Blog do Sakamoto

Peraí! Quem está controlando os protestos de rua?

Leonardo Sakamoto

Muitos representantes políticos não entendem como manifestações que recentemente ocorreram pelo país e pelo mundo não foram organizadas por partidos e associações, mas sim em um processo descentralizado. Que brotou espontaneamente a partir da insatisfação popular tanto à persistência de problemas existentes quanto aos tipos de  soluções que vêm sendo dadas pelos próprios representantes políticos a esses problemas.

Os políticos tradicionais têm dificuldade em assimilar como Twitter e Facebook funcionam. Acreditam que são apenas um espaço para marketing pessoal ou, no máximo, um canal para fluir informação ou atingir o eleitor. Há também os que crêem que redes sociais funcionam como entidades em si e não como plataformas de construção política onde vozes dissonantes ganham escala, pois não são mediadas pelos veículos tradicionais de comunicação.

Como diz o professor espanhol Javier Bustamante Donas, as novas tecnologias de comunicação não são ferramentas de descrição da realidade, mas sim de construção e reconstrução desta. Quando a pessoa está atuando através de uma dessas redes, não reporta simplesmente. Inventa, articula, muda. Vive. Documentos das manifestações que estão ocorrendo na Espanha foram criados coletivamente com participações de grupos em várias cidades diferentes em wiki pela rede. A distância não existe mais. O que levava semanas, agora ocorre em minutos.

Isso, é claro, vai mudar aos poucos a forma de se fazer política e as formas de participação social. O poder concedido a representantes, tanto em partidos, como em sindicados, associações, entre outros espaços, vai diminuir e a atuação direta das pessoas com os desígnios da pólis vai aumentar. Retomo algumas idéias que já havia postado aqui sobre a crise da esquerda no Brasil, agora sob o filtro da análise dos acontecimentos das últimas semanas. Vivemos tempos interessantes. O mundo não vai ser mais o mesmo. E se tudo isso não conseguir entrar na cachola da classe política, eles serão passados para trás mais rápido ainda. E, junto com a crença de que estão acima daqueles que representam, já irão tarde.

Antes de mais nada, uma retrospectiva. Tivemos três grandes ciclos da esquerda no país durante o século 20. Grosso modo, o primeiro deles, anarquista, foi fomentado pelos imigrantes europeus que vieram trabalhar na então nascente indústria paulista e difundiram seus ideais. O segundo, com os movimentos comunistas e socialistas, da intentona à resistência à ditadura militar dos anos de chumbo. O terceiro veio com o processo de redemocratização do país e a liberdade de organização civil e tem um forte tom partidário.

Ou seja, a esquerda durante o século 20 variou de acordo com a relação que firmava com o Estado. Do anarquismo, que não acreditava que ele fosse fundamental para o desenvolvimento da sociedade, passando pelo comunismo, que defendeu a necessidade de destruir o Estado para depois reconstruí-lo sob a direção do proletariado, até o “petismo” em que a esquerda acreditou que seria possível tomar o Estado dentro das regras do jogo da classe dominante, ou seja através da disputa político-eleitoral.

Veio o século 21 e uma das poucas certezas que tenho é que o paradigma do sistema político representantivo está em grave crise por não ter conseguido dar respostas satisfatórias à sociedade. Bem pelo contrário, apesar de ser uma importante arena de discussão, ele não foi capaz de alterar o status quo. Apenas lançou migalhas através de pequenas concessões, mantendo a estrutura da mesma maneira e a população sob controle. O Estado continua servindo aos interesses de alguns privilegiados detentores dos meios de produção. E a maioria das disputas relevantes no seio do Estado são eminentemente intraclasse, no caso a elite.

Os atores desse terceiro ciclo da esquerda fracassaram em sua idéia original de mudar o Estado por dentro. Grande parte do PT (deixando claro que há notáveis exceções) adotou práticas que ele mesmo abominava. Bem, todos conhecem a história.

Onde está a força mais progressista hoje? Nos movimentos sociais, nos grupos de base e em mobilizações sociais não-institucionais. Ou seja, atores que dialogam com o Estado, mas que estão fora dele, atuando na transformação da sociedade pelo lado de fora. Creio que isso se deve à desilusão com a política partidária tradicional, à incapacidade desta em dar alternativas para os jovens e ao fortalecimento de grupos que nunca adentraram no sistema partidário por não acreditarem em sua natureza ou por serem dele alijados.

A incapacidade do sistema representativo de gerar respostas satisfatórias levou também ao fortalecimento da luta da sociedade civil em outras frentes, como trabalho, comunicação, direitos humanos, meio ambiente, além da busca por liberdade individuais. Ressalte-se, apenas, que sociedade civil não é a mesma coisa que organizações não-governamentais, pois, a despeito das ONGs comprometidas com mudanças estruturais, muitas delas são de ordem cosmética e apenas reforçam as condições atuais.

O interessante é que esse quarto ciclo de esquerda, dos movimentos e da sociedade civil organizada ou não, tem muito a ver com o primeiro, lá no início do século 20. Ao questionar o papel do Estado e agir por conta própria, adota nuances de anarquismo. E leia-se “esquerda” sob uma nova ótica, considerando a aglutinação de grupo contrários ao status quo, mas que levantam bandeiras as mais diversas, como as já citadas anteriormente.

