E greve de professores é uma crueldade com os mais pobres.É por isso que as Escolas privadas estão ganhando de braçada nas provas do ENEM.No Rio, as 20 melhores escolas são privadas e as 20 piores são — sem exceção— todas públicas.

  30. Luiz Carlos

    20/07/2010 17:26:18

    FDA disse:20/07/2010 às 14:57Caro Luiz Carlos''Não dar para vc fazer um comentário sobre o que vc pensa, sente ou o que sei de outro sobre vc mesmo? É tão difícil se questionar se vc fala a “verdade” a si mesmo ou aos outros?''Certamente o Sr. não leu os dois textos que escrevi aqui mesmo trantando do tema do post.Leu?Se leu está respondido. Ou leu e não entendeu?Pois é, fiz um questionamento e um ''convite'' para uma reflexão sobre o debate sobre hipocrisia e usei um palavreado um tanto quanto chulo. Notei que um leitor reclamou que eu tinha ido fundo.Deixei a pergunta no ar; Qual o pai que se orgulha de ter um filho homossexual? Qual o pai que não se orgulho de ter um filho que ''transa com todas as garotinhas do pedaço? E por fim; Qual o pai que se diz orgulhoso em dizer que sua filha queridinha traçou todos os menininhos do pedaço?Foi isso.Do mais, num caso lembrei-me, não de filosofia, mas de um persornagem que ironizava o que aprendeu na Universidade, justamente numa crítica aos exageros do filosofismo.Machiavelli e Sêneca, citados, foi pela atualização dos preceitos; coisas tão antigas e tão atuais.Tratei mais do poder do marketing poderoso que opera verdadeiros milagres de transformações de algumas personalidades. Ou seja, tratei os filósofos como marqueteiros.Entendeu?Não peça para usar linguajar de galera da geral. Aí não. É demais.

  31. surfando na jaca

    20/07/2010 15:23:43

    desculpem-me pelos erros, pois escrevo em velocidade. reivindicações de categoria etc.

  32. surfando na jaca

    20/07/2010 15:20:24

    Sim, FDA, sua reprimenda sobre a existência de leis no Brasil é correta, mas quis tocar na questão prática e visível da Justiça em nosso país. Criar leis justíssimas e avançadíssimas não nos coloca entre os país mais justos e livre de toda impunidade, Muito pelo contrário, como a prática nos revela. Acho por isso que o Luiz Carlos se atrapalha, ao cair na mesma esparrela do discurso formalista do direito, dos que dominam a injustiça: a frieza da lei que só serve aos que não possuem recursos de subornar juízes e usar das prerrogativas da lei para escapar dela. É preciso sair do belo texto jurídico e olhar para as práticas vergonhosas de nossa Justiça. Sim, um governo pode demonizar os movimentos sociais. O Serra fez isso com os professores, resumindo-os em baderneiros e politiqueiros. Dessa forma, impede o avanço das reivindicação de categoria e a desarticula. Em que país vc. vive, Luiz?

