Topo
Blog do Sakamoto

Blog do Sakamoto

Categorias

Histórico

Impedir Lula de ir ao velório do neto seria tortura e política do chorume

Leonardo Sakamoto

2001-03-20T19:22:06

01/03/2019 22h06

Arthur Lula da Silva, neto do ex-presidente Lula, morreu, nesta sexta (1), vítima de uma meningite meningocócica, aos sete anos. Após a informação ser veiculada pela imprensa, uma onda de chorume atingiu parte das redes sociais, celebrando o ocorrido ou exigindo que ele não fosse autorizado a ir ao velório e à cerimônia de cremação. Por trás de justificativas pseudo-jurídicas, havia ódio, desejo de vê-lo sofrer e política muito rasteira.

O artigo 120 da Lei de Execução Penal permite que todos os condenados possam receber autorização para sair temporariamente da prisão em caso de falecimento de familiares. No dia 30 de janeiro, quando morreu seu irmão Genival Inácio da Silva, a Lava Jato não autorizou a saída. Agora, não cometeu novamente o mesmo equívoco. Até porque seria muito difícil explicar à sociedade a razão de impedir que um avô se despedisse de um neto que morreu de forma trágica, independentemente de quem seja.

Mas os produtores de chorume nas redes sociais esforçaram-se para repetir o mesmo que fizeram na morte de sua esposa, Marisa Letícia, em fevereiro de 2017, atuando para evitar que o público sentisse empatia com o ex-presidente e sua família.

Parte desse chorume que circulou pelas redes sociais não foi produzido por psicopatas, mas por pessoas e grupos que sabiam muito bem o que estavam fazendo. Essas mensagens são conscientemente fabricadas e artificialmente bombadas para impedir a formação dessa empatia. E, com isso, evitar que o longo trabalho de desumanização feito contra o ex-presidente (que sofre um ódio muito maior do que seus defeitos ou crimes) se perca.

Lula esteve com Fernando Henrique quando Ruth Cardoso morreu em junho de 2008. E Fernando Henrique esteve com Lula quando Marisa Letícia morreu em 2017. Ambos entenderam a dor e choraram no ombro um do outro, além dos ombros de aliados e de adversários – o que não deveria surpreender, pois são seres humanos. O que não é natural, nem humano, é imaginar que o mundo é um grande duelo do bem contra o mal e que todas as pessoas que não concordam conosco merecem sofrimento e morte.

Durante a Primeira Guerra Mundial, militares britânicos, belgas, franceses e alemães, no front ocidental entre a França e a Bélgica, decidiram uma trégua no Natal de 1914. Soldados largaram suas baionetas, deixaram suas trincheiras e foram em direção ao inimigo, apertando suas mãos e desejando Feliz Natal. Trocaram presentes, comeram juntos, jogaram futebol. Depois, a guerra continuou. Mas naquela curta pausa puderam se lembrar que os inimigos eram gente como eles.

Não liberar Lula seria uma forma de tortura institucional. Bem como na última ditadura, a tortura continua sendo uma arma de disputa ideológica. Quando é necessário "quebrar" a pessoa, mental e fisicamente, pelo que ela é, pelo que representa e pelo que defende, ela é utilizada. Pois não é apenas um ser humano que se dobra a cada golpe psicológico ou físico, mas também uma visão de mundo.

Para muita gente, há quem seja a representação do mal. E o mal precisa ser extirpado. Na superfície dessa afirmação, há ódio. Mas se escavarmos um pouquinho, descobriremos que, na origem desse ódio, há muito medo do outro. Deve ser horrível viver com medo todos os dias.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Sobre o Autor

É jornalista e doutor em Ciência Política pela Universidade de São Paulo. Cobriu conflitos armados em diversos países e violações aos direitos humanos em todos os estados brasileiros. Professor de Jornalismo na PUC-SP, foi pesquisador visitante do Departamento de Política da New School, em Nova York (2015-2016), e professor de Jornalismo na ECA-USP (2000-2002). É diretor da ONG Repórter Brasil, conselheiro do Fundo das Nações Unidas para Formas Contemporâneas de Escravidão e comissário da Liechtenstein Initiative - Comissão Global do Setor Financeiro contra a Escravidão Moderna e o Tráfico de Seres Humanos. É autor de "Pequenos Contos Para Começar o Dia" (2012), "O que Aprendi Sendo Xingado na Internet" (2016), entre outros.