PUBLICIDADE
Topo

Histórico

Categorias

Uma "flechada moral" em Jair Bolsonaro

Leonardo Sakamoto

15/05/2008 20h15

Chamar o deputado Jair Bolsonaro (PP-RJ) de figura folclórica seria um elogio desmesurado. É uma vergonha para o país que essa viúva da ditadura militar ainda circule com poder pelo corredores do Congresso, defendendo as barbaridades do período mais tenebroso da história republicana brasileira.

Bolsonaro tinha 29 anos quando Figueiredo deixou o Planalto para cuidar de seus cavalos – é saudosista de um período que não viveu. Ficou 15 anos no Exército e mantém-se no Congresso devido à sua defesa dos direitos trabalhistas dos militares (pela quantidade de rifles que desaparecem dos quartéis no Rio e reaparecem nas mão do tráfico, verifica-se como os salários são realmente baixos). E, com isso, ganha carta branca para falar abobrinhas.

Um bom exemplo de quem é Bolsonaro aconteceu há alguns anos, quando ele colocou um cartaz na porta de seu gabinete na Câmara dos Deputados com os dizeres "Desaparecidos do Araguaia, quem procura osso é cachorro", zombando das famílias de vítimas da Gloriosa e dos esforços do governo federal para encontrar as ossadas dos guerrilheiros mortos pela ditadura e enterradas em local que o Exército nega em revelar.

Ontem, bateu boca com o ministro da Justiça Tarso Genro durante audiência pública para discutir a situação da Reserva Raposa Serra do Sol, em Roraima. Como já falei aqui neste blog, a população indígena vem sofrendo ataques por parte dos arrozeiros que ocupam sua terra e não querem sair. Descontentes com isso, setores da sociedade e da mídia partiram para a ignorância explícita usando os argumentos mais bizarros para defender a revisão da homologação.

Bolsonaro seguiu a linha "Ai que saudade do AI-5", relançada recentemente pelo senador Agripino Maia (DEM-RN), ao praticamente reclamar das mentiras que Dilma Roussef contou aos torturadores durante as sessões de choque e de pau-de-arara (!). Vale lembrar que tanto o DEM quanto o PP são filhotes da Arena, partido da ditadura. É claro que a resposta de Dilma foi bem melhor que a de Tarso, até porque Bolsonaro já é figurinha conhecida, enquanto Agripino vinha cultivando uma imagem de bom moço.

Tarso Genro bem definiu o comportamento dos arrozeiros como terroristas (falei sobre isso em um outro post) e Bolsonaro não deixou barato: afirmou que o ministro entendia bem de terrorismo porque teve que fugir do país durante a ditadura militar, ou seja, boa coisa não tinha feito. Tarso retrucou que ele não conseguia conviver com a democracia. Chico Buarque, Caetano Veloso e Gilberto Gil também tiveram que dar "Aquele Abraço" para o país e se escafeder. Acho que foi por causa das músicas, muito ruins, sabe? Creio que os militares preferiam uma marcha.

O bate-boca foi ótimo para ajudar a trazer à tona, mesmo que apenas de vez em quando, o que a pasteurização da cobertura jornalística sobre ideologias políticas faz questão de excluir. Deveria acontecer mais vezes cenas com essas no Congresso. A História não acabou, apesar do desejo inconteste dos liberais de plantão. Diferenças existem, apesar de ações convergentes de governo e oposição muitas vezes mostrarem o contrário. Por exemplo, não é raro os críticos da situação social, ambiental, trabalhista e agrária ouvirem do governo federal afirmações muito semelhantes ao "Brasil, ame-o ou deixe-o".

Jecinaldo Sateré Maué, da coordenação dos movimentos indígenas da Amazônia, jogou um copo com água em Bolsonaro. O deputado não se molhou. Questionado sobre o porquê daquilo, Jecinaldo disse:

"Eu peguei um copo de água porque não tinha flecha."

Sobre o Autor

É jornalista e doutor em Ciência Política pela Universidade de São Paulo. Cobriu conflitos armados em diversos países e violações aos direitos humanos em todos os estados brasileiros. Professor de Jornalismo na PUC-SP, foi pesquisador visitante do Departamento de Política da New School, em Nova York (2015-2016), e professor de Jornalismo na ECA-USP (2000-2002). É diretor da ONG Repórter Brasil, conselheiro do Fundo das Nações Unidas para Formas Contemporâneas de Escravidão e comissário da Liechtenstein Initiative - Comissão Global do Setor Financeiro contra a Escravidão Moderna e o Tráfico de Seres Humanos. É autor de "Pequenos Contos Para Começar o Dia" (2012), "O que Aprendi Sendo Xingado na Internet" (2016), entre outros.

Leonardo Sakamoto