  33. surfando na jaca

    20/07/2010 15:08:50

    Luiz, "O Princípe" como todos sabemos é fundador da ciência política. Alguns o exaltam como se contivessem verdades eternas sobre o mundo e os homens. Bobagem imaginar que as pessoas são todas ruins e desobedientes. Na verdade, temos nossos interesses pessoais e somos obrigados a viver em sociedade. Por isso estabelecemos leis de convivência, sem esquecer que a sociedade civil é parte da hegemonia de Estado. Aliás, Maquiavel foi muito bem aproveitado por Gramsci, que viu a necessidade de novos instrumentos teóricos para analisar o Estado nas sociedades de massa, coisa que Maquiavel evidentemente não podia imaginar. Portanto não só pela força para coibir os "maus" se faz a hegemonia de classe, mas por consentimento, como demonstrou outro teórico marxista, o Edward Thompson. Bom e mau é coisa maniqueísta que pouco serve para a análise social.Emérito FDA, suas questões são pertinentes, mas ouso discordar da parte referente à repressão ou da ordem interiorizada pelos ianques e europeus através do ensinamento. Acho que vc. escorrega para o idealismo de que a educação ou a cultura possa ser modificada por mero ensinamento desde cedo. Ora, sabemos que as escolas participam da reprodução dos valores sociais, da hegemonia dos grupos no poder, mesmo possuindo autonomia frente aos mesmos (lá vou de novo ao Gramsci). É impossível convencer uma sociedade inteira de uma mentira e nem existirão pessoas para que isso se faça. A materialidade dessa questão se encontra na própria organização da Justiça e seu cumprimento, que não pode se apartar da realidade social que a moldou e molda. Portanto, essa é uma questão histórica e do poder como se organizou no Brasil. O "jeitinho"brasileiro só ganha inteligibilidade quando é confrontado com os valores sociais que praticamos. Por isso, a minha experiência em países estrangeiros me colocou de imediato em confronto com valores que não respeitava realmente por vir de outra realidade. Mas sempre ao retornar ao Brasil, via também que aqui praticar os mesmos valores da gringalhada seria uma insanidade. Existe um salto gigantesco que teremos que fazer, dentro de nossa forma histórica de sermos, para mudar o que nos incomoda atualmente: a frouxidão do cumprimento das leis para quem é privilegiado. Isso se torna um anacronismo cada vez mais vil diante do avanço de nosso país no rumo de um acerto histórico com a exclusão social. Tenho certeza de que é para lá que nos dirigimos, lentamente, mas decisivamente. Um abraço forte.

  34. FDA

    20/07/2010 14:57:33

    Caro Luiz CarlosFrancamente! Me poupe com seus cursos de filosofia tirados das livrarias da rua 25 de Março ou de seus panfletos filosofieros, mistura de filosofia com farofeiro!Não dar para vc fazer um comentário sobre o que vc pensa, sente ou o que sei de outro sobre vc mesmo? É tão difícil se questionar se vc fala a “verdade” a si mesmo ou aos outros?

  35. Luiz Carlos

    20/07/2010 14:54:22

    surfando na jaca disse:20/07/2010 às 11:44''O governo atual acertou em muitas coisas,(...) e uma delas foi não demonizar os movimentos sociais.Meu caro.Movimentos sociais não se demonizam, mas também não se Endeusam. O que se exige é que se cumpram as leis. Só isso!A primeira máxima de todo cidadão tem de ser a de obedecer as leis e costumes de seu país, e em todas as demais coisas governar-se segundo as opiniões mais moderadas e mais afastadas do excesso.Quando se trata da invasão de propriedades, há que se respeitar a lei maior: CF de 88, Art.5º XXII: é garantido o direito de propriedade. (cláusula pétrea).O mesmo artigo, no Inciso XXIII diz: a propriedade atenderá a sua função social.No caso das exceções -Inc. XXIV- a Constituição diz claramente que é a lei, somente a lei que estabelecerá o procedimento para desapropriações por necessidade, utilidade pública ou por interesse social. Sempre, mediante justa e prévia indenização em dinheiro. Ou seja, a palavra final é da justiça.

  36. FDA

    20/07/2010 14:41:07

    Caro Surfando,Fazia muito tempo que não lia suas reflexões do Democrata-social. Tem uns que começam invertido os termos: social-democracia. No seu caso, sempre que lia seus comentários, dizia que vc é antes de tudo um democrata, um defensor, um militante da democracia na prática social!Pelo visto vc entrou “sakapotando” forte, eh! Como se diz em francês: “mieux vaut tard que jamais”(antes tarde do que nunca) rz!Gostaria de fazer duas observações do seu comentário:Primeiro, vc diz não acredita que os comentaristas estejam “fugindo do assunto em pauta, mas ele é um tanto escorregadio”.Quem sabe vc tem razão! Mas quem sabe se a “fuga do tema em pauta” não confirma justamente o pressuposto do Sakamoto: o “medo” de entrar em um campo “escorregadio”, de descobrir a “verdade” sobre si mesmo?Olhar cara a cara a Medusa. Fica aqui a questão!Segunda, li atentivamente seus comentários. Tem um onde vc fala de sua “experiência entre Brasil e os ianques” que me interessou bastante.Vc afirma que “para eles (ianques) a lei funciona, para nós, ela não existe”! Não vou argumentar aqui a premissa segundaria: vc é muito inteligente para ver onde vc pisou na bola!Prefiro relevar o conflito intercultural muito banal entre “brasileiros” e outras culturas estrangeiras: a confrontação intercultural entre visões do mundo e direitos universais.Concordo em parte com vc: a liberdade, obediência, punição e “repressão são interiorizadas (se vc vai pelo lado cognitivista. Pelo visto Carolina jà esta fazendo seu efeito) nos ianques”!Diria que, de maneira geral, esses princípios são introjetados nas pessoas. E isso tão bem nos EUA como também na Europa!A Razão seria muito simples: esses principios passam por um processo de ensinamento e aprendizado. Os princípios da história sociopolítica do pais como também da história da filosofia ou de filosofia do direito é obrigatório en alguns países da Europa.Na França, o aprendizado reflexivo com esse principios começa na adolescência, antes dos 12 anos!Assim, do meu ponto de vista, caro Surfista, não existe solução milagrosa: a família brasileira, o ensinamento brasileiro, a sociabilidade brasileira são fundamentais para adquirir conhecimentos e ensinamentos sobre as questões que fazem referencia ao direito universal: que ele seja, individual, civil, do trabalho ou institucional, o Direito faz parte de nossa realidade quotidiana!Caro Surfando, a “lei” não é “inexiste” no Brasil, muito pelo contrário, ela é onipresente: o Brasil tem uma das melhores legislações, uma das melhores estruturas judiciária no mundo.O “jeitinho” se impõe como um "habitus", uma forma de facilidade, como uma tentativa de transgressão da visão ética-moral das coisas e da relação humana.Dai a questão: Sera que tem que ter tanta “malandragem” para não levar as coisas a seria?Digo e repito: o “jeitinho” funciona no Brasil, sem dúvida por que o Brasil é um pais de mudanças rápidas, de mobilidade e de complexidade social muito grande. No Exterior, na França, por exemplo, ele é causa de sofrimento, de exclusão social, de discriminação sociocultural de conflitos interculturais constantes entre brasileiros e franceses.Quer queira quer não a Direito Moderno faz parte de nossa vida quotidiana moderna, sem uma reflexão sobre o direito como mediator da integração social, a porta esta aberta a todas as aberrações possíveis e imagináveis...

  37. Luiz Carlos

    20/07/2010 14:34:45

    ''Um príncipe prudente não pode e nem deve guardar a palavra dada quando isso se lhe torne prejudicial. Se os homens fossem bons, este preceito seria mau, Mas, dado que são pérfidos e que não o observariam a teu respeito, também não és obrigado a cumpri-la para com eles.''Machiavelli.Já nos idos longínquos do ano de 1514 o grande marqueteiro dos Médicis ensinava aos seus protetores, regras de procedimento e ações na arte de governar. E a verdade, como se vê no clássico ''O príncipe'', não era um virtude que merecesse respeito. Mas, note-se que, Machiavelli, fez uma importante ressalva; ''Se os homens fossem bons''. O Príncipe, no entanto, teria que se haver com os súditos, os quais, segundo se entende na lição, são pérfidos.Quase 500 anos depois, outro marqueteiro, Duda Mendonça, precisamente em 2002, no Brasil, conseguiu a façanha ensinada por Machiavelli. Transformou um candidato carrancudo que pregava mudanças radicais (virar tudo isso que está aí) no Paz e amor e, o virar tudo isso se transformou no mais escancarado ''continuar tudo isso que tá aí''. E o que é mais impressionante, quem acreditou na lorotagem, agora aceita, sem ressalvas, o novo produto que lhes foi enfiado goela abaixo.Mas, é importante lembrar de outro marqueteiro —mais antigo ainda—, o filósofo Sêneca que em 60 do Século I ensinava: QUEM NÃO SABE MENTIR NÃO PODE SER POLÍTICO''.Ora pois, porque então o cidadão comum, diante de algumas situações não pode fazer uma lorotinha para aparecer bem na fita.