Por exemplo, protestos contra estações de metrô que têm sua localização alterada em benefícios de um grupo social privilegiado; ocupações de reitorias pelos estudantes, de terras improdutivas pelos sem-terra ou de prédios abandonados por sem-teto; manifestações pelo direito ao aborto, pelo uso de substâncias consideradas como ilícitas e outras liberdades. Todas têm um objetivo muito maior do que obter concessões de curto prazo. Elas não servem apenas para garantir transporte público, tapar as goteiras das salas de aula, desapropriar uma fazenda ou destinar um prédio aos sem-teto ou ainda conquistar direitos individuais. Os problemas enfrentados pelos movimentos envolvidos nesses atos políticos não são pontuais, mas sim decorrência de um modelo de desenvolvimento que enquanto explora o trabalho, concentra a renda e favorece classes de abastados, deprecia a coisa pública (quando ela não se encaixa em seus interesses) ou a privatiza (quando ela se encaixa).

Ou seja, as ações são uma disputa de poder feita simultaneamente em âmbito local e global que, no horizonte histórico, poderá resultar na manutenção da pilhagem econômica, social e cultural da grande maioria da sociedade ou levar à implantação de um novo modelo – mais humano, livre e democrático.

O problema é que toda mudança leva a um enfrentamento. Há uma disputa sendo travada, por exemplo, entre pessoas da velha e da nova esquerda, por exemplo. O discurso de que o desenvolvimento é a peça-chave para a conquista da soberania (o que concordo) e que, portanto deve ser obtido a todo o custo (o que discordo) tem sido usado por pessoas que foram comunistas, tornaram-se petistas e hoje fazem coro cego ao PAC do governo federal. Mantém viva a parte ruim do pensamento do genial Celso Furtado que, na prática, significa que é necessário sacrificar peões para ganhar o jogo.

Bem, como se resolve esse enfrentamento? Eu tenho dúvidas sobre a possibilidade de que isso se resolva. O problema entre a velha e a nova esquerda está no contexto histórico em que seus atores foram formados. Não adianta mostrar fatos novos ou uma nova luz para a interpretação da realidade, há grupos que fecham e não abrem com o padrão de desenvolvimento forjado na ditadura – paradoxalmente a mesma ditadura que os torturou – ou padrões paleozóicos de interpretação da realidade.

A meu ver a solução se dará através de renovação geracional, ou seja, os mais antigos se retirando com a idade para dar lugar aos mais novos, formados em uma matriz diferente. É triste que seja assim, mas tendo em vista os últimos embates, não acredito em conciliação possível.

A história mostra que apesar da esquerda ter capacidade de influenciar a realidade no país, ela não foi capaz de transformá-la. E a menos que algum dos novos ciclos traga respostas para romper com a estrutura atual, continuaremos vendo eles se repetirem nos fracassos. A reconquista do espaço público traz uma lufada de esperança para a busca de respostas. Talvez essa nova geração, auxiliada pela tecnologia, faça a diferença na forma que os que vieram antes ainda não conseguiram fazer.

  1. Rodrigo Carvalho Silveira

    03/06/2011 14:36:40

    Parabéns pelo texto, meu camarada! Sinto muito que não estejamos tão preparados para aproveitar este espaço de debates e reflexões. Imagino que, justamente pelos temas trabalhados em seus textos, os leitores sejam um pouco agressivos. Porque a política no Brasil ainda é um campo de extremismos.

  2. juliana

    24/05/2011 22:48:17

    gostei do texto, mas ressalvo o otimismo exagerado em determinadas manifestações que, infelizmente, ainda são bem episódicas, não geram o efeito da pedra lançada no lago da globarbarização e não me enchem os olhos de esperança com os rumos de institucionalização que tem tomado diversas ong´s e movimentos, a maioria talvez. também, a bem da história, do acumulo da experiência e do processo dialético, entendo que qualquer radicalização ou "nova esquerda" só pode ir se forjando de olhos bem abertos para o passado, sacando o que pode interessar...e se nada interessar das velhas às novas gerações, muito desconfio da trans(de)formação que pode vir em dias contados...

  3. Caio

    24/05/2011 22:15:14

    Então proiba o álcool também, porque já pensou chegar num hospital e encontrar os médicos todos bêbados?

  4. Maria Alice

    24/05/2011 18:28:37

    Parte 2/2. Então, dois dias depois, lá estava ele pronto para dar a primeira aula de recuperação para uma menina-moça da 6ª série(ele se preparara, segundo o programa que lhe foi dado). Ao chegar, deram o material e lhe mandaram para um pequeno laboratório. As aulas seriam “ministradas” lá, via uns tais SOFTWAREZINHOS EDUCACIONAIS (daqueles que tanto comercializam por ai. Provavelmente, devem ser aquele$ que precisam passar por i licitação.Para encurtar a estória, ele colocou o material e a menina assistiu umas quatro vezes, já que ele sempre, ao término, perguntava para ela se havia entendido. O que eu quero dizer é que ela sempre balbuciava, de cabeça baixa: nãooo...Então, ele resolveu assistir com ela “a tal aula” para, posteriormente, ensinar-lhe o que fosse necessário (nem que fosse tipo kumon). Resultado: no final, ele muito preocupado, perguntou-lhe: agora, entendeu ? E ela, envergonhada, mais uma vez, disse: nãooo... No que ele, também balbuciando, disse: ééé, eu também nãooo...Enfim, do que eu conheço, provavelmente, para não reduzir a “auto estima”, ou ele deve ter continuado a dar aulas particulares, ou se tornado um empreendedor. Explico: virar chapolin é que não dá !Isso foi há uns anos atrás.”Só não sei lhe dizer se as mentalidades melhoraram”. Assim, só nos resta dizer: êta brasilzãooo !Em tempo: provavelmente, a quadrilha ainda deve estar solta por ai e, o pior, enaltecendo-se. Aliás, tal qual como está fazendo um comentarista aqui. Não vou falar o nome (ou apelido. Sei lá...), pois detestaria ter que responder a algum comentário escrito pelas “mãozinhas delicadas e leves dele”. Lamentável. Xô, cultura antiética !

