PUBLICIDADE
Topo

Leonardo Sakamoto

Conheçam o "Bocejo": o indicador do "mimimi" nos comentários em blogs

Leonardo Sakamoto

12/09/2013 13h10

Tenho dormido muito pouco ultimamente. Umas três horas por noite. Em parte, culpa minha, pois trabalho demais. Mas gosto de jogar parte da responsabilidade em um sabiá-laranjeira que, lá pelas 3h30, se põe a cantar loucamente na minha janela como se não houvesse amanhã. Canalha.

Como gosto de viver perigosamente, às vezes aproveito o silêncio da madrugada para dar uma espiada na área de comentários do meu blog. Vou de botina, porque – não raro – aquilo está uma lama.

Descobri, nessas andanças da madrugada por esse mundo selvagem, que algumas coisas me dão tanta preguiça que – veja só – me ajudam a pegar no sono. "Ah, que falta de respeito, com seus leitores! Só porque você não tem argumentos para contrapor a realidade irrefutável de que os médico cubanos são uma ameaça…" Viu! Não dá sono?

Criei um indicador: o "Bocejo", que vai de um (menos sonolência) para três (mais sonolência). Não tem a ver com a gravidade da besteira proferida mas com o nível de sono que isso causa, levando em conta fatores como a repetição do argumento (sic), sua virulência, enfim. Para falar a verdade, não obedece a critério científico nenhum. Eu sei que não devia fazer cyberbullying em que faz cyberbullying, mas foi mais forte do que eu.

Usei exemplos tirados dos comentários e já comentados aqui.

(Para uma experiência mais próxima do real, sugiro a leitura sob a trilha de um sabiá-laranjeira.)

"Tá com dó? Leva para casa."
Vem sempre seguido de algum preconceito contra crianças pobres, população em situação de rua, usuário de psicoativos, enfim.
Avaliação: 

"Para que libertar escravos se eles vão gastar o dinheiro que ganham com cachaça, muitos deles até cometer crimes".
Liberdade, desde que vigiada.
Avaliação : 

 "Jogue o seu diploma no lixo."
"Você é um mala."
"Volta para o Japão!"
"Como os seus amigos te agüentam?"
"Cara, você tem cara de pirralho."
"Dou como 95 por cento de chances que o seu problema é falta de mulher!"

No começo era divertido, mas o povo vai repetindo ataques pessoais. Tá chato. Fala criatividade na direita brasileira!
Avaliação: 

"Você não entende os desígnios de Deus e não dá a mínima para a vida."
Realmente, não entendo. E tenho que confessar que missa me dá sono.
Avaliação: 

"Os negros continuam nessa situação hoje porque não quiseram trabalhar pesado ao serem libertados."
É isso mesmo! Esses indolentes!
Avaliação: 


"Deus criou o homem para governar e a mulher para estar ao seu lado."
"O marido tem direito a bater em sua mulher."
"Lei Maria da Penha não deveria existir porque em briga de marido e mulher não se deve meter a colher."

A maior parte dos comentários machistas são anônimos. Por que será?
Avaliação: 

"Esses sem-terra são um bando de vagabundos. Apanhar é pouco, deveriam matar mais alguns para que parem de atacar a propriedade alheia."
É aquilo que falei nesta semana. Somos cães de guarda da injustiça social.
Avaliação: .

 "Trabalhei quando criança e isso formou meu caráter. Criança tem que trabalhar para não ficar fazendo arruaça na rua."
"O trabalho liberta", já dizia um portão por aí…
Avaliação: 

"Queria ver você ter um filho homossexual."
Pode ser. Mas só vou ter tempo depois da Copa.
Avaliação: 

"Se você critica tanto São Paulo, seu fdp, porque não se muda daqui? Tenho orgulho de ser bandeirante, sou a locomotiva que puxa este país!"
"Em Bandeira ou Monção,/Doma os índios bravios,/Rompe a selva, abre minas, vara rios!" São Paulo tem hino, sabia?
Avaliação: 

 "Bandido bom é bandido morto"
Diga-me com quem andas que te direi quem és. Matar é a solução, porque pau que nasce torto não tem jeito, morre torto. E, na periferia, filho de peixe, peixinho é. Revidar é nosso direito, pois quem com ferro fere com ferro será ferido. Ou eles ou nós, pois o pior cego é aquele que não quer ver!
Avaliação: 

 "Você pensa assim porque um destes pulhas malditos ainda não estupraram sua mãe. Seja mais corajoso, pára de ficar escrevendo só o politicamente correto"
Brasil, o país da vitória da experiência individual sobre a necessidade coletiva, da emoção do momento sobre a racionalização necessária para que não nos devoremos a cada instante.
Avaliação: 

"Por que o país não acaba com essa merda de direitos humanos?"
Por que você não vai estudar? Quer uns livros?
Avaliação: 

"Pelas leis de Deus, há direitos dentro da relação e ninguém pode se intrometer nisso. Você não sabe o que levou o homem a determinado ato, então não se intrometa."
Se você não é casado, faça-nos um favor, não case.
Avaliação: 

"Vi dois caras se beijando na rua e tive que me segurar para não partir para cima. Tenho nojo."
Já saiu uma cura para homofobia, sabia?
Avaliação: 

"Há sim uma imposição gayzista no mundo. Se existe homens que querem largar o homossexualismo, o governo Dilma não deixa, agora, se um heterossexual quiser assumir ser gay, para os gayzistas, isso é um 'direito humano'. Ou seja, é uma verdadeira hipocrisia esse movimento gay!"
Hannah Arendt remexe-se no túmulo.
Avaliação: 

"A natureza criou o homem com pênis e a mulher com vagina para se unirem e procriarem. Ninguém nasce pelo ânus para dizer que ânus é sexo."
Descobriu isso sozinho ou leu num livro?
Avaliação: 

Sakamoto, o nível do teu ataque à família é tão baixo, mas tão baixo, mas tão baixo que coloca em dúvida o seu "doutoramento". A questão não é julgar algo que não se escolhe, mas o problema é a campanha desmesurada pró-gay, como se isso fosse a salvação do mundo.
 Ataca-se tudo e a todos os que não são a favor da cultura gay. E isso é quê? Ditadura, talvez? Você é um monstro, que hoje se refestela na tua "criação". Vai ter o dia que você vai se arrepender amargamente disso tudo. Fique com Deus.
Zzzzzzzzzz…

Sobre o Autor

É jornalista e doutor em Ciência Política pela Universidade de São Paulo. Cobriu conflitos armados em diversos países e violações aos direitos humanos em todos os estados brasileiros. Professor de Jornalismo na PUC-SP, foi pesquisador visitante do Departamento de Política da New School, em Nova York (2015-2016), e professor de Jornalismo na ECA-USP (2000-2002). É diretor da ONG Repórter Brasil, conselheiro do Fundo das Nações Unidas para Formas Contemporâneas de Escravidão e comissário da Liechtenstein Initiative - Comissão Global do Setor Financeiro contra a Escravidão Moderna e o Tráfico de Seres Humanos. É autor de "Pequenos Contos Para Começar o Dia" (2012), "O que Aprendi Sendo Xingado na Internet" (2016), entre outros.