  38. Denize

    20/07/2010 13:46:25

    o Censo 2010 vem aí!!!

  39. surfando na jaca

    20/07/2010 11:46:36

    construiu. anacrônicas...

  40. surfando na jaca

    20/07/2010 11:44:22

    Emérito FDA, muito boa sua análise sobre o caso em questão. Não creio que estejamos fugindo do assunto em pauta, mas ele é um tanto escorregadio. Acredito que a questão esteja colocada pelo Sakamoto de maneira confusa, ao envolver outros aspectos que fogem ao tema central: a nossa "hipocrisia". O Malicuia resumiu a ambiguidade fundamental. Assim evitamos as considerações sobre o comportamento do jornalista em relação à metodologia de pesquisa de opinião. Continuo achando que o ser humano é uma formação cultural derivada da materialidade das condições em que foi criado (suas aptidões biológicas é outro assunto). Afirmo mesmo que o "jeitinho"brasileiro é uma forma social de resolver os problemas diante da ineficácia das leis. Não podemos acreditar nelas, já que elas demonstram subterfúgios para quem possui dinheiro e poder. Nem mesmo os funcionários da lei acreditam no que deveriam fazer respeitar. A pergunta então é como chegamos a essa construção histórica de nossas leis? A nossa tradição é a da defesa das elites em primeiro lugar, antes das leis. A lei que nossa elite construíu é para os inimigos do poder e para o "zé povinho". Torna-se cada vez mais anacrônico as bases históricas coloniais que sustentam nosso aparato Judiciário, diante da inserção do "zépovinho" na sociedade dos consumidores. Cada vez mais o Judiciário se despe e se torna visível ao povo como um poder que serve apenas para a impunidade dos de "colarinho branco". Teremos que mudar nossa sociedade para resolver esse impasse social. Concordo que o caminho não pode ser o de reforçar o paternalismo ou o radicalismo de esquerda, já que não existem condições históricas no momento para isso. O rumo certo é o das reformas sociais, ainda que lentas, mas progressistas contra o conservadorismo. O governo atual acertou em muitas coisas,ainda que tenha fracassado na reforma do Judiciário (um vespeiro histórico e seria enfrentar nossas elites) e uma delas foi não demonizar os movimentos sociais. Nota-se claramente que essa é sempre a bandeira do conservadorismo contra a ameaça do fortalecimento da sociedade civil organizada. Só nesse caminho romperemos com o "jeitinho"brasileiro e poderemos sobreviver de outra forma, amparados em regras claras. Quanto à hipocrisia do brasileiro, me pergunto se ela é diferente da dos outros povos? A polícia londrina jamais irá afirmar que é preconceituosa com imigrantes, mas matou e ficou impune no caso mineiro Jean Charles. Um abraço.

