Blog do Sakamoto

O pânico gerado pelo aumento no Bolsa Família

Leonardo Sakamoto

A partir deste mês, os beneficiários do Bolsa Família receberão aumento médio de 19,8% nos repasses, podendo chegar a 45,5% – para quem tem filhos de até 15 anos. Isso significa um pagamento de R$ 32,00 a R$ 242,00, com valor médio de R$ 115,00 – que, como sabemos, é uma fortuna sem tamanho. Ao todo, cerca de 50 milhões de pessoas serão beneficiadas.

A maioria dos críticos do programa não reclama de sua existência, mas sim da eficácia das portas de saída – para garantir que as famílias tenham autonomia econômica – e de usos eleitoreiros do mesmo. Além do mais, os partidos políticos perceberam que não conseguirão apoio da massa sem garantir que manterão ou ampliarão determinados programas, como os de transferência de renda, vinculados ou não à educação – que tiveram seu início na era FHC e passaram por um processo de ampliação no governo Lula.

Cálculos do Institutos de Pesquisas Econômicas Aplicadas (Ipea) mostram que a cada real repassado pelo programa, o Produto Interno Bruto brasileiro aumenta R$ 1,44. Ou seja, o Bolsa Família teve o mérito de retirar 3 milhões de pessoas da extrema pobreza, mas também fazer rodar a roda da economia em comunidades do interior do país.

Mas, como em todo o lugar, tem um chumaço de gente que acredita que pobre tem que morrer de inanição.

Ouvi de um comerciante de uma pequena cidade do Nordeste que essa coisa de Bolsa Família é dar dinheiro para vagabundo. E que o governo “distribuir dinheiro” a torto e direito estava fazendo com que muitas pessoas pobres deixassem de trabalhar.

Assumindo que isso não seja preconceito e sim verdade e que não seja exceção e sim a regra (simplismo que só uma pessoa que tem dois neurônios, o Tico e o Teco, apoiaria), só há uma conclusão útil: os empregadores dessas localidades devem estar pagando muito, mas muito mal a mão-de-obra para que ela desista de trabalhar por uma merreca furada como o repasse médio do Bolsa Família.

Isso quando não aparecem especialistas dizendo:

- “O pobre vai usar o dinheiro para comprar TV, geladeira, sofá e outros artigos de luxo” (observação importante: e daí?)
- “O pobre não terá incentivo para trabalhar. Vai se acostumar na pobreza” (ah, sim, todo mundo gosta de lama)
- “Não adianta dar o peixe, tem de ensinar a pescar” (esse maniqueísmo é lindo)
- “O governo só sabe criar gastos” (tipo o pagamento de juros da dívida?)

Este post não está criticando ou elogiando partidos ou governos, tanto que reconhece avanços de diferentes origens, mas tentando entender o que, além do preconceito, faz com que um cidadão que tenha um pouco mais na conta bancária acredite que pisar no andar de baixo é a solução para galgar ao andar de cima? O Brasil não é o país da tolerância e da fraternidade, como muitos gostam de dizer, e sim do cada um por si e Deus – proporcionalmente ao tamanho do dízimo deixado semanalmente – por todos.

Para esses, distribuição de riqueza significa “doação de calças velhas para vítimas da enchente no Rio”, “brinquedos usados repassados a orfanatos no Natal” ou “uma doaçãozinha limpa-conciência feita a alguma ONG”. Nada sobre um esforço coletivo de buscar a dignidade para todos, porque todos (teoricamente, apenas teoricamente) nascem livres e iguais.

  1. michelle

    20/04/2011 12:04:12

    eu sou a favor do bolsa familia essa gente que critica nao faz nada pelos pobres, so sabe criticar mas nao ajudao em nada o seu proximo por isso que o mundo esta terrivel as pessoas perderao totalmemte o amor

  2. Serra Abaixo

    19/04/2011 12:17:26

    Socorro!Quer dizer que agora os pobres podem comprar comida?Os pobres agora já podem até estudar?Que horror!!! Que tragédia! Pobre comendo e estudando...Não vão mais poder ser enganados por "aves de bico grande" que voam a cada 4 anos? Nossa!!! Será o fim dessas aves?

  3. sander lucio borges

    10/04/2011 13:23:47

    Meu, disse tudo! mas tudo o que eu queria dizer para os "brasileiros"...

  4. dirce

    08/04/2011 15:57:35

    Parabens Chris!!!

  5. Pedro Sebastian

    08/04/2011 12:30:50

    É triste pelo fato de eu ter que concordar que apenas teoricamente, todos nascemos livres e iguais..As leis nos dizem isso,mas, de fato não é o que acontece.Alguém me disse, algo como:A contradição está no sistema... O que você acha?abraços!!!

  6. verme

    07/04/2011 18:29:54

    Apologia ao trabalho por merreca é o quê?Fomento ao suicídio?Automutilação?Treino para futuras torturas?Por que não voltar logo com o chicote ?Isso não pode, amigão.

  7. verme

    07/04/2011 12:39:28

    Leia minhas contribuições posteriores.Têm respostas pra você.Se lhe interessar, é claro.

  8. Maria Alice

    06/04/2011 16:38:05

    Caro Idi,Só no que se refere à educação, permita-me pensar junto, por favor. Então:(...)Agora… hoje em dia, corre atrás quem quer. SENAI possui diversos cursos de aprendizagem industrial que são gratuitos e ainda possibilitam contrato pra jovem aprendiz, que dá bolsa de meio salário para a pessoa estudar e ainda começar a arcar com um custo inicial de um possivel negocio.(...)Cadê as verdadeiras orientações? Cadê o mapa para se chegar lá ? Gastam fábulas com propagandas político-demagógicas, mas as que são úteis ao povo carente (de notícias, de orientações e de desburocratizações) inexistem, por quê ? Não sabem fazer ,ou não querem divulgar os passos de como se chega a programas de inclusão ? No meu entendimento, há de se orientar devidamente. Em decorrência, pergunto: não o fazem adequadamente, por quê ? É cultural ou é maldade mesmo? ) Dificultam o máximo com burrocracias, ou melhor, por que só eles podem ser desprovidos de iniciativas à obtenção de metas ? Ora, mas também o que esperar de linhas de raciocínios onde os que teem possibilidade$ de acesso à boas instituições de ensino superior pagas optam por usar as gratuitas ? Competição desleal ! Típico de inversões de valores: quem não tem paga; quem tem não paga. Faz sentido quem não tem pagar estudos e cultura para quem tem ? Se sim, é para juntar dinheiro para o intercâmbio, ou é para viajar para o exterior nas férias ? Ou, será para dizer que são mais inteligentes ?Em tempo:quando não $e tem, até o do transporte fica difícil. Qualquer criança carente sabe disso; aliás, até porque, para ela, ir à escola significa poder comer, também. Por conseguinte, as formalidades burrocráticas são, no mínimo, estranhas. Cultura antiética = Cultura dos brioches da Maria Antonieta ? Cabe reflexão.

  9. Pedro A.

    06/04/2011 11:39:16

    "Nem todos podem ser sustentados para sempre."sei lá, a gente admite que políticos sejam. antes sustentar alguém honesto e que faça a economia rodar.

  10. Marcelo Franzoi

    05/04/2011 23:28:55

    Sou a favor do Bolsa Familia, por um simples motivo. É muito ruim (para dizer o minimo) não ter o que comer. Até parece que o que essas familias ganham vai incentivá-las a não trabalhar. Se tivessem trabalho e empregos dignos, com certeza ganhariam mais que o bolsa familia.Me da a impressão que os que ganham um pouco mais, tem raiva dos pobres, não sabem ou não percebem que nossa sociedade tem uma divida muito grande com os menos favorecidos.E sem contar que esse dinheiro do bolsa familia faz sim a economia girar. Empresario que critica isso, só pode ser por maldade. Você já viu um necessitado que ganhe 400,00 por mes guardar esse dinheiro ? Claro que não, esse dinheiro volta para economia, comprando alimentos, roupa e outras coisas necessárias a sobrivivencia humana.