  5. Maria Alice

    24/05/2011 18:26:46

    Meu caro,Deixe-me lhe contar algumas coisinhas sobre esses tais SOFTWAREZINHOS EDUCACIONAIS: - um colega de pós, matemático e físico, ficou desempregado e, então, concomitantemente, passou a procurar empregos e fazer concursos. Ficou nesse processo de procurar/criar empregos durante dois anos. Ele já não agüentava mais depender só das aulas particulares que dava. Um belo dia chegou um telegrama, era a resposta de um dos concursos que prestara para professor (vou omitir a UF, ok?).Nos dia e hora estabelecidos à contratação, lá estava ele na instituição de ensino com toda a sua documentação. A funcionária fez as conferências necessárias e, imediatamente, preparou o seu arquivo e lhe deu, por escrito, suas atribuições.Mas, quando ele leu, estava lá: 9 aulas semanais de Língua Portuguesa, nas salas números ”tais e tais” , com os horários “tais e tais”. No que ele disse, imediatamente: você me deu o horário errado, este é o de Língua Portuguesa. No que ela, também, imediatamente, respondeu:- mas nós só temos essa vaga (tipo: “é pegar, ou largar”), acabamos de preencher as vagas restantes. E ele perguntou: - qual é a possibilidade de uma nova convocação ? Resposta recebida: só quando for preciso a realização de um novo concurso. Isso costuma ser feito de dois em dois anos. Resumo da estória: ele acabou aceitando, pois tratava-se das sexta, sétima e oitava séries e ele já era pós-graduado. Segundo me contou, ele pensou: aprofundamento em saberes, nunca é demais. E, assim, respondeu: está bem, mas, assim que vocês puderem, por favor, façam a minha devida alocação, ok ? No que a funcionária respondeu, de pronto: - Ah, siiim, com certeza !

  6. Luiz Messias

    24/05/2011 17:41:25

    Você está distorcendo o que eu disse, todos tem o direito de se manifestar por uma posição, contudo você não pode agir de forma ilegal. Do mesmo jeito que pessoas podem defender o aborto, mas caso praticarem o aborto será um crime pela legislação atual. No futuro isto pode mudar? Pode, mas até lá será crime. Caso se permita a pirataria como você gostaria, quem iria fazer o trabalho que seria piratiado? Você fala em compartilhar, como você vai compartilhar um jogo, qual indústria faria um jogo no qual ele não teria lucro? Outra coisa, "No sistema atual de copyright, quem cria não leva" isto é uma meia verdade, é correto que pelo sistema atual os autores não ganham muito mas ainda assim ganham, mas quem deve decidir como vai ser distribuído é ELES e não você! Se os autores decidirem por um meio de distribuição compartilhado, ótimo é prerrogativa deles. Contudo, não é você que cabe decidir como vai ser feito. O que você não entende é o seguinte, não sou contra o compartilhamento, desde que isto seja a intenção de quem trabalhou na obra em questão. Não é você que deve decidir, este é meu ponto. Existem desvios? Sim, existem , mas eu acho mais fácil corrigir os desvios que existem do que tentar justificar o roubo com um argumento pífio de que existem pessoas que usam o compartilhamento de forma positiva. Idéias podem ser compartilhadas, livros, jogos, são produtos e grande parte deste pessoal estão nisto porque é o ganha pão deles.P.S: Não exibe currículo nenhum, só mencionei o fato para ilustrar que tenho alguma familiaridade com a indústria. Em relação ao fato de você ter feito mais softwares, com certeza pois sou programador meia boca, trabalhei naquilo que não era a minha especialidade. Se eu fosse colocar o meu currículo eu o colocaria assim: Professor Doutor em Física, formado e com mestrado pela UFSCar com Doutorado pela USP de São Carlos em simulação em Física de Semicondutores. Esta é minha especialidade, física, fiz aquilo numa época só como bico. Você tem a péssima mania de rotular as pessoas, como fez no post anterior, ironicamente, eu acredito que você deve ser o tipo de pessoa que odeia ser rotulado.