  41. FDA

    20/07/2010 04:45:37

    Caro Luiz Carlos,Tenho muitas dificuldades de discutir vários temas ao mesmo tempo ou temas fora do post proposto pelo autor!Portanto vou escolher um tema do seu comentário: a afirmação segundo a qual “a sociedade é, majoritariamente, conservadora nos costumes!”Talvez! Mais me dê um só exemplo de uma sociedade mundial que não seja conservadora?Neste aspecto, concordo com a tese do Sakamoto: a sociedade brasileira vive uma “crise generacional: é a tensão entre conversadorismo e progressista, e ai esta a questão?Não posso responder a essa questão. Como não posso argumentar aqui as implicações desta tese na vida prática dos brasileiros!Saiba, no entanto, que o fato de esta de acordo com uma das teses do autor não implica posturas homogenias.Os posts do Sakamoto, dão a entender que ele tem uma posição radical socialista. No sentindo que ele defende uma visão politica centro-esquerda, visando a encontrar soluções a essas tensões que colocam em perigo os valores Republicanos brasileiros de Igualdade, Liberdade e Solidariedade, etc. e ao meio ambiente.Pelo visto, vc se alinharia na posição por “mudanças bruscas ou revolucionárias”: seria um forma de radicalismo progressista.Minha postura é de militante por “Europe Ecologie”. Ela é assentada na crítica do marxismo (esquerda-marxista radical) e na crítica do social.Penso que as mudanças são necessárias sim! Mas tais mudanças não se fazem de maneirais radicais ou “revolucionarias”! Revolucionario ja fui, não sou mais....Do meu ponto de vista, as mudanças se fariam, para parafrasear Paulo Freire, filosofo esquecido no Brasil mais que tem demonstrado que suas teorias são benfeitoras no campo da prática social internacional (Suiça, França e Oxford), “aprender aprendendo”sobre as questões sociais e ambientais.Ou seja, na dialéctica do aprender sobre a vida prática de todos os dias e assim aprendendo a encontrar compromissos sociais e políticos para o melhorar o “bem comum” da sociedade que já vive um conflito gena racional,moral, econômico e institucional!Concretamente: discordo com vc, quando vc subentende que a “hipocrisia” é um fenômeno nacional! Já demonstrei em outros comentários que o termo é universal. O que implica uma atitude universal! Mas não é porque o fenômeno é mundial que ele não deve ser questionado.Minha convergência com o Sakamoto vai neste sentido.O ideal seria de se colocar a questão de saber se existe uma relação entre todos os temas tratados pelo autor como o fato de dizer a “verdade”, a “honestidade”, a “veracidade”, a “inventividade”, a “ruza”, a “imaginação”, o “medo” e a “hipocrisia” e a peculiar “malandragem” do brasileiro!Como vc pode constata, o tema é complexo, visto que ele interfere entre outros princípios e outras normas comportamentais. Falo da “malandragem” no senso do “jeitinho” brasileiro, do “jogo de cintura”, de um “know how” ou “savoir-faire”. Não sei se o conceito proposto pela leitora/ comentarista Carolina faz sentido neste contexto: o “síndrome do top two boxes” que seria um conceito cognitivista ja considerado na abordagem mórbida.Se vc ler bem o post do Sakamoto, o fato é que a “verdade” faz medo, é motivo de frustração. Medo e frustração seriam profundamente incorporadas na maneira de viver do brasileiro. Elas interpelam o próprio autor: abordado na rua, o autor responde a “verdade” sobre sua profissão!Como a resposta não satisfaz a entrevistadora ela faz cara feia (signo de frustação)!Da para notar o paradoxo da experiencia pratica: a norma do falar a “verdade” não é bem aceita quando ela não satisfaz os interesses pessoais de alguém!Se vc examinar os comentários alguns leitores/comentaristas, veras que eles tem dificuldade de se posicionar, de encontrar um compromisso entre a “verdade” e o “jeitinho brasileiro” de se sair de situações complexas! Ou seja, alguns comentaristas preferem “fugir” do tema e comentar sobre “outras” coisas, racionalizar, argumentar, explicar, sair do tema do debate, etc.Em suma: Sakamoto tem razão de questionar se o brasileiro fala a “verdade” sobre si mesmo. O autor tem razão de ser posicionar em observador/participativo a essa problemática.Concordo com ele, quando ele afirma que o “medo” ou a “hipocrisia” não deveriam nunca servir de pretexto para encarar a “verdade” sobre “nos mesmos” ou serem objetos de frutração!A proposta do Sakamoto seria o da anális de uma “autocritica” a si mesmo, e ao mesmo tempo uma “crítica” dos nossos comportamentos sociais na relação ao outro ou com as “instituições” brasileiras!Do meu ponto de vista, e, fundamentado na minha experiencia com as relações interculturais: “medo” ou a “hipocrisia” coexistem lado a lado com “o jeitinho” brasileiro de viver, com a consciência moral, com as normas e valores éticos-morais socioculturais (condutas indivíduas e institucionais”)!Negar esse fato seria uma ilusão: os comentaristas demonstram.Existe então necessidade de compreender o que esta em jogo neste “jeitinho” brasileiro de viver e dificuldade que temos de optar por uma moral-ética coesa. E isso, a meu ver, se faria em um trabalho coletivo.O fato é, que ele seja ao nível nacional ou internacional, que tais experienciam de vidas são ambíguas: elas são muitas vezes motivo de satisfação. O “brasileiro” se sentir experto, inteligente, etc, quando ele se sai de uma situação complexa.Mas ela não é indiferente ao julgamento do “outro” (a entrevistadora não gostou do que ouviu), o “outro” de outra cultura impregnado de valores morais e éticos (ver comentários do Surfando na jaca) não entende muito esse “jeitinho” brasileiro de viver. Tal atitude pode ter um impacto negativa!Um ou outro que podem induzir a situações de confusões (interrogações no caso do post do Sakamoto), podem induzir atitudes fundamentadas na morbidade perversa: o fato de querer ganhar a “empatia” do outro, a mal honestidade, etc. Atitudes que podem ser “insuportável” de viver no dia a dia!Aprender aprendendo sobre essas ambiguidades, essas dificuldades de viver, encontrar compromissos justos e benéficos não somente para si mesmo mas para a Sociedade civil, seria, a meu ver, uma maneira de abrir um horizonte “critico” e “autocritico” para o progresso brasileiro!Assim o paternalismo radical ou o radicalismo anti conservador me parecem impertinentes para a construção de um Brasil melhor!Voila!

