Topo
Blog do Sakamoto

Blog do Sakamoto

Categorias

Histórico

Mais um gay é morto. E o Congresso Nacional pode ter sido cúmplice

Leonardo Sakamoto

16/01/2014 11h07

Kaique, negro e homossexual, de 16 anos, foi encontrado morto na madrugada de sábado (11). Segundo familiares que reconheceram o corpo, não havia dentes na boca do rapaz e ele apresentava sinais de tortura, hematomas na cabeça e uma barra de ferro cravada na perna. De acordo com matéria de Felipe Souza e Ricardo Senra, na Folha de S. Paulo, desta quinta (16), ele havia sido visto pela última vez em uma balada gay no Centro da capital paulista.

Antes de mais nada, uma curiosidade: sabe como a Polícia Civil do 2º DP registrou o caso segundo a matéria? Suicídio. E a Secretaria de Segurança Pública não vai comentar a tortura porque o laudo da morte seria sigiloso e haveria uma investigação em andamento.

Gente… Sério? Registrar como suicídio?

O Estado não aprendeu que não se "suicida" alguém diante de elementos que apontam o contrário? Os casos são diferentes, mas me lembrei da morte de Vladimir Herzog e de tantos outros "suicidas" da ditadura. Depois quando digo que a gente tem uma ferida aberta e mal resolvida que influencia o dia a dