Blog do Sakamoto

Proposta de Código Florestal provoca corrida ao desmatamento

Leonardo Sakamoto

O novo Código Florestal tornou-se polêmico por propor um corte na proteção ambiental do país. Anistia para quem cometeu infrações ambientais, isenção de pequenas propriedades de refazerem as reservas desmatadas, redução da faixa mínima de mata ciliar que deve ser preservada à beira de cursos d’água, estão entre as medidas. Proíbe novos desmatamentos por um prazo de cinco anos, algo difícil de cumprir uma vez que a política do fato consumado (tipo: “desmataê, que depois a gente muda a lei e perdoa tudo”) já mostrou que é o forte por aqui.

O Palácio do Planalto não concorda integralmente com a proposta do relator Aldo Rebelo (PC do B-SP) e pressiona por mudanças. Do outro lado, a bancada ruralista e organizações de produtores rurais agem pela sua aprovação. Ele já acenou que acatará sugestões defendidas por governo e ambientalistas (por exemplo, a manutenção das áreas de preservação permanente nas margens dos rios). O problema é quais outras serão aceitas ou que emendas serão agregadas de última hora ao texto.  Tempo de negociação é curto uma vez que os parlamentares colocaram a pauta em regime de urgência.  

Quem tem o pé no chão sabe que as alterações causarão impactos severos. Mas é interessante notar que, antes mesmo de serem votadas, já estão criando problemas.

Trago um texto produzido por Laurent Micol, Ricardo Abad e Sérgio Guimarães, do ICV, entidade com  atuação no Mato Grosso – Estado ponta de lança da expansão do agronegócio nacional – que traz elementos mostrando isso:

Proposta de alteração do Código Florestal provoca corrida ao desmatamento em Mato Grosso

Nas últimas semanas acumularam-se provas de que está ocorrendo uma forte retomada do desmatamento no Estado de Mato Grosso. Dados do Sistema de Alerta do Desmatamento (SAD), do Imazon, já indicavam uma tendência de alta de 22% do desmatamento e de 225% na degradação florestal entre agosto/2010 e março/2011, com relação ao mesmo período do ano anterior. No mês de abril, operações de fiscalização realizadas pelo Ibama e divulgadas na mídia local e nacional revelaram o reaparecimento de casos de megadesmatamentos (desmatamentos acima de 1.000 hectares), que haviam praticamente desaparecido em Mato Grosso nos últimos três anos. O ICV mapeou o desmatamento recente em três municípios do centro-norte do estado, confirmando a tendência.
Nos meses de agosto/2010 a abril/2011, identificamos 66 novos desmatamentos no município de Nova Ubiratã, totalizando cerca de 37 mil hectares.

No mesmo período, no município de Santa Carmem foram 24 novos desmatamentos totalizando 9 mil hectares e, no município de Cláudia, 22 novos desmatamentos totalizando também 9 mil hectares. No período de agosto/2009 a julho/2010, o desmatamento nesses municípios havia sido de 2.300, 1.200 e 700 hectares, respectivamente. O aumento nesses três municípios, somente até o mês de abril, já foi de mais de 1.200%.

Até o momento, a maior parte dos grandes desmatamentos detectados foi na região centro-norte do estado, que é a primeira a ter abertura da cobertura de nuvens. Nessa região predomina o plantio de grãos em grande escala. No entanto, com o final da estação chuvosa, podem aparecer grandes desmatamentos também nas regiões norte e noroeste. Com base nessas informações, alertamos que a taxa de desmatamento no estado de Mato Grosso, que havia caído abaixo de 100 mil hectares em 2010, pode voltar nesse ano aos níveis do período de pico, de 2001 a 2005, quando a média foi de 900 mil hectares por ano.

Segundo informações de campo, o que está acontecendo é uma corrida para desmatar grandes áreas o quanto antes, visando aproveitar-se da anistia do desmatamento ilegal prometida pela proposta de alteração do Código Florestal. Essas ações estão sendo realizadas à revelia da lei em vigor, com a expectativa de impunidade, mesmo sabendo que certamente haverá fiscalização do órgão ambiental. Como demonstrado por várias análises, nas autuações por desmatamento ilegal, apenas um percentual ínfimo das multas são pagas.

Essa retomada dos desmatamentos em Mato Grosso baseada na aposta da alteração do Código Florestal também ecoa a atuação do próprio governador do Estado, Silval Barbosa, que, em 20 de abril do corrente ano, sancionou uma lei do zoneamento estadual que prevê a possibilidade de regularização ambiental para áreas desmatadas até a data de sua publicação e, ainda, pretende isentar de reserva legal propriedades abaixo de 400 hectares, em franca contradição com a legislação federal.