  11. Cassio Lima

    05/04/2011 17:31:08

    Quando se lê gente desonesta intelctualmente , a gente fica com raiva... mas quando a gente lê desonestos toscos em argumentação , forma e conteúdo como o blogueiro é impossível não sentir um misto de vergonha e de medo.Vergonha porque argumentos tão pueris e babacas não se sustentam racionalmente a não ser que mantidos por ONG´s fajutas , que não declaram sua contabilidade - como parece ser o caso daquelas a que ele pertence.Medo porque o espaço dado a ele é defendido e mantido por uma matilha feroz que , ao estalar de dedos dos mantenedores do dízimo, arreganham os dentes e saem , como vacas bravas , a atacar a tudo e a todos , sempre com argumentos tão frágeis e lamentáveis como os do senhor das terras do Timor Leste.Este pessoal é aquele que a melhor argumentação que conseguem construir é aquela de criticar os adversários para que se esqueçam dos absurdos dos aliados.No final das contas , nada de se discutir o efeito avassalador que políticas públicas paternalistas mal implementadas têm sobre a índole do povo e o futuro da formação das pessoas... é óbvio: gente como o blogueiro não tem compromisso com o amanhã.Seu compromisso se encerra na boca do caixa , no argumento infantilóide e na pieguice que ainda ecoa apenas dois tipos de grupo de pessoas : idiotas ingênuos e pilantras canalhas ... infelizmente , nunca acreditei na ingenuida do blogueiro !A gente merecia algo melhor e menos leviano neste espaço !

  12. Karen

    05/04/2011 13:46:15

    O Bolsa Família tem um teto. Não interessa se o cidadão tem 30 filhos ou 4. Então o argumento de que aumento de natalidade não se justifica.O que ue concordo é que, além da exigência de frequencia escolar e acompanhamento médico às crianças, os pais desempregados fossem obrigados a frequentar algum curso profissionalizante. O mesmo se aplica pro segundo desemprego.

  13. j.a.mellow

    05/04/2011 13:23:01

    A coisa não é bem assim, mas a verdade é que com o recebimento de um mínimo que possibilite comer sem trabalhar, realmente teria que se promover um diferencial para que houvesse uma evolução dos salários atualmente pagos a quem não tem nenhuma qualificação. É por isso que se vê algumas pessoas próximas aos individuos que recebem o bolsa familia acharem que os mesmos não querem trabalhar e infelizmente ficarão eternamente assim, se não for feito urgentemente uma qualificação de toda essa mão de obra, de todos esses possiveis profissionais que além de não melhorarem educacionalmente, também não o farão na ajuda aos proprios descendentes.

  14. Chris

    05/04/2011 13:01:43

    O programa é bom, ajudou muita gente a tirar o pé da lama, é de certa forma eficaz, fato. Porém, não se vê muitas histórias de pessoas que eram miseráveis, e com o ajuda do bolsa-família tiveram uma chance de alavancar, e hoje são bem sucedidos e não se utilizam mais desse assistencialismo. Isso é fato também.Ninguém gosta da miséria, mas a vontade de se esforçar pra sair dela, não é qualidade de muitos.Ele ficam estagnados, passam de miseráveis à “classe E”.. e dali não saem. Preferem o trabalho informal e a bolsa, do que se utilizar da bolsa para se inserir no mercado de trabalho com carteira assinada.Assistencialismo não é pensão vitalícia. Ela serve para te ajudar, assistir, não para te manter.Aí que entra o quesito educação, que ao meu ver, seria muito melhor eles gastar esses milhões em educação e fornecimento de empregos aos jovens, que por sua vez iriam adquirir experiência no mercado e assim ‘tirar o pé da lama’ de vez, ao invés de apenas os sustentar.Cito novamente, o bolsa-família tirou muita gente da miséria, é um bom programa.. porém mal aplicado, e mal fiscalizado também, porque há muita corrupção nesse programa. E todos sabemos que é verdade.Sabemos que na teoria é fácil, mas aplicar o maniqueísmo lindo de “Não adianta dar o peixe, tem de ensinar a pescar” é complicado. Porém seria o correto. Não consigo ver qual opção seria melhor do que essa.Mas não é do interesse político que o povo tenha educação, pois a educação instiga a questionar, e isso pra eles é ameaça.

  15. Maria Alice

    05/04/2011 12:38:22

    Cara Walesca,Com certeza ! Abraço.

  16. Janete Brito

    05/04/2011 12:07:23

    Engraçado!!! Os que são contra a esse tipo de programa de auxilio de renda, deviam pesquisar e ver como alguns paises desenvolvidos tb tem programas ate mais generosos do que esses que temos aqui.

  17. Marcelo Stonddeli

    05/04/2011 12:03:51

    O beneficiário do bolsa família prefere "ficar tranquilo" com R$250,00 a acordar seis horas da manhã de segunda a sexta pra levar R$545.É difícil entender?