  42. FDA

    20/07/2010 01:40:36

    Nossa, como o blog do Sakamoto é eclético...Rico em tradições populares ancestrais!A prova: se seguimos a pé da letra o retrato falado Carolina, a leitora/comentarista seria uma Pomba-gira cigana científica!Diz a tradição popular là dos Candomblés ou das Umbandas do Brasil que essa entidade tem a “alvura da pele de quem quase não vê a luz do sol”, “tem o cabelo comprido e sedoso onde ela passa o tempo todo a acariciar.” Como antes do seu desencarne fez a promessa a sua mãe a Santa Sara Khali, os “cavalos escolhidos ou aparelhos teriam com essa mesma aparência”!“Detesta beber drinks”. “Prefere whisky, mas só com as más companhias”.Quando desse no terreiro “tenta parecer uma dama, e como mamãe ensinou”, só bebe uma taça de champagne ou vinho”. “Gosta muito de trabalhar para o amor, sedução e ajudar os outros” pois como não teve tempo de conhecer o seu prometido quando vivia na terra, gosta de ajudar as pessoas para que tenham sorte no amor e tenham sempre um saúde maravilhosa...Tem muita simpatia por ambos os sexos e esta sempre dando mensagens de amor, carinho e esperanças...“Suas médiuns são sempre mulheres jovens e bonitas”.Zaro bombo-gira “o assobiar desta bela jovem enfeitiça a quem escutar…ela é a bela ciganinha.. que vem toda proza a prosear”!Assim, um recito popular tornou-se “realidade” sera que é isso “falar a verdade sobre si mesmo”?

  43. Malicuia

    19/07/2010 23:19:01

    Se perguntarmos em uma pesquisa se você é racista, 90% dos entrevistados dirão que não. Se perguntarmos se você acredita que haja racismo no Brasil, 90% dirão que sim. Pergunta respondida Sakamoto?