Essa situação pode gerar consequências dramáticas não somente em termos ambientais, mas também políticos e possivelmente econômicos para Mato Grosso e para o Brasil. Mato Grosso vinha sendo responsável por mais de 60% da redução do desmatamento na Amazônia desde 2005, fator primordial para o cumprimento das metas de redução das emissões de gases de efeito estufa contidas na Política Nacional de Mudanças Climáticas. Nesse contexto, a retomada do desmatamento constitui um retrocesso inaceitável e uma demonstração concreta de que a proposta de alteração do Código Florestal atualmente em tramitação no Congresso Nacional é extremamente nefasta, assim como foi a sanção da lei do zoneamento de Mato Grosso. É fundamental que o governo federal atue com a máxima urgência, tomando as atitudes necessárias, inclusive junto ao Congresso Nacional, para reverter essa situação e assim evitar maiores prejuízos à natureza e à sociedade brasileira.

Para acessar a análise completa com mapa e gráfico, clique aqui.

  1. cesar

    25/05/2011 23:47:38

    é pakaba...sem comentários....

  2. Louis Vuitton Sale Uk

    20/05/2011 14:45:32

    I am sorry, that has interfered... This situation is familiar To me. Let's discuss. Write here or in PM. LV Sale , Excellent phrase and it is duly The authoritative message :) In it something is. Many thanks for the help in this question. I did not know it. It seems to me, what is it already was discussed, use search in a forum.

  3. Patrick

    09/05/2011 12:00:33

    "Deveria" hahaha.. está difícil..

  4. Patrick

    09/05/2011 11:57:41

    A gente "devia". Desculpe o erro de concordância.

  5. Patrick

    09/05/2011 11:55:10

    A gente aqui no Brasil deveríamos mudar as regras e praticar a defesa dos interesses do seu próximo. Seria mais interessante e cristão os resultados. Já deu pra perceber cada um defendendo o seu não está dando certo.

  6. Clóvis Eduardo Godoy Ilha

    07/05/2011 00:39:31

    FDA, você está errado.O código florestal não é polêmico porque defende interesses privados em detrimento do interesse nacional.Ele é polêmico porque afronta um paradigma, de que a natureza é imutável.Um aspecto benéfico do código é regularizar a situação de muitos brasileiros que são vítimas da arbitrariedade dos órgãos de fiscalização.Isso deveria ser observado por você, que se mantém alheio a esse fato.Infelizmente, você tem o hábito de distorcer a minha opinião para tentar provar seus próprios argumentos.Não precisa ser professor de filosofia para entender que isso demonstra sua falta de caráter.Suas mentiras me cansam.Faça o favor de não mencionar mais o meu nome em seus comentários.

  7. Odair Henriques Banhos

    05/05/2011 23:43:47

    Ola Claudio Marques, sou agricultor e ruralista sim senhor,com muito orgulho, e nâo aceito que voçe venha me maltratar, pois somos nos ruralistas que produzimos alimentos que alimenta a populaçâo do Brasil e tambem do mundo, e voçe o que produz, gostaria de saber, o que voçe come no cafe da manha, no seu almoço, no seu jantar, o que voçe veste para ir para o seu trabalho, no seu passeio, o que voçe vai me responde? estou esperando. Voçe sabe o que e plantio direto, voçe sabe o que e micro bacias, o que e terraços em curva de nivel, pois fique sabendo Senhor Claudio, que isto e conservaçâo do solo, sem isso Senhor Claudio, nosso solo ja estaria todo degradado, os rios da minha regiâo, sâo limpos nâo sâo poluidos da gosto de ver, sâo tecnicas que absorvem mais de 95% das aguas das chuvas que reabastecem nossos aquiferos, ai na cidade nâo tem isto né Senho Claudio? so tem asfalto, e voçe, o que tem de bom pra me mostrar ai na cidade, o que por ex: poluiçâo nos rios, inclusive do seu banheiro, poluiçâo no ar, inclusive do seu carro, poluiçâo sonora, tambem do seu carro, e tem outra coisa, os ruralistas sâo responsaveis por 1/3 do PIB Brasileiro. Estude mais sobre o Brasil Senhor Claudio. Há Senhoisr Claudio para qual ONG o senhor trabalha mesmo?

  8. Fernando

    05/05/2011 22:56:54

    Os verdes só conseguirão ganhar no tapetão. O Poder Legislativo apóia o Aldo Rebelo.

  9. Fernando

    05/05/2011 22:52:14

    Cláudio: Ignorante é você que se deixa dominar pelo radicalismo e pelo fanatismo ideológico. O código florestal afeta principalmente os pequenos agricultores que são em maior número. A economia e consequentemente o bem estar dos brasileiros está ligado ao agronegócio que gera milhares de empregos diretos e indiretos.