  18. Almir

    05/04/2011 11:48:21

    A questão principal, a meu ver, é a utilização do Bolsa Família, (cujos recursos saem do bolso dos contribuintes), como moeda eleitoreira.Considero realmente necessário um trabalho para conscientização dos beneficiários do programa, para que utilizem a educação profissionalizante gratuita, como forma de ascendencia social, que os libertaria dessa dependencia.

  19. MANOEL MORALES MARTINS

    05/04/2011 10:47:02

    Não estaria na hora de algum orgão nos defender dessas "arbitrariedades"???

  20. MANOEL MORALES MARTINS

    05/04/2011 10:45:40

    E a minha aposentadoria depois de 40 anos de trabalho e de contribuição pelo teto não passa de 4 sálarios mínimos.Deixando claro que o custo de vida dos grandes centros é bem maior que dos estados menos desenvolvidos do NE.

  21. Caçador de pitbulls

    05/04/2011 10:19:56

    Pô, japa! Ainda não liberou meu comentário? Isso só pode ser perseguição...

  22. Edson

    05/04/2011 09:03:19

    Eu acredito nos governantes que olham para as classes menos favorecida, porque com certeza está ajudanda as crianças desses pais, ver uma luz no fim do tunel, só estou contra esses juros que nos pagamos é um abisurdo.

  23. M.A.

    05/04/2011 08:51:25

    Marilu, eu te amo! Como sempre suas palavras são um refrigerio para minha alma. Beijos

  24. Ciro Lauschner

    05/04/2011 07:13:20

    Isso chama-se apologia à preguiça. Essa poe, não é crime.

  25. FDA

    05/04/2011 03:35:13

    Aumento “bolsa família”: verdadeiros problemas ou falsas soluções?O Saka fez bem em ressaltar que o problema da “bolsa família” não são as “críticas” ou “elogios”. A questão é de saber por quê o programa “bolsa família” releva da questão “preconceituosa”, do egocentrismo, da superioridade do “cidadão” brasileiro?Em que o fato que um indivíduo “tenha um pouco mais (..) acredite que pisar no “outro” - andar de baixo - é a solução”? Qual o interesse de saber que “Brasil é o pais do cada um por si e Deus (..) por todos”?Que no Brasil, todo mundo diz “cada um por si e Deus por todos” é fato. Assim, é muito fácil para o autor de deslocar um provérbio popular que resume muito bem a ideia que cada um tem de si e que ele projeta no pais. O fenoméno é hiper comum na sociopsicanalise.Além disso, a politica liberalista se alimenta desta visão egocêntrica do mundo. Os “preconceitos” veiculados pela população também. Que o governo “distribua” “dinheiro” e faça “com que muitas pessoas pobres deixassem de trabalhar” seja um preconceito politico de “lugar-comum”, ninguém ignora. A ideia vem do medo da política paternalista. E Dai?Mas a Sociedade Civil não é a única a veicular “preconceitos”. Na blogosfera é cheia de “preconceituosos”. Uma multidão virtual estima que a “empregada largou o emprego pra viver de bolsa família, um absurdo!” Quem não sabe que essa visão vem do “pavor que os reacionários têm” da “ascensão social das classes subalternas”. Do terror do “comunismo” stalinismo, da éterna “luta de classes” (Marx) que vive, sobrevive e se reproduz no pais.Dá pra notar que o problema não é tanto de saber por quê “o Brasil” é ou “não é o país da tolerância e da fraternidade, como muitos gostam de dizer”, referência a um comentário anterior feito aqui.O problema é de saber por quê os direitos sociais (Capitulo II) reconhecidos pela Constituição brasileira, como a “alimentação”, a “saúde”, a “educação”, ao “trabalho”, a “moradia”, a “segurança”, a “assistência aos desamparados” (art. 6°) são sistematicamente contestados pela Sociedade Civil e pela blogosfera.O problema é de saber por quê a intolerância, a falta de solidariedade tornaram-se valores ideológica comuns banalisados no pais? Mas para ter um “entendimento” do fenômeno seria necessário mudar de posição: sair da neutralidade observadora e partir para uma atitude participativa.Mas "Isso" é uma outra história...