  7. Anderson Porto

    24/05/2011 17:05:16

    Tem que descer o kct nesses maconheiros desocupados e imbecis mesmo!!! Dizer "maconha é uma delícia" é SIM apologia, pois é mais que óbvio que gosto é foro pessoal.Faltou organização, coordenação e união, principalmente. A Marcha da Maconha está sendo usada por políticos e não para legalizar nada. A juventude está sendo usada para fins eleitoreiros, porque eles não estão fazendo o que deveria ser feito: organizar fóruns em faculdades e universidades, levar especialistas contra e a favor e promover debates e mais debates.Outra coisa que é fundamental: criar um texto único, que una todos que são a favor da legalização, e ir para as ruas coletar assinaturas. Só asim saberemos quantos são a favor.O resto é isso: bombas de fumaça em gestantes e idosos em pontos de ônibus, violência policial desnecessária, e o velho "ATÉ QUANDO?"Até quando você vai ficar usando rédeaRindo da própria tragédia?Até quando você vai ficar usando rédeaPobre, rico ou classe média?Até quando você vai levar cascudo mudo?Muda, muda essa posturaAté quando você vai ficando mudo?Muda que o medo é um modo de fazer censura(Refrão)Até quando você vai levando porrada, porrada?Até quando vai ficar sem fazer nada?Até quando você vai levando porrada, porrada?Até quando vai ser saco de pancada?"

  8. Franklin A.S

    24/05/2011 16:41:01

    "Onde está a força mais progressista hoje? Nos movimentos sociais, nos grupos de base e em mobilizações sociais não-institucionais. Ou seja, atores que dialogam com o Estado, mas que estão fora dele, atuando na transformação da sociedade pelo lado de fora. Creio que isso se deve à desilusão com a política partidária tradicional, à incapacidade desta em dar alternativas para os jovens e ao fortalecimento de grupos que nunca adentraram no sistema partidário por não acreditarem em sua natureza ou por serem dele alijados."Olha, tais movimentos, especialmente organizados em "redes" (lá vêm a metáfora novamente), são importantes, é fato. No entanto, é preciso não exagerar no idealismo democrático subjacente a essa análise. Muitos dos mesmos movimentos carregam consigo vícios "anti-democráticos"; além do que, muitos se direcionam ao Estado sim, já que esse não é somente o locus de poder político, mas de poder econômico. Portanto, não vejo essa postura "anti-estatal". Acho que muitos dos mesmos recorrem a métodos antigos de pressão e de conquista (entende-se políticas e recursos)

  9. daniel siqueira

    24/05/2011 15:51:56

    concordo em grande parte com o texto, no entanto o autor cai no mesmo problema que denuncia ao chamar essa nove ordem social como "esquerda". o paradigma esquerda-direita é o que queremos destruir. chega de ideologias, segregação partidaria e o sacrificio de peoes para ganhar o jogo. a visão de "nos vs eles" precisa ser expurgada dos modelos mentais que temos da sociedade.os membros da revolução da informação se unem por soluções. do apache ao wikipedia, do kickstarter ao flattr, ate a industrialização sofrerá mutilações (RepRap, MakerBot). nao nos juntamos por identificacoes grupais vazias, sabemos que nao significam nada, queremos que o ser humano possa viver da melhor maneira que for possivel em cada epoca da historia.o objetivo é tornar a classe politica irrelevante. construindo paralelamente metodologias e ferramentas para vivermos sem dependencia do estado vamos tornando este abusivo modelo atual obsoleto.QUEM DEFENDE UM LADO NAO BUSCA A SOLUÇÃO! APENAS A DEFESA DO SEU PONTO DE VISTA!busquem soluções, e mais importante, compartilhem!!!

  10. Harrybaldson

    24/05/2011 13:48:49

    Bem típico o seu comentário. Engraçado que, exatamente as pessoas que neste texto comentaram que “hay gobierno, soy contra”, criticam sem escrúpulos o governo federal. Mas o governo e prefeitura de SP, são sempre ótimos. Dois pesos e duas medidas…sempreTodos seguidores do sr Reinaldo Azevedo (chupins)

  11. Jonas

    24/05/2011 13:39:59

    Acho felomenais alguns comentários deste glog. As pessoas se julgam entendedoras do sistema sistemático do curso em andamento do trilho. A perpetuidade do glog depende da intelijeguência do portador, além da inintelijeguência dos leitores. Aguardo retorno o quanto antes para discutir o andamento destes andares das carruagens do andarilho do metrô. Querquecuidade (ou perpetuidade) se adquirem com confiança e com sakamuitice aguda.Obrigracias por nada.

  12. Jose Mario HRP

    24/05/2011 11:02:35

    Corrupta e gastando noso dinheiro sem ter direito!PM Paulista.http://www.pannunzio.com.br/archives/8787