  10. Fernando

    05/05/2011 22:39:51

    Cesar: Se informe você. Vá ver se os agricultores europeus são obrigados a manter áreas de proteção permanente de 30 metros nas beiras dos rios. Florestas você só vê em áreas montanhosas ou na tundra congelada da Finlândia.

  11. Maria Alice

    05/05/2011 14:50:51

    Caro francisco,Por que tanto preconceito com ambientalistas, filósofos e professores ? É só por que eles não usam o verde como você, ou melhor, não comem só verde ? Saudações metropolitanas.

  12. Bruno

    05/05/2011 13:59:50

    Meu caro, o Código Florestal é de 1965, o FHC alterou o CF em 1996 (50% para 80% de RL na Amazonia). Acho que já deu tempo do pessoal se adequar, né?

  13. Ciro Lauschner

    05/05/2011 12:30:47

    A inveja é uma coisa que só faz mal a quem a sente.

  14. Ciro Lauschner

    05/05/2011 12:22:19

    Rio acima de 300 metros deve preservar 100 metros, segundo a lei

  15. Jose Mario HRP

    05/05/2011 12:16:40

    O GOVERNO É DO PT, esqueceu?

  16. Clovis Eduardo Godoy Ilha

    05/05/2011 11:59:23

    O texto do Sakamoto não esclareceu o que significava ICV.Trata-se do Instituto Centro de Vida.O link abaixo refere-se a uma notícia relacionada ao tema.http://www.oecoamazonia.com/br/blog/200-megadesmatamentos-ressurgem-em-mato-grosso

  17. Jose Mario HRP

    05/05/2011 10:48:17

    TADINHOS DOS FAZENDEIROS PREDADORES QUE DESFLORESTAM......ELES NÃO SABEM O QUE FAZEM PAI! E tem mais uma coisa:Esse ano ainda não compramos os carros importados que tanto queriamos e as 04X04 ultimo modelo nos EUA!Para nossos filhos ( caipirôes com chapéu de cowboya) desfilarem pelo centro de Goianinha!Nóis merece!

  18. ARTHUR

    05/05/2011 10:22:31

    É impressionante o jogo baixo e sujo promovido pelo PT, PV, PSOL e pela turma da Marina Silva, a musa mundial da fome e estrela máxima das 14 ONGs que dominam o "meio ambiente" do governo Dilma, em relação à votação do novo Código Florestal. Usam a mentira como armas poderosas, colocando seus pitbulls instalados em repartições públicas a espalharem o medo pelas redes sociais. O Código Florestal afirma, textualmente, que anistia poderá ser concedida a quem desmatou antes de 2008, em determinadas condições. Pois o Ibama aparelhado está plantando e Marina Silva repercutindo que o desmatamento está aumentando nos últimos meses, pois os madeireiros e pecuaristas têm esperança de serem anistiados. Isto é uma grande mentira. É óbvio que, se desmatarem agora, em 2011, não estarão cobertos por anistia alguma. Este é um bom exemplo da estratégia e da ação dos verdes sujos, pagos pelas fundações e ongs internacionais. Eles acham que 62% de florestas no Brasil é pouco. Com isso condenam os 19 milhões de miseráveis que existem no Brasil a permanecerem com fome, pois são os primeiros que serão penalizados com a queda na produção de alimentos

  19. Gunnar

    05/05/2011 10:19:50

    Pedalar uma bicicleta nos grandes centros urbanos não tem nada a ver com meio ambiente, e sim com praticidade.Eu até admiro quem tem paciência para andar de carro por aí, mas minha vida é muito corrida, trabalho, estudo, namorada, não tenho tempo para ficar brincando de congestionamento.

  20. Gunnar

    05/05/2011 10:17:35

    Pôxa Sakamoto, como você escreve mal."Ele já acenou que acatará sugestões defendidas por governo e ambientalistas (por exemplo, a manutenção das áreas de preservação permanente nas margens dos rios)."Acenar no sentido de sinalizar é um recurso bacana, mas tem que saber usar.

  21. roberto

    05/05/2011 10:05:06

    seria bom que o tiete tivesse mata ciliar. 100m melhor ainda.

  22. Mauricio Omizzolo

    05/05/2011 09:53:25

    Mais um falando sem conhecimento de causa...vamos voltar um pouco no tempo. Quando a alguns anos atrás o próprio governo incentivou os agricultores a explorar uma nova região, no caso o centro-oeste, para que houvesse um maior desenvolvimento naquela região, condicionou estes colonizadores a desmatarem até 50% de suas áreas (estavam dentro da lei), e passado algum tempo, pessoas "engravatadas" de ongs internacionais mudaram a lei, permitindo somente desmatamento de 20% desta mesma área. Ai te pergunto, esses agricultores HOJE, estão na ilegalidade??? Vão ter que recompor estes 30%? Entendeu? Não discuto áreas de APP em margem de rios, mas estas RESERVAS LEGAIS em cada pequena propriedade não resolvem o problema, pois são áreas isoladas, não formam um corredor verde, onde os animais possam se desenvolver, é utopia.