  26. JR=SP/SP

    05/04/2011 02:05:09

    Não houve, não há e nunca haverá projeto algum para tirar os miserá-veis da situação de MASSA DE MANOBRA, TANTO CRITICADA PELO PT,desde sua criação.Bolsa Família (=bolsa votos), bolsa presidiário, bolsa revolucionários, bolsas, bolsas e mais bolsas. E quem paga essas contas ???Os trabalhadores brasileiros que têm carteira assinada e sofrem des-conto na fonte, ou seja, em folha de pagamento.Não tem como fugir . O GOVFED cria, o sofrido povo brasileiro é que tem de pagar as contas MULTIBILIONÁRIAS ($), sem direito a reclama-ção !É impossível acreditar que um ser pensante possa ir a favor dessas"coisas" para enganar eleitores visando a perpetuação no poder.No caso do Bolsa-família (bolsa votos) teria de existir prazo, de no má-ximo 6 meses, com perspectivas de o GOVFED criar condições para que quem vive dessa verba possa realmente se sentir digno, trabalhando e ganhando a vida como O MUNDO TODO FAZ !Inaceitável essa situação, uma vez que, quando falta dinheiro, o GOV FED logo aponta a solução como fez a Dilma, aumentanto impostos(sobre bebidas) e preparando o povo para novamente aceitar a CPMFe outros tipos de impostos, apesar de NUNCA ANTES o GOV FED ter tido arrecadação tão alta NESTE PAÍS ! ! !Quanto ao corte de gastos do GOVFED, NEM PENSAR !TUDO CONTINUA COMO ANTES !

  27. myrtacea

    05/04/2011 01:24:14

    Caro jornalista, por falta de assunto, segue matéria.O Tribunal Regional do Trabalho de Campinas manteve em segunda instância decisão que obriga as multinacionais Shell e Basf a pagar R$ 1,1 bilhão por danos causados aos trabalhadores da unidade de fabricação de agrotóxicos, em Paulínia (117 km de São Paulo). Cabe recurso.A sentença é resultado de uma ação coletiva movida em 2007 pelo Ministério Público do Trabalho de Campinas e pela associação dos ex-trabalhadores da fábrica, já extinta. A Justiça concluiu que houve contaminação por substâncias químicas.Parte da verba (R$ 64,5 mil por trabalhador) deverá ser usada para tratamento médico de funcionários, autônomos e terceirizados. A cobertura também inclui despesas médicas de familiares. Cerca de R$ 761 milhões deverão ser destinados ao FAT (Fundo de Amparo ao Trabalhador), por danos morais."Para os 988 trabalhadores, a decisão foi perfeita. A contaminação causou a morte de 56 pessoas", afirmou o advogado dos ex-funcionários, Vinicius Cascone.

  28. Ssmmith

    05/04/2011 01:13:21

    Reforma agrária não passa um tema hiperbólico e fantasioso inserido na Cf/88, alías esse termo é inadequado para uma constituição Liberal onde se protege a propriedade privada. Onde se lê reforma agrária caberia muito bem o termo readequação das áreas que não cumprem a função social.A sistemática da CF/88 nunca foi essa "reforma" que o líderes do MST pregam, até pq a dita "reforma" seria a fragamentação de todas as grandes propriedades, mas como o Estado faria isso, como conseguiria tanto deinheiro para pagar as indenizações, faria um ruptura com os princípios de proteção da propriedade?A tese de "reforma" não passa de um idéia arcaica e inócua que nem o PT a defende mais, pois de pouco resultado prático como se tem mostrado com os assentamentos que não conseguem prosperar. Simplesmente pq o assentamentos partiram de uma premissa de que todos os assentados possuiriam habilidade negocias, de empreendedorismo ou administrativas, afinal de serem micro empresários do setor rural.O com a CF/88 preve de fato é a destinação das áreas que não cumprem sua função social esse foi o objetivo, nada de "reforma" mas apenas a readequaçaõ das areás improdutivas, ou seja, penalizar com a desapropriação aquele que não preenchia os atributos de proteção da propriedade privada.

  29. 05/04/2011 01:09:33

    O mal do bolsa família é que ele nivela as pessoas que precisam apenas de um empurrãozinho para progredir , e os que não querem nada com nada. E podem ter certeza de que quanto mais dinheiro gratis se colocar no bolso dos beneficiados , maior será o contingente de desocupados cronicos. A prefeitura de B.H. ha algum tempo selecionou algumas pessoas com baixa escolaridade na periferia e deu a elas uma oportunidade de trabalho em várias áreas. A uma pessoa que eu conheço foi concedida uma caixa de engraxate com material suficiente para dois meses de trabalho, além de um ponto (cadeira) na estação rodoviária que é muito ambicionado pelo pessoal do ramo. Pois bem essa pessoa trabalhou alguns dias e arrendou a cadeira a terceiros e foi frequentar os botecos dizendo-se empresário. Nem é preciso dizer que descoberta a tramóia perdeu a concessão e voltou à velha rotina dificuldades. O ócio também faz parte da natureza humana.