  13. Renato

    24/05/2011 10:59:57

    A "verde" Alemanha corre risco de apagõesAs regiões ao sul da Alemanha poderão ser atingidas por apagões de eletricidade no inverno se as sete usinas nucleares que foram desligadas em março continuarem sem funcionar, disseram operadores das redes de energia.Em carta enviada ao Ministério da Economia, obtida pela Reuters no domingo, os quatro operadores disseram que a energia importada não cobriria o déficit durante os meses mais frios, a não ser que alguns clientes fossem retirados da rede."Um fornecimento independente aos clientes está em perigo", disseram as empresas Amprion, Tennet, 50hertz e a EnBW-Netze, acrescentando será necessário aumentar em 2.000 megawatts [2 GW] a oferta -- mais ou menos a capacidade de dois reatores nucleares -- para garantir o fornecimento de energia quando a demanda aumentar no inverno.A chanceler alemã, Angela Merkel, impôs uma moratória de três meses no funcionamento das sete usinas nucleares mais antigas, entre as 17 existentes na Alemanha, depois que um forte terremoto e um tsunami atingiram os reatores japoneses em março e causaram um desastre ambiental.O ministro do Meio Ambiente, Norbert Roettgen, sinalizou que as sete usinas desligadas permanecerão assim. O gabinete de Merkel vai decidir qual a estratégia nuclear do país no dia 6 de junho.No fim de semana, apenas quatro usinas da Alemanha estavam funcionando, devido à moratória e às operações de manutenção. A agência alemã de vigilância disse que o fornecimento de energia estava garantido, apesar do desligamento das usinas.(De Berlim, por Markus Wachet)Nota M@M:A notícia omite duas coisas:1. Há tempos que a Alemanha compra energia elétrica da França, das centrais nucleares francesas, para sermos mais exatos. A moratória foi uma ato político precipitado, em função dos acontecimento no Japão.2. Sem nenhuma surpresa, as tais energias “limpas”, “alternativas” ou “verdes” (eólica e solar), tão festejadas, não conseguem dar conta do recado. Até 2009, já estavam instalados 21.263 (vinte e um mil e duzentos e sessenta e três) aerogeradores, com capacidade nomimal de 25,78 GW (25.780 MW). Mas é só nominal, pois existe uma restrição chamada fator de disponibilidade: às vezes venta, às vezes não. Leia mais aqui: Fontes alternativas de energia? Uma visão sobre a energia eólica e aqui: Energias alternativas: equívocos e fatos.Nada como um choque de realidade para demonstrar a fragilidade das políticas verdes.http://www.midiaamais.com.br/ambientali

  14. Jose Mario HRP

    24/05/2011 10:59:22

    A esquerda vazia?E a direita?Oca?AHAHAHAHAH.....Voltando a realidade!Geraldo Alckimin querendo sair pela tangente ao tentar se descolar da violencia sem par da PM bandidada paulista contra os desmilinguidos jovens da maconha delicia!Sou contra as drogas, mas no mesmo dia em que a pm paulista batia nos jovens em Recife tudo transcorreu bem e mesmo proibida a passeata aconteceu em Porto Alegre!São Paulo mais uma vez passando vergonha!Talvez se nazista fizessem uma passeata a favor da morte de judeus não fossem tratados como a molecada!Lembram como a PM bandida de Sampa tratou a molecada que protestava por um transporte publico melhor?Um jovem teve a face tão espancada que passou por tres cirugias de reconstrução!Bandida e corrupta!Olhem aqui!http://flitparalisante.wordpress.com/2011/05/24/a-nossa-policia-continua-burra-despreparada-e-pior-ultrapassada-comandados-por-um-despreparado-de-um-tal-capitao-del-vecchio/

  15. Haroldo Luís Beraldo

    24/05/2011 09:03:06

    A Esquerda no Brasil está vazia há tempos e sem embate não há reconstrução. Estamos vivendo tempos de panos quentes em nossa política nacional.

  16. Kristov

    24/05/2011 08:58:39

    Segundo Luiz Messias, o médico Joseph-Ignace Guillotin deveria calar-se porque era contra a pena de morte.Toda revolução envolve crimes. Afinal, revolta-se contra imposições do poder estabelecido.No sistema atual de copyright, quem cria não leva. Ninguém ganha dinheiro escrevendo livros, a menos que vc seja o queridinho da mídia, tipo, Paulo Coelho.Há inúmeros exemplos de sucesso em sociedades que compartilham. Idéias são para ser compartilhadas, só assim evoluem. Transformar idéia em patrimônio é câncer recente de nossas sociedades. E deve ser execrado.Cobre e proteja como quiser suas idéias. Mas se desvendadas...PS: não exiba curriculuns para sustentar seu ponto de vista. É sinal de fraqueza. Já que vc forçou a barra, garanto que criei muito mais softwarezinhos educacionais.

  17. Filho do Joca

    24/05/2011 07:11:17

    Seu Joca,O decrépito.Abraços.

  18. Ciro Lauschner

    24/05/2011 05:32:58

    Os que dizem baixar o porrete são tão ridiculos quanto os manifestantes a favor da maconha e a intelectualidade que vc. vê no Sakamoto e seu texto" brilhante",é uma análise sobre o que se gostaria que existisse ainda, que é a esquerda, a ponto de atribuir a qualquer manifestação um viés de esquerda, quando nos EUA do" mal direitista" as manifestações contra atos do governo são uma praxis comum, da qual estamos muito longe, e as contra manifestações tem a mesma intensidade.

  19. Ciro Lauschner

    24/05/2011 05:21:08

    Muito boa análise. Essas discussões acadêmicas costumam ser só um exercicio de intelectualidade a anos luz da realidade cotidiana.Puro desperdício de tempo.Manifestações estilo UNE obedecem um partido político, no caso o PT, que quer desgastar o governo de S.Paulo para se apresentar como a alternativa que nunca foi. Não há "movimentos sociais" nessas manifestações, mas sim filhotes da classe média que se beneficiam do capitalismo que dizem detestar e se eventualmente chegarem ao poder mais tarde farão igual ou pior do que os que estão aí.

  20. Mário Gomes

    24/05/2011 04:19:59

    Ssmmith, quem proibiu a marcha foi um desembargador condenado por tortura contra um pedreiro e servente em Campos do Jordão. Em vários estados a marcha aconteceu sem violencia. Vá procurar sua tchurma seu nazifascista.

  21. Iris Larissa Gomes

    24/05/2011 02:49:11

    Concordo super!

  22. cesar pierre

    24/05/2011 00:39:58

    Passeata para legalizar a maconha não é crime, há uma diferença entre discussão das políticas públicas de saúde e das normas pertinentes a ela, com a apologia a prática de crime.A marcha pela legalização da maconha, posteriormente pela liberdade de expressão, tinha a proposta de trazer a luz um entendimento de parte da sociedade, o que é lícito e fortalece o jogo democrático, que possui como essência a dialética de pontos de vista. A proibição e sua consequente repressão, com base apenas numa provável (ou seja, nada de concreto) apologia, remota a tempos tenebrosos vividos nesse país, numa discricionariedade baseada apenas em “achismo” e valores pessoais, equiparando a instrumentos de exceção.Mesmo se o excelentíssimo desembargador não concorda com a legalização da maconha, o que é direito dele e que deve ser respeitado (tendo em vista a saudável pluralidade de opiniões), não pode suprimir direitos fundamentais como o de reunião e de livre-expressão.Pois o que se pretendia era o debate e o que foi dado foi o embate.A ilicitude está no repressor e não no reprimido......... essa nem é a discussão proposta.

  23. Ssmmith

    24/05/2011 00:24:10

    Rumo a insubordinação civil kkkkkkkkkkVamos todos dar de ombros para a lei, vamos ver quem pede arrego primeiro?Se todos se drogarem qual vai ser a graça da droga, se vai te deixar apenas "normal" como os outros!

  24. Ssmmith

    24/05/2011 00:20:20

    Qual discussão, que a esquerda é o "progresso"? Faz-me rir.È o mesmo que os socialistas dizerem que na URSS não era o socialismo de verdade, aliás esquerdista nunca erra é corrompido por alguém.Os grandes idealistas do mundo, sempre sofrendo desvios de percurso, pq tnata dificuldade em assumir os erros?

  25. seu Joca

    24/05/2011 00:14:59

    Esse Sakamoto é mesmo muito engraçado. Num post anterior, criticou um rapaz que estava trabalhando com 16 anos (eu comecei a trabalhar aos 15, hoje tenho pós graduação e MBA, não virei marginal nem coitadinho) e agora acha ruim reprimir a marcha a favor das drogas.Valores familiares muito elevados tem esse rapaz, acredito que não deve ter filhos, se tivesse não falaria tanta besteira assim.

  26. dirce

    24/05/2011 00:13:23

    PARABENS EMERSON!!!!

  27. seu Joca

    23/05/2011 23:59:43

    Todo petista é igual. Quando não tem resposta, apela pra insultos pessoais.Uma pessoa muito sábia me disse quando alguém desvia a discussão pra insultos pessoais, é sinal que não tem argumentos, portanto, a discussão já foi ganha.

  28. seu Joca

    23/05/2011 23:58:45

    Todo petista é igual. Quando não tem resposta, apela pra insultos pessoais.Uma pessoa muito sábia me disse quando alguém desvia a discussão pra insultos pessoais, é sinal que não tem argumentos, portanto, a discussão já foi ganha.

  29. Melecão

    23/05/2011 23:52:28

    OOOpa !Olha o melhor comentário aí gente !Correto sr. Emerson !

  30. Carlos Eduardo

    23/05/2011 23:37:30

    Concordo com vc Sakamoto, mas essa movimentação nas redes sociais é feita por uma classe média, e ao meu ver, a partir do momento q se colocar intersses seus no debate politico, ela penderá para o que lhe for para o seu proveito.Esses temas debatidos na internet, apesar de serem relevantes, não afetam interesses particulares ou coletivos das classes mais abastadas. E qndo forem debatidos assuntos q afetem o comodismo dessas classes?? Será q serão tão "revolucionários" como seus antepassados não foram??

  31. marcos daniel

    23/05/2011 22:57:13

    Só a esquerda é virtuosa. O resto deve ser exterminado.

  32. Luis Otario

    23/05/2011 21:52:28

    Os seus comentários (otário daqui) me fazem pensar que a obliquedade das palavras ortodoxas do sr Sakamoto são interessantes. Faremos das palavras dele as palavras de ordem de nosso país.Ordem e progresso são parte do mapa geral do custo de capital da representatividade do credor livre de risco, ou seja, o governo americano.Continuidade e caracteres restantes são uma maneira de controlar a baboseira que se escreve por aqui.Idiotas totais!!

  33. coutinho

    23/05/2011 21:20:16

    Meus comentários não aparecem mais. Censura?

  34. Ciro Lauschner

    23/05/2011 21:14:00

    Não adianta apelar para o catastrofismo social para querer que haja "presença" do Estado.Essa linha já é adotada pelos "ecologistas".Se sempre se viveu sem a presença do Estado porque de repente esse estado se torna imprescendicel?O Estado se deve fazer presente com Educação, Saúde e Segurança de qualidade, o resto ele é perfeitamente dispensável sobretudo no caso desse cabide de empregos que é o MP do Trabalho e de auditores cujo trabalho que são só conhecidos pela extorsão e o propinódromo que rege sua atividade.