  23. Ciro Lauschner

    05/05/2011 06:41:18

    Me engana que eu gosto. A questão transporte, é bem custosa, assim como o desperdício, a aplicação de inseticidas etc.Mas se vc. abriu toda a terra, provavelmente herdada porque sua conversa não é de agricultor, aí da para falar de conservação. Exatamente como os europeus fazem. Ter consciência ecológica não significa apoiar um código que tem por unico objetivo atrapalhar a agricultura do Brasil. Aliás quanto mais o governo mete o bico, mais problemas traz. As estradas, financiamentos e isenção de impostos nem passam pela cabeça do governo e muito menos dos ecochatos.

  24. Ciro Lauschner

    05/05/2011 06:31:29

    Meu Deus! Por que no te callas? A unica coisa que o europeu produz mais que o brasileiro é trigo. No resto damos de 10 a zero sem subsídios. Vc. acha que o movimento ecológico é financiado por quê? Por preocupação com a natureza?Talvez os inocentes úteis como voce nem percebam que são importantes para fazer o jogo deles achando que está colaborando com alguma coisa. Por favor, mais racionalidade e conhecimento e vc. ao menos deixa de ser massa de manobra.

  25. FDA

    05/05/2011 03:52:06

    Clovis E. Godoy Ilha,Diz que aprendeu a ler “os textos do Sakamoto com um certo ceticismo”! Serà? Mas o que o leitor entende por “ceticismo”?“Ceticismo” por quê questiona as informações dadas: “será que há mesmo relação entre o novo código Florestal e o desmatamento?” Não, porque “os fiscais do IBAMA” atuariam “mais de perto em quatro municípios”. Logo, isso não é “cepticismo”, é da íntima convicção, contra-informação.O que há de pior no sofismo do Clovis é quando este afirma que “ (..) é possível que o blogueiro esteja certo”! A preocupação do Cloves é de mostrar quem esta “Certo” e quem esta “Errado”.Ora, ninguém ignora que a preocupação do Saka neste post não do estar “Certo”, “Errado”, e sim de estabelecer fatos relacionados com a realidade sócio ambiental e com a politica ambiental brasileira.Que “o novo Código Florestal” seja uma “polêmica” sócio ambiental. Isso é fato. É logico que o novo código é polemico porque “difícil de cumprir”. Tem a demostração vinda do campo.Que “o novo Código Florestal” seja uma “polêmico” politica é fato. Senão por quê o “Palácio do Planalto” discordaria “com a proposta do relator Aldo Rebelo”? Por quê existiria pressão lobistas da “bancada ruralista”, das “organizações de produtores rurais”?O novo Código Florestal tornou-se polêmico não por quê ele tem uma percepção militarista, infantilista, autoritarista das coisas: o “Certo” ou o “Errado”.Tal sofismo defendido pelo Cloves é pernicioso. O Código Florestal tornou-se polêmico porque defende interesses privados, lobilista, partidários, ao detrimento do interesse nacional, do “Nos” brasileiros, do “Nos” planetários.Sextus Empiricus, define o cepticismo filosófico como uma faculdade de todo ser humano a colocar face a face as coisas que aparecem “boas” tais quais elas são pensadas.Engraçado, quando trata-se de transcrever os textos do Sakamoto no seu blog, o Cloves não é tão « skeptikos » assim. O “copiar colar” que ele faz no seu blog sem nenhum “exame” critico é “bom” por quê não o obriga a pensar!Alguem aqui duvida que o Clovis confunde jogo de força entre blogueiros, partidarismo, defesa de interesses privados, conflitos de interesses pessoais e partidários, autoritarismo, militarismo, manipulação de informação com o “cepticismo”?