  30. Ligia

    04/04/2011 23:53:24

    Nossa, que medo desse raciocínio eugenista das pessoas comentando aqui que defendem maior valor do Bolsa Família pra quem tem menos filhos. Como podemos combater estes pensamentos, pelo visto bastante disseminados no imaginário de certo grupo, que sao base pra barbáries como o nazismo? Mas se seguirmos este raciocínio, estas pessoas nao deviam se preocupar, pois já têm o seu garantido e o mundo vai ficar pra esse bando de pobres que continuam a nascer ;)

  31. verme

    04/04/2011 23:00:37

    Menos, meu amigo, menos...

  32. verme

    04/04/2011 22:50:45

    Sempre assim.Não disse o que disse.Talvez você nunca diga nada mesmo.Besta sou eu de perder meu tempo com você.Mas, olha aí:"Se tiver um, reduz em 25%. Se tiver 2, corta pra 50%, e assim por diante."Ou seja, para os sem renda, quanto mais necessitarem dela, menos terão.Extermínio.Fora os possíveis efeitos colaterais disso, aborto, inclusive, feito em condições precárias, como sempre acontece com os pobres. (Outros efeitos nem quero comentar.)Extermínio é uma política deliberada de estado totalitário, "é tudo voluntário", planejado.Putz, e que tanto dó você tem de bebês, se a cada um deles os pais devem ter menos renda para sustentá-los ?Chega.

  33. Quixotesco

    04/04/2011 22:26:50

    Caro verme,Você não está sozinho,Arrumaste um imprevisto companheiro...Ele mesmo, Bob Fields !http://www.youtube.com/watch?v=-naapQNIeHI

  34. Mr X

    04/04/2011 22:10:27

    Qual extermínio? É tudo voluntário. E quem quer pode ter filhos se quiser, só ganha menos dindin. Não é como a "one-child policy" chinesa (nunca ouvi ninguém chamar isso de "extermínio", mas talvez seja.) Se o que sugeri é "extermínio", então a liberação do aborto é um "extermínio" ainda maior - e este sim extermínio, pois mata bebês, enquanto na minha solução só se estimularia o planejamento familiar mais cuidadoso, sem aborto.

  35. Fernandes

    04/04/2011 22:04:10

    - “Não adianta dar o peixe, tem de ensinar a pescar” (esse maniqueísmo é lindo)Essa frase virou piada entre eu e uns amigos de tão babaca que é. Tipo de frase superficial que é dita com toda uma pompa como se fosse pra fechar um diálogo com chave de ouro.

  36. Pereba

    04/04/2011 21:57:33

    Que pânico?Ate agora não vi pânico em lugar nenhum.E ninguem tá pisando em ninguém.O que existem são criticas ao sistema.Devemos ir aprimorando estes programas sociais, corrigindo erros, e implementando outras boas ideias.Esta de jogar a culpa na classe média já deu no saco.

  37. Maria Alice

    04/04/2011 21:42:00

    Caro Deh,Adorei !

  38. marilu

    04/04/2011 21:32:33

    Boa noite Sakamoto!td bem que náo dáo pra procurar trabalho de barriga vazia, eu sei, mas daí a perpetuar o assistencialismo???????? sei náo, tenho minhas duvidas. náo conheço os numeros do bolsa familia e nem seu efeito a médio e longo prazo, náo sou capacitada pra falar com propriedade, é só uma opiniáozinha mesmo.meu pai contava que houve por muito tempo um sistema chamado de frentes de trabalho, nas grandes secas do nordeste, dizia que a penúria do povo era tal que o governo pagava sei la, alguma coisa, pras pessoas trabalharem assim, tipo em um serviço que levava nada a lugar algum, era em sistema de emergencia mesmo, bem resumo da ópera: o povo conseguia mais uma vez náo sucumbir a fome que vinha da seca!tá e eu pergunto: o que foi feito de fato, de relevante pra se acabar com essa industria da seca e da fome? eu penso que enquanto o governo faz palanque eleitoral em cima de assistencialismo e dá certo,porque continua se elegendo, quem vai agir de verdade, criando condiçóes pra que quem usa hj uma bolsa familia pra náo passar fome, vai ter sua diginidade resgatada pelo trabalho e direito a cidadania?dar de comer a quem tem fome: sim, é justo, é humano, é decente, massssssssssss tem haver mais do que só isso, muito mais!abs