  35. Mr X

    23/05/2011 21:08:38

    A "zelite" é um bom bode expiatório, mas é claro que os petistas são a nova elite do país! Governam, mandam e desmandam. Os ultraricos votam todos no PT. A Globo apóia o PT. O Lulinha enriqueceu e a Dilminha vai enriquecer ainda mais!

  36. coutinho

    23/05/2011 20:58:35

    A "direita", por assim dizer, não é um grupo com algumas idéias ou diretrizes políticas e ideológicas mais ou menos definidas, mas sim um tipo de conduta política, de preferência ruim, atrasada, corrupta. E a esquerda, quando revela ser corrupta, atrasada e ruim de forma piorada, nunca é esquerda. Vira "direita", ainda que os esquerdistas continuem a praguejar seu ódio ao capitalismo e à burguesia. No final das contas, a esquerda tem o monopólio das virtudes, mas nunca é responsável pelos seus atos. Até os atos da esquerda são culpas da direita. A linguagem viciada e desonesta da propaganda esquerdista faz com que toda a esquerda se isente da responsabilidade de seus crimes. E o pior é que muita gente boa cai nessa ilusão.Na melhor das hipóteses, poderia-se afirmar que o PT se tornou de "direita", por ser da situação, governista. Se assim fosse, todos os Partidos Comunistas governantes na história do século XX seriam de "direita". Aí claro, dentro desse padrão, até a Rússia e China comunistas seriam direitistas. O que seria naturalmente absurdo!

  37. Osvaldo

    23/05/2011 20:40:26

    Maconheiro tem que ser preso,pois enquanto isso a saúde,a educação,otransporte e principalmente a JUSTIÇA está um caos e tem gente que apoia o Molusco.

  38. Meyer

    23/05/2011 20:28:25

    Gostaria de entender melhor a mentalidade de alguns esquerdistas. Pq toda vez que a esquerda se revela muito corrupta, incompetente em fazer o essencial que qualquer governo deve a população que o elegeu, como dar educação de qualidade, saúde, bons aeroportos, rodovias, alia-se a banqueiros e a elite empresarial, marca registrada do atual governo, a esquerda se torna direita..... Partindo desse principio, Stalin, Mao e outros famosos esquerdistas assassinos de massa eram de direita, já que ambos se aliaram a elite da época e faziam tudo que o governo petista faz. Que fique bem claro, todas as esquerdas revolucionarias foram e são aliadas da elite,banqueiros e narcotraficantes.. Já e hora de parar com essa historia de que a esquerda e boazinha, defensora do progresso da justiça social e a direita e sempre fascista.São todas farinhas do mesmo saco.

  39. Luis

    23/05/2011 20:26:40

    Chega a ser engraçado, o texto é brilhante e os comentários lamentavelmente tão baixos...Camarada chegou a dizer: "tem que descer o porrete nesses manifestantes pra eles aprenderem a respeitar a constituição".hauhauhauhauahuahafala sério, é engraçado isso!!!

  40. ronaldo

    23/05/2011 20:05:18

    Marcha para a maconha, protestinho imbecil contra a maldosa classe alta....se não sabemos exercer nossa liberdade que venha a lei da paulada nesses adolescentes remelentos, que distorcem dados.

  41. January Jackson

    23/05/2011 20:03:12

    A obliquedade das palavras ortodoxas do sr Sakamoto são interessantes. Faremos das palavras dele as palavras de ordem de nosso país.Ordem e progresso são parte do mapa geral do custo de capital da representatividade do credor livre de risco, ou seja, o governo americano.Continuidade e caracteres restantes são uma maneira de controlar a baboseira que se escreve por aqui.

  42. John Jones Junior

    23/05/2011 19:57:33

    Importante salientar que o Sakamuito é funcionário do Kassaco, ou seja, do governo. As defesas das ideias faz parte de uma estratégia muito bem definida de desestabilizar o governo federal.Obrigado,Jota Jones Jack

  43. SCF

    23/05/2011 19:53:03

    Acorda, Saka! Todos os "movimentos sociais" minimamente organizados já foram cooptados pelos petralhas, e as mobilizações "espontâneas" via redes sociais são fomentadas pela "Esquerda Facebook", que nada mais é que a versão digital da esquerda festiva dos anos 1960-1970. Ou seja, eles são tão vazios quanto os protestos que criam (localização de estação de metrô, legalização de drogas comprovadamente maléficas, etc.). Eles não têm caráter nem moral para mobilizar para o que realmente importa. Sobre a troca geracional, não se iluda, sempre vai existir gente querendo herdar os postos da "burguesia sindical" nos governos dos petralhas.

  44. Ivo Necchi

    23/05/2011 19:52:23

    Muito bem lembrado.O mundo gira e as coisas permanecem iguais. Os mesmos erros são cometidos indefinidamente. Visite Campos dos Goytacazes e Macaé e veja o que uma grande obra como esta faz com a sociedade local.