  26. Valmir Santos

    04/05/2011 21:55:40

    continuando o comentario anterior.Agora, exigir que os proprietários, que tiveram suas terras desbravadas a 110 anos, sacrifiquem parte de seu ganho (o produtor rural ganha em cima da produção obtida e sem tem retirado 20 % de sua área, tem 20 % de seu salário ceifado em favor do meio ambiente) em favor do meio ambiente, é afrontar o art 225 da Constituição Federal, que estabelecer que toda a sociedade tem direito a um meio ambiente equiblibrado.Se toda a sociedade tem direito, toda a sociedade tem que pagar. Por que não é so o Produtor rural que respira, bebe e come, é toda sociedade.Digamos, que apresentemois a proposta de que todo trabalhador, tenha que contribuir com 20% do seu ganho em favor do meio ambientem visto que nossa Constituição preve que o meio ambiente equilibrido é obrigação de toda a sociedade. Quem é a favor, que mostre a cara e diga sim.E mais, a degradação ambiental no BRasil, não está no meio rural, mas sim na área urbanda, com os infindáveis automóveis necessários a nossa vida diárias, que usa uma das piores gasolinas do mundo e das mais poluidoras (mas até agora nenhuma ONG passou a combate-la)aos ar-condicionados, as ocupações irregulares com o aval do poder publicos, ao derramamento de esgosto in natura nos rios, isso sim, é degradar o meio ambiente.Portanto, para se discutir codigo florestal, é necessário conhecimnto de causa e bom senso, e mais, ser brasileiro nacionalista com defesa real do Brasil, e não defesa de um meio ambiente nacional camuflado com os interesses dos agricultores norte americanos e europeus.Meu povo, o agricultor so quer continuar plantando e produzindo mais, nas áreas que ja estão consolidadas com agricultura, sem degradar e sim preservar o meio ambiente, o que ja faz a decadas, com o pioneirismo da conservação do solo.De ao agricultor brasileiro o respeito que merece, ele é trabalhador e não bandido.

  27. Valmir Sabtos

    04/05/2011 21:44:32

    A midia estampa a discussão do código florestal, com certa parcialidade, não trazendo à população a devida informação, criando a ideia de que o produtor rural é o causador de toda a questão ambiental brasileira e criou essa discussão do novo código para safar-se das obridações com o meio ambiente.Essa não é a verdade.Nossos avós, com o incentivo governamental, iam em busca do sertão para desbrava-lo e expandir as fronteiras do pais, na criação de novas cidades e na abertura de áreas para a agricultura e pecuária.Naquela época, essa era a ordem, meu bisavô chegou na região do Vale do Paranapanema/SP em 1890, aqui desbravou e fez a vida, e o desmatamento era obrigatorio para não se perder o titulo da terra.E fato curioso foi que na década de 1930, meu avo foi obrigado a desmatar a margem do rio de sua propriedade, por conta da Lei Osvaldo Cruz, que determinava esse desmatamento, a fim de combater a malária.Os tempos mudaram e hoje a retórica é recuperar as matas ciliares e preservar as áreas de matas ainda existentes. O agricultor tem consciencia do seu papel de conservacionista ambiental, tanto que não defende o desmatamento, mas sim, a equalização do codigo floretal à uma realidade atual, criada no passado, por imposição legal do Estado.As matas ciliares devem ser preservadas na faixa de 30 metros. Isso não é ponto de discussão dos agricultores.Quanto a reserva legal, essa foi instituida por D Pedro II, na primeira lei, que se chama de ambiental, mas tinha carater economico, que ao estabelecer a área de 20 % da propriedade que não podia ser desmatada, buscava a preservação de madeira para retirada para uso proprio a cada proprietário, não visava a preservação ambiental, porque à época não se tinha essa visão.E a Reserva Legal permaneceu com o código de 1934 e 1965, agora aproveitada e transformada pelos legisladores da época em badeira de preservação ambiental.Pergunto: Porque 20 % e não 10 %, e não 30 % ? Qual o beneficio e o prejuizo ambiental com área de Reserva Legal em 20 % e não em 30 % ou 15 % ? Já pesquisei e nenhum expert no assunto, deu uma resposta plausivel tecnicamente.Portanto a questão da reserva legal florestal, hoje, tem o intuito de criminalizar o produtor rural, nada mais.O que quer o produtor rural é continuar produzindo nas áreas consolidadas em agricultura a mais de 100 anos pelo estado, sem ser taxado de criminoso pelo que nAgora, exigir que os proprietários, que tiveram suas terras desbravadas a 100 anos,

  28. Ciro Lauschner

    04/05/2011 21:36:10

    Vc. é o próprio, sem conhecer nada de terra ou lavoura se arvora o direito de conhecer sobre natureza. Ponha mata de 100 metros na beira do Tiete e veja o estrago que faz. É isso que vc. está defendendo para os outros sem conhecer nada é claro. E ainda critica "nivel" dos outros.É como um agricultor querer ensinar fisica quantica a um fisico. Assim são voces que não conhecem nem um pé de mandioca.

  29. maria

    04/05/2011 21:29:12

    O sakamoto deve saber tanto de agricultura quanto o requiao que comeu mamona. Na mesa dele deve ter capim, agua poluida do tiete ,peixe ou carne de jeito nenhum. O coco que ele faz serve para sua retroalimentacao ja que se for pro esgoto vai poluir. O meio de transporte deve ser bicicleta ou a pe mesmo pois para produzir uma bicicleta haja poluicao nas fabricas. Saka , pegue um aviao e experimente viajar em linha reta sobre a Amazonia . Vai voar horas a fio ,so vendo mata fechada e verde. Sou a favor da preservacao mas tirar do pequeno agricultor a sua condicao de sobrevivencia e inadmissivel.