  39. verme

    04/04/2011 20:59:25

    Tanta enrolação,Quando na verdade você está simplesmente defendendo o extermínio.E ainda acha que faz graça.Putz.

  40. verme

    04/04/2011 20:56:35

    Não dá pra ensinar a pescar se o pescador estiver moribundo.É pouco, entretanto.Porque é necessário autonomia, que, por um viés inevitavelmente reformista (?), quer dizer produzir.Mas, e aí ?, vamos esperar mais 5 séculos para que se eduque toda a mão de obra que há de trabalhar em grandes empresas, ou prestar serviços nas grandes cidades (como se fosse possível) ?REFORMA AGRÁRIA: milhões de pequenos produtores aliados à tecnologia, ou seja, com investimento público, pela autonomia do povo brasileiro.REFORMA AGRÁRIA: com fomento às cooperativas, inclusive para a geração de energia não impactante, para auto-consumo e venda.REFORMA AGRÁRIA: pra se comer bem e barato.Com uma economia interna forte, poder-se-iam quitar as dívidas com o governo, pagar-se-iam mais impostos, gerar-se-iam infinitamente mais empregos.Sem a indecência da esmola ou do subemprego.AÊ!REFORMA AGRÁRIAAÊ!

  41. José

    04/04/2011 20:53:27

    O argumento mais engraçado é o de que o Bolsa-Família incentiva os pobres a fazer filhos. Alguém precisa avisar os desavisados que a taxa de natalidade diminuiu bastante após a implantação do programa, inclusive dentre os mais pobres. Ou seja, esse argumento não é apenas preconceituoso: é burro mesmo.Outra piada fica por conta dos ideólogos do "trabalho dignifica"... Como se trabalhar pela merreca que alguns empregadores pagam fosse mais digno do que se sujeitar a isso e receber do Estado aquilo que o Estado deve dar: condições (mínimas que sejam) de sobrevivência.

  42. Mr X

    04/04/2011 20:44:34

    Modestamente, acho que minha idéia é genial. Bolsa-Familia para quem não tem filhos! Se tiver um, reduz em 25%. Se tiver 2, corta pra 50%, e assim por diante. Em uma geração, resolveríamos o problema da pobreza do Brasil, os pobres subiriam de vida e não teriam tantos filhos para sustentar.Quanto a vale-motel? Quem sabe... A mulher vem junto?

  43. jota campo grande ms

    04/04/2011 20:39:09

    eu me lembro quando foi criado varios vales, entre eles o vale trasnporte.o LULA falou só falta criar o vale motel . então ele é um demagogo e hipocrita igual ao outros.

  44. Idi

    04/04/2011 20:36:30

    Dá pra entender sim o texto e o teor dele.Porém, acredito que algumas pessoas gostam do dinheiro fácil e isso estimula sim a pessoa a ficar parada. Basta ver a falta de mão de obra da indústria têxtil, costureiras ganham mínimo, e não se sujeitam a trabalhar 8 horas com possíveis problemas de coluna, LER e afins, sendo que podem trocar esse esforço e ganhar menos pra ficar em casa..É uma questão de visão, eu acredito que grande parte das pessoas são acomodadas sim, e preferem ganhar menos ficando paradas, do que trabalhar feito burro pra ganhar mais.Outro exemplo que foge do bolsa família, é seguro desemprego, que muitos, em vez de querer subir de carreira até em empresas que investem na parte de cursos para qualificação, preferem ser demitidos, pra ficar parados recebendo.Eu não defendo e acuso sim bolsa família, pq, em vez de medidas paleativas, deveria ser feito um programa de inclusão decente.Agora... hoje em dia, corre atrás quem quer.SENAI possui diversos cursos de aprendizagem industrial que são gratuitos e ainda possibilitam contrato pra jovem aprendiz, que dá bolsa de meio salário para a pessoa estudar e ainda começar a arcar com um custo inicial de um possivel negocio. Isso porque, ainda temos OLIMPIADA DO CONHECIMENTO,que seleciona o melhor de cada area para competir no estado, no pais e depois no mundo.Bolsa família, bolsa desemprego e pró uni, são benefícios que se consegue sem nenhum esforço.Basta ver duas coisas sobre o pro uni: quantas pessoas formam necessariamente qualificadas por possuirem base de educação e quantas pessoas formam. Por que eu vejo montes de desistências nesses casos...Posso ser ignorante em política e afins.Mas ainda assim acredito que dá valor só quem conquista suas coisas.E não to falando de pobre e perrapado não.Basta ver emergentes que são completos ignorantes.