  45. joão roberto

    23/05/2011 19:41:28

    Mais reforço sobre o tema:• #manifiestoO movimento começou fazendo oposição à Lei Sinde, que permite que sites de downloads ilegais sejam tirados do ar à força pelo governo, e conseguiu juntar milhares de ativistas usando redes sociais. Apesar das críticas generalizadas, o projeto foi aprovado.• #spanishrevolutionUm projeto para limitar a velocidade nas estradas para 110 km/h, os casos de corrupção e o enorme desemprego que o país enfrenta entraram na mesma conta. O clima de insatisfação geral foi o que moveu os manifestantes a organizar os protestos via Twitter e Facebook.• #15mA primeira grande manifestação do movimento aconteceu em 15 de maio, em mais de 60 cidades espanholas. Mais de 130 mil pessoas saíram às ruas.• #acampadesolA mais significativa foi uma concentração perto da Puerta del Sol, ponto de encontro no coração da cidade de Madri. Lá se formou o primeiro e maior dos acampamentos.• #yeswecampOutras cidades criaram sua própria forma de mobilizar os seus cidadãos, centralizando informações sobre acampamentos locais em hashtags como #acampadavalencia e #acampadabcn, de Barcelona.• #sinpartidoNão há organização central no movimento, nem líderes ideológicos. Outra mobilização, contra a Lei Sinde, usa a hashtag #nolesvote para pedir que os eleitores punam nas urnas os partidos PP, PSOE e CIU (que aprovaram o projeto e são acusados de corrupção). Os dois movimentos se confundem, e parte dos acampantes pode muito bem concordar com os dois, mas não são o mesmo.• #democraciarealyaA ideia de mudança dos manifestantes é resumida no nome dado ao movimento: “Democracia real YA! No somos mercancía en manos de políticos y banqueros” (democracia real já! Não somos mercadoria nas mãos de políticos e banqueiros).• #worldrevolutionA insatisfação exposta na #spanishrevolution (principalmente por causa da corrupção, leis sem apoio da sociedade e desemprego) não é estranha a lugar nenhum do mundo. Por isso, movimentos como #italianrevolution, #frenchrevolution e #germanrevolution nasceram na esteira da revolução espanhola. Um mapa online, checado até o fechamento desta edição, mostra que 282 campings e 46.429 acampantes se envolveram na causa, em todo o mundo.fonte:http://blogs.estadao.com.br/link/reiniciar-o-sistema/

  46. Ivo Necchi

    23/05/2011 19:41:27

    Ssmmith, lance a campanha que quiser, é um direito seu.

  47. Venicius Dias

    23/05/2011 19:40:07

    Sabe, o problema da Ciência Política é que ela trabalha em um meio sem nenhuma base estruturada de conheçimento, é evidente que não é somente ela, outra áreas também o fazem da mesma maneira. Mas o maior problema é a maldita forma de ver a sociedade por inferências de relações causais, como se estas fossem passíveis de serem criadas e descritas com grande clareza e objetividade. De exemplo poderíamos colocar o seguinte trecho dividido pela minha pessoa em A e B: "A incapacidade do sistema representativo de gerar respostas satisfatórias [A] levou também ao fortalecimento da luta da sociedade civil em outras frentes, como trabalho, comunicação, direitos humanos, meio ambiente, além da busca por liberdade individuais. Ressalte-se, apenas, que sociedade civil não é a mesma coisa que organizações não-governamentais, pois, a despeito das ONGs comprometidas com mudanças estruturais, muitas delas são de ordem cosmética e apenas reforçam as condições atuais [B]."De acordo com o texto, o fato [A] gerou o fato [B], é claro que se formos olhar de maneira vazia e com olhares desatentos, a argumentação tem certa validade, porém se enxergarmos epistemologicamente, o argumento não passa de um monte de criações especulativas sem validade.

  48. Michelle

    23/05/2011 19:32:48

    Filhinho, por acaso tinha alguma placa escrito "VENHA FUMAR MACONHA VC TB!!!" ou algo do gênero? Não. A passeata era apenas para a descriminalização da maconha. Nenhum dos protestantes estavam ali para incitar as pessoas a fumarem um baseado...Agora, como é que se respeita um profissional (nesse caso a polícia) que já chega descendo a porrada, atirando balas de borracha e bombas de gás lacrimogênio contra os protestantes? Tá na constituição que os cidadãos têm o direito de protestar sem sofrer repressão. A polícia poderia até estar no local de prontidão se caso acontecesse alguma coisa que poderia terminar em confusão e violência - ou seja - só por prevenção. Agora já chegar quebrando o pau numa passeata pacífica? Brincadeira, né?Se fosse vc que estivesse numa passeata protestando contra algo que vc não concorda e polícia chegasse de repente te descendo a mão, vc não iria gostar e iria chamar a polícia de violenta/intolerante/etc. Mas como não é com vc, vc simplesmente não se importa. Como diz aquele ditado: (spray de) pimenta nos olhos dos outros é refresco.

  49. joão roberto

    23/05/2011 19:31:38

    para reforçar o meu comentário velam a manteria neste link: http://www.joseserra.com.br/archives/artigo/oposicao-pra-que

  50. Demostenes

    23/05/2011 19:29:22

    Quem apoia o porrete hoje é igual aos que apoiaram as ditaduras que torturaram e mataram milhôes na alemanha e na américa do sul nos anos de chumbo.Lembrem-se disto!

Os comentários não representam a opinião do portal; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Leia os termos de uso