  30. francisco(imperatriz-Ma)

    04/05/2011 21:24:14

    Va para o campo para depois voce falar.. para nao ficar falando besteiras e impropriedades.. va olhar os rios e corregos e areas verdes de nossas cidades

  31. Luiz Egídio Galetti

    04/05/2011 21:12:36

    Parabéns Ciro! Único comentário com fundamento, com relevância!Moro no estado de Goiás, e o que disse é verdade. O governo militar incentivou os desbravadores para impulsionar a transformação, o dinamismo, a abertura de terras.Outras pessoas deveriam se informar melhor.

  32. francisco(imperatriz-Ma)

    04/05/2011 21:10:28

    Vejo muita gente comentando porque tem tempo..nao trabalha provavelmente, virando ambientalista.., filosofos ,professores..Ambientalistas temos que ser..principalmente no disciplinamento da ocupacao das areas urbanas..aonde senhores ambiemtalistas de carteirinha existe mais dano a natureza.lembrando-se que 85% da populacao vive nas cidades e mais no centro sul do Brasil.Quando viemos para Amazonia Legal, eramos estimulados a integrar paranao entregar.....Depois desmatar para ser dono...Desmatar para dizer quea era terra produtiva.. desmatar para o MST nao tomar....Agora tem que fazer o contrario...em menos de uma geracao....Que estes vagabundos que nao trabalham e vivem nas cidades poluindoo meio em que vivemos nao produzindo o que fumam....seja la o que for ..Que criem vergonha e venham ver como e dificil e trabalhosa a vida de quem se dispoe a trabalhar para viver e abastecer voces da cidade.Ambientalista no Brasil e Moda e soa bem nos ouvidos da populacao que atualmente nao vive no campo....Quero ver se Eles nao comem carne vinda de quem produz, vinho de uvas que nao podem ser plantadas,arrroz em areas que nao podem ser cultivadas.QUE VA SE DANAR ESTES AMBIENTALISTAS E POLITICOS DE PT,PV E OUTROS ... QUE OS MESMOS VAO DAR PALPITES NAS CIDADES ....NO CAMPO SO PODEMOS ACEITAR PALPITE DE QUEM MORA NELE

  33. Diego

    04/05/2011 20:54:42

    JulPrimeiro vá ler a proposta do novo código florestal, pra depois não ficar passando vergonha de falar de um assunto que vc só sabe de ouvir falar

  34. marçal santucci

    04/05/2011 20:52:08

    Acho muito pertinente o comentário, mas devo acrescentar mais alguns detalhes ...Não fosse talvez os impostos absurdos sobre os insumos e implementos agrícolas, talvez o pequeno produtor não precisasse de cada centímetro de terra para poder sobreviver ...No Brasil existe a cultura de que ser "Fazendeiro" é ser "Rico", quem prega esta mentira não sabe o sufoco que é abastecer o prato que acabou de comer, não tem idéia do quão difícil é trabalhar no campo no Brasil, o quão difícil é o programa de preços minimos do Governo ...Eu concordo sim que devemos preservar ... mas o modelo de "percentual" de propriedades é absurdo e ineficiente ... Matas só as serão se forem contínuas e de tamanhos suficientes para que se desenvolva um ecossistema no local ...Lembrando também que a redução de mata ciliar é para "córregos" de até cinco metros de largura ... e seria reduzido de 30 metros para 15 metros ... o sentido da existência da mata ciliar é a de evitar-se o assoreamento dos corregos, rios, lagos .... Mas esta situação de 30 metros para "fiapos" de água chegam ao ponto de inviabilizar o cultivo em algumas propriedades de pequeno porte e 15 metros são mais do que suficientes para manter a integridade do solo e evitar a erosão e com isso o assoreamento....´É muito fácil criticar se a pessoa apenas sabe o que é comida no mercado ou no restaurante, já embalada e ou pronta ...Chega de "bandeiras", vamos falar a verdade e encarar a realidade ...Existem, é claro, erros na lei... mas ela é vital para muitos pequenos, assim como é vital que se preserve a nossa água, mas temos que chegar em termos científicos e não políticos... quando digo científicos, digo para os dois lados ... ou por um acaso o governo, através dos nossos tributos, vai ressarcir o prejuízo daquelas pequenas famílias que moram no campo e assentá-las devida e justamente estas pessoas nas cidades? Alguém já pensou no impacto que isso traria para as cidades, no exodo rural, pior do que vivemos nos anos 70 e 80 .... Esta moeda tem mais que dois lados, tem os lados de todos... Ambientalistas, Governo, Povo, Grandes e Pequenos produtores, então vamos procurar a cautela de comentar apenas sobre aquilo que realmente conhecemos e não repetir as mesmas milongas que os outros ja repetiram alguma vez.Para julgarmos quaisquer questões com justiça e equidade é necessário que conheçamos todos os fatos, o que por sí só já se configura em matéria difícil, mas se julgarmos incorreremos fatalmente em grossos erros

  35. José Padilha

    04/05/2011 20:50:35

    Sakamoto,Pra quem afinal você trabalha???Quem paga o seu salário???Com quem é o seu compromisso???Cara, será que ser um traidor do seu país em troca de dinheiro vale a pena???Ou você é apenas um pobre, ingênuo e imbecil a serviço de gente estrangeira que esta prejudicando a nossa gente, para obter vantagem econômica???