  45. jota campo grande ms

    04/04/2011 20:35:46

    os governantes brasileiros, só tem essas competencia, fazer proselitismo/assisntencialismo/ e corrupção/ e manter o povo sempre oprimido, criando dificuldades. isso basicamente o que o governante brasileiro sabe fazer. nada mais, isso é de qualquer partido. quem sabe uma profunda reforma eleitoral, para tentar mudar.

  46. Ciro Lauschner

    04/04/2011 20:33:07

    Juliano, que falta de analise; ricos não querem que pobres tenham acesso a riqueza, isso significa distibuição de renda: Rico é rico porque sabe lidar com dinheiro e se o pobre ficar menos pobre ele vai aumenta sua renda e não distribui-la, segundo todos os estudos economicos, a tua fórmula simples de entender não é compreensivel por ser falsa. Pobre sai da pobreza se desenvolvendo economicamente, culturalmente e humanamente e não se o rico der sua riqueza a ele. Como lhes parece dificil entender uma fórmula tão simples?

  47. jota campo grande ms

    04/04/2011 20:28:04

    eu acho sim que o governo tem que ajudar sim os pobres, e tudo mais. mais não essa eterna esmola que da. meu caro SAKAMOTO não pode dar só o peixe, tem que ensinar a pescar. o que esse governo quer é o mesmo que o FHC fez, é manter as pessoa na miseria par viver de esmola e preso a éla. só foi graças a esse bolsa familia que o governo elegeu sua candidata.

  48. Francisco Libânio

    04/04/2011 19:54:39

    Texto genial, Sakamoto. Há quem usufrue do BF pra ficar de pernas por ar e não queira trabalhar? Claro que tem, conheço gente que faz isso, mas não dá um ou dois meses nem o "salvador" alento mensal dado pelo governo não fecha conta e a pessoa tem que trabalhar. Paciência, como você mesmo disse, é uma minoria.Talvez seja necessário discutir a distribuição e a abrangência do BF a fim de atingir mais pessoas e excluir do benefício quem não o usufrua de forma mais saudável pra si, mas aí esteríamos nos aproximando de uma sociedade perfeita. E numa sociedade perfeita, boçais que ficam com esse discursinho de "Bolsa Esmola" não existem. Mas mesmo a perfeição não existe. Que seja como é e se preocupe apenas em melhorar sem dar ouvidos aos fascistas que nunca pisaram pé numa periferia ou numa casa em que haja realmente necessidades e pra quem o Bolsa Família é, sim, uma ajuda e tanto.

  49. Alexandre Gomes

    04/04/2011 19:36:33

    Nada como números para calar a corja de preconceituosos.

  50. Mr X

    04/04/2011 19:28:13

    Vão continuar pobres, apenas tendo seu consumo financiado pela classe média, através dos impostos. Movimenta a economia? Talvez. Gostaria de ver mais estudos a respeito, não entendo bem como o PIB aumenta com uma atividade não-produtiva. Talvez os pobres em massa gastem mais do que a pequena classe média que poupa. De qualquer modo, o Bolsa-Família ainda é melhor do que o sistema de welfare implantado em outros países.Meu problema maior com o Bolsa-Família é isso de darem mais dinheiro para cada criança que nasce. Isso estimula o nascimento de mais crianças pobres, e portanto maior pobreza a longo prazo. Ou, ao menos, um contingente cada vez maior de recebedores da Bolsa. Nem todos podem ser sustentados para sempre.Acho que se aumentassem o Bolsa-Família para quem NÃO tem filhos, e fossem diminuindo a cada filho que nasce, eu seria totalmente a favor do programa.

Os comentários não representam a opinião do portal; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Leia os termos de uso