Topo
Blog do Sakamoto

Blog do Sakamoto

Categorias

Histórico

Temer usa a crise para dilapidar a CLT, antigo sonho do andar de cima

Leonardo Sakamoto

24/07/2016 08h17

Crises econômicas são uma merda. Não há outra palavra para defini-las. Principalmente para quem depende única e exclusivamente de seu salário para sobreviver. Não apenas pelas demissões e o desemprego, mas por momentos de crise serem utilizados como justificativa para redução nos direitos dos trabalhadores. Ou seja, é porcaria que gera mais porcaria.

Desculpe inundar o seu domingo com essa palavra fétida, mas não vejo outro sinônimo para descrever a situação. Pois é no momento em que os vulneráveis mais precisam do Estado para terem seus direitos garantidos é que o próprio Estado, aliado a uma parte do empresariado, torna-se vetor para derrubá-los. Sem o mínimo pudor, lança um monte de purpurina dourada em cima da merda e a rebatiza de "oportunidade".

E com o discurso de que precisa fazer mudanças profundas para garantir que o país continue viável, corta na carne alheia até o osso e além. São "sacrifícios" necessários para que o país volte a crescer. O que não revelam é que as propostas de mudanças, como a dilapidação da CLT e o aumento no tempo de contribuição para poder se aposentar, povoam os sonhos eróticos de parte do andar de cima da sociedade há muito tempo.

O problema é que é muito difícil colocar em prática tais mudanças em épocas de vacas gordas. Já na escassez, diante do cheiro ruim da crise, fica mais fácil fazer com que a população engula qualquer groselha. Vende-se essa solução como lógica e natural a ponto de parte dos que serão diretamente afetados por essas mudanças passar a defende-las como única alternativa possível. Atuam, dessa forma, como cães de guarda do capital do outro.

Ou, no melhor estilo Nelson Rodrigues, gritam a plenos pulmões: "Perdoa-me por me traíres!"

Mas o governo – que se vende como "semeador do futuro" quando, na verdade, age como um "mercador do passado" – faz a egípcia e esconde que há outras medidas que poderiam ser implantadas para contribuir no ajuste das contas públicas. Da taxação de dividendos recebidos de empresas passando por ações mais eficazes no combate à sonegação, há muito o que pode ser feito para fazer com que o andar de cima também ajude a limpar essa merda. Se a culpa é, em grande parte, das decisões bizarras tomadas no governo Dilma, tendo o PMDB participado delas, muita gente ganhou rios de dinheiro nesse período com as medidas adotadas e, portanto, têm também responsabilidade.

Um pouco de isonomia por aqui cairia bem: para cada tungada contra os mais pobres, uma tungada seria feita contra os mais ricos. Sabemos que a arrecadação com a taxação de grandes fortunas e grande heranças, por exemplo, não seria tão alta quanto imagina-se num primeiro momento. Mas, pelo menos, não ficaria tão chato quanto hoje, em que você, trabalhador e trabalhadora, irá pagar o pato pelo pato dos outros sozinho.

Ou seja, na hora de "flexibilizar" a CLT, a contraproposta poderia ser "flexibilizar" a propriedade privada…

O simbolismo dessa medida seria suficiente para que o Estado brasileiro demonstrasse à plebe que não é vassalo de nobres empresários, seus cavaleiros midiáticos e seus bispos intelectuais.

Não temos peste, mas temos zika.

Desconfio que a Idade Média está apenas começando por aqui.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Sobre o Autor

É jornalista e doutor em Ciência Política pela Universidade de São Paulo. Cobriu conflitos armados em diversos países e violações aos direitos humanos em todos os estados brasileiros. Professor de Jornalismo na PUC-SP, foi pesquisador visitante do Departamento de Política da New School, em Nova York (2015-2016), e professor de Jornalismo na ECA-USP (2000-2002). É diretor da ONG Repórter Brasil, conselheiro do Fundo das Nações Unidas para Formas Contemporâneas de Escravidão e comissário da Liechtenstein Initiative - Comissão Global do Setor Financeiro contra a Escravidão Moderna e o Tráfico de Seres Humanos. É autor de "Pequenos Contos Para Começar o Dia" (2012), "O que Aprendi Sendo Xingado na Internet" (2016), entre outros.