  44. Hans Lauxen

    19/07/2010 21:25:56

    E o sexo dos anjos é ......Continua no próximo capitulo!

  45. Luiz Carlos

    19/07/2010 20:13:08

    FDA disse:19/07/2010 às 16:24Caro Luis Carlos,''Bom, pelo visto o debate sobre a questão de saber se o brasileiro fala a verdade sobre si mesmo morreu!''Não. Não morreu não! Ao contrário, ao conclamar a fazermos uma análise de nós mesmos, como procederíamos diante de certas questões que a sociedade ainda não absorveu bem, pretendi chegar no limite e nos espiar pelo buraco da fechadura e desvendar os nossos próprios segredos. Por favor, tente se colocar na situação que sugeri, mas com sinceridade absoluta.A sociedade é, majoritariamente, conservadora nos costumes e desaprovam mudanças bruscas ou revolucionárias. O conservadorismo clássico aceita e espera por mudanças, mas que estas sejam para melhor.E o Brasil ainda é ultra-conservador. Não há nenhum país desenvolvido que ainda criminalize o aborto. Nem Portugal! Nem a Itália e nem a Espanha. Nós ainda discutimos coisas assim. E isso nos leva ao tema do post; somos também mais hipócritas, uma vez que o SUS garante que somos os campeões do mundo em abortos clandestinos.(Portugal foi o último país Europeu a descriminalizar o aborto e o fez por força de um plebiscito em março de 2007)Há duas exceções: Polônia e Irlanda. Por motivos óbvios.

  46. surfando na jaca

    19/07/2010 19:54:53

    ligasse.

  47. surfando na jaca

    19/07/2010 19:54:35

    Marcelo, mas só se poderia comer um cachorro num país que não liga-se para isso. Vai comer um churrasquinho de cachorro no meio da rua na Europa para ver se fica nisso.Gandhi dizia que pode-se julgar um povo pelo modo como tratam dos animais.

  48. Marcelo J.

    19/07/2010 19:31:19

    Neste caso mencionado acima, muito provávelmente, dado ao fato pelo que passam as pessoas que não tem onde morar, o gatilho para tal mentira possívelmente tenha sido a fome e a carestia.

  49. Marcelo J.

    19/07/2010 19:18:43

    Não seria a mentira é um fato consumado nas sociedades?Mente-se para obter vantagens, mente-se para se proteger de besteira ou coisa pior que tenha feito e a mentira corriqueira é a pessoa que mente para não parecer que é um perdedor, um fracassado na vida, mas como dizem os mais antigos mentira tem perna curta, sempre se descobre a verdade ou a presumida verdade.Fato também que o beneficio da duvida deve ser dado em certos casos, mas também não deve ser deixado de lado o senso crítico.Tem até festival de mentira aqui no sul, em Nova Bréscia, mente quem conta a mentira mais cabeluda.Exemplo fantástico, ultimo domingo empresa jornalística hegemonica aqui no sul estampou a foto de um morador de rua assando um churrasco debaixo de um viaduto, uma paleta (cordeiro(borrego) ou leitão) espetada e assando. A duvida ou a mentira (que não foi anotada pelo jornalista do veículo de comunicação), dada a pequena estrutura da paleta, talvez não seja de animal de criação, mas sim se trata do melhor amigo do homem (o cachorro), coisa que o morador assador negou veementemente. Em tempo, a carne de cordeiro esta lá pelos 19 reais o kilo, leitão não está onge disso também.Talvez um benfeitor que goste de rasgar dinheiro, tenha dado de presente para ele, concordam?Saúde e paz

  50. MissUnderstood

    19/07/2010 18:32:17

    Surfando na jaca, até pode ser.Particularmente eu prefiro "Conselho"Fernando Pessoa-Obra Poética-pag 119

Os comentários não representam a opinião do portal; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Leia os termos de uso