  36. Diego

    04/05/2011 20:50:17

    JulDe onde são esses dados de 64% da produção é perdida? De sua cabeça? Vá se informar um pouco primeiro antes de falar besteira asneira. E outra agricultura é a atividade geradora de dinheiro e não banqueiro, tranportador, comerciante ou governo como vc quis dizer. Então antes de criticar, estude um pouco o tema primeiro. E tem mais uma Jul, qualquer codigo florestal que se aprove, 80%, 60%, 50%... de mata, não vai influenciar para o agricultor, pois em consequencia disso, os alimentos irão encarecer, e o custo de produção continuará o mesmo, e quem irá pagar por comida mais cara é o povo.

  37. cesar

    04/05/2011 20:47:22

    Meu caro, se informe, os paises europeus perderam tudo com guerra, com desmates, com um monte de ganâncias etc, etc, e todos hojes tem extensas áreas com florestas. Tiveram que refloretar tudo. Não vem com esta velha historia que por la não tem 1% de florestas. A Alemanha tem mais de 35% de Florestas, a Finlandia tem mais de 80%, sua maior renda vem das florestas, etc, etc.V

  38. rafael martelo

    04/05/2011 20:39:40

    ele não esta dizendo nada disso que vc concluio so está apontando a hipocrisia dos ambientalistas de plãntão das ongs internacionais que nem de longe fazem as mesmas exigencias descabidas como não platar em morros (oque fazer com o cafe de minas ou as uvas do rio grande do sul pelo atual codigo estão ilegais)em seus paises de origem so quem e muiti BURRO não percebe os verdadeiros objetivos desse ecoimperialismo.

  39. joao Roberto

    04/05/2011 20:30:40

    Nossa quanta inteligencia da expert Jul, me desculpe querida voce não sabe nem fazer o O na areia, acho que nem se lembra do que comeu no almoço, muito menos entender de meio ambiente, so pra lembrar comida não nasce na prateleira do supermercado. Va no campo e tende entender um pouco do que é o sofrimento da agricultura Brasileira.João RobertoEngenheiro Civil e analista Ambiental .

  40. Davi

    04/05/2011 20:22:34

    Jul, margem de rio é APP - área de preservação permanente - e desde 1989 cursos d'água de menos de 10 metros de largura devem ter no mínimo 30 metros de área preservada. Agora me diga, com justificativa técnica relativa ao ambiente, porque São Paulo pode ter moratória? Infelizmente no Brasil é tudo assim, é muito fácil criticar o outro, de uma posição cômoda. Mas quando se observa o ambiente de quem está criticando daí vem o choque de realidade... Pois bem, apenas reiterando não é preciso reinventar a legislação, basta cumprí-la e fazer com que seja cumprida...

  41. elaine batista de oliveira

    04/05/2011 20:22:02

    sabe porque tanto erro de portugues desses imbecis,porque eles estavam trabalhando e não tiveram tempo para estudar estavam plantando ,carpindo para tratar de por a comida na mesa de pessoas ipocritas que não sabem nem de onde vem o pão que comem

  42. Clovis

    04/05/2011 20:10:52

    Seria interessante ensinar aos agricultores brasileiros como ser competentes para ganhar dinheiro. O que o Sr. cultiva? Milho, feijão, café, horticultura? Qual a sua produtividade e renda líquida de colheita?

  43. .

    04/05/2011 20:05:32

    Você já ouviu falar no Google ???http://www.icv.org.br/quem_somos/como_trabalhamos/

  44. Jul

    04/05/2011 19:56:41

    A sua proposta é usar o exemplo de São Paulo para o resto do Brasil ??Já que vários absurdos foram cometidos aqui, a população desta região não tem o direito de não querer que repitam os mesmos erros em outros locais ??Quem mora sem SP paga um preço alto por todo o dano ambiental...A água que bebemos é esgoto reciclado, vivemos o caos do transito, poluição e enchentes... Pq ?? Não seria tudo consequencia do dano ambiental causado ?

  45. Clovis

    04/05/2011 19:51:28

    Deve ser esta a razão de você não morar no Rio Grande do Sul, está espalhada pelo Brasil.

  46. Jul

    04/05/2011 19:51:00

    O nivel de algumas respostas já mostra quem são as pessoas que tanto defendem esta proposta imbecil...Com tantos erros de português não é possivel esperar uma atitude coerente e equilibrada !

  47. Davi

    04/05/2011 19:45:37

    É muito fácil criticar quando se está na cidade mais poluída do Brasil, onde não há nenhuma árvore planta às margens dos principais rios, o Tietê e o Pinheiros, comprando os alimentos em supermercados. Exatamente os alimentos produzidos pelos tão criticados e desvalorizados agricultores brasileiros, que aliás sustentam a balança comercial brasileira. Sou a favor do Novo Código Florestal Brasileiro SIM!!! Vamos reflorestar as margens do Tietê e do Pinheiros, já que são área de preservação permanente! Não é necessário refazer a legislação, com o que existe já é possível preservar. O que falta é instrumentos, estrutura e pessoas para fiscalizar o que acontece aqui em São Paulo e lá na Amazônia.

  48. Ronaldo C. Rezende

    04/05/2011 19:44:03

    É preciso ser competente para ganhar dinheiro. O código florestal não pode permitir que se ganhe dinheiro à custa da destruição das florestas, dos rios, das nascentes e dos animais que ali vivem. O desenvolvimento obrigatoriamente deve ser sustentável. Não é possível condicionar a destruição gratuita das florestas sob o argumento irresponsável, de rapina, de que pessoas precisam sobreviver e para tanto podem destruir a natureza. O governo de um país existe é para criar políticas de desenvolvimento e tirar as pessoas da pobreza, mais que isso, da pobreza intelectual de achar que destruir um bem tão valioso é necessário. Um projeto de código florestal que anistia destruidores de florestas é, por si, um projeto criminoso, de alguém irresponsável. Isso é falta de ética. Fico a imaginar o que há por trás deste aspecto de anistia de destruidores de florestas. Será que o autor deste projeto de código florestal sabe o que resta da mata atlântica? É isso mesmo que ele pretende no resto do país? E as áreas de preservação, a reserva legal, dentre outros absurdos que prevê o projeto do código florestal? Não é possível que as autoridades e os homens de boa fé do nosso país não embarguem essas imbecilidades contidas neste projeto de código florestal. Particularmente, temo pelo legado do autor desse código florestal. Não vejo nele um homem sério. Meu "amigo" o planeta não é só dos homens, também é das árvores, também é dos animais irracionais, também é dos insetos, também é dos virus, também é das nascentes d'água, também é dos rios, também é ..., enfim, também do complexo de vida que nele existe.Eu espero um código florestal que possa recuperar um pouco do muito que foi destruido desde 1500. Eu espero que o Senhor Aldo Rebelo seja mais criativo e muito menos destruidor.A natureza é uma fonte de riqueza, Sr. Aldo.

  49. Wander

    04/05/2011 19:42:30

    Prezados Acredito que haja um certo exagero na visão dos ambientalistas, pois o Brasil possui uma enormidade de áreas de preservação e muito menos estamos em desespero de causa por reverter as pequenas áreas já desmatadas e que hoje pertencem a pequenos produtores. Manter as áreas de mata ciliar eu concordo, porém sem exageros de querer que os proprietários de áreas de poucos hectares, sejam obrigados a recomporem áreas desmatadas. Eu estou acreditando que os "ambientalistas", através da ação de ONGs estrangeiras, estejam caindo na conversa das mesmas, cujos locais de origem, EUA, Europa etc... em geral já degradaram seus ambientes ao extremo e querem se salvagardar no Brasil e outros emergentes. Gente, os alimentos baratos dependem de produção em grandes áreas e de grande produtividade. A proposta do código florestal deve ser razoável, pois alimento não nasce nas gôndolas dos supermercados, muito menos alimentos baratos que somente são produzidos com alta tecnologia. Vamos ser razoáveis e sem radicalismos, pois se radicalizarmos as áreas de reforma agrária que são de pequeno porte ficarão inviabilizadas. Usem a cabeça, até as cestas básicas distribuidas pelo MST vem do apelidado maudoso e pejorativo, " Agronegócio". Ora todo produto, agrícola seja de grandes produtores, seja da agricultura familiar, pertencem ao agronegócio.Não caiam na conversa de quem não faz nada e não produzem nada para alimentar vocês.

  50. Clovis

    04/05/2011 19:40:26

    Bene, creio que você não tem a minima idéia do que é a Europa e a sua população. O Europeu não quer, nem de longe, trabalhar na agricultura, pois sabe que, mesmo com os subsídios, é uma péssima opção de vida. Veja estatísticas de renda do agricultor europeu em relação ao citadino e você saberá porque não há invasões e desmatamentos.

Os comentários não representam a opinião do portal; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Leia os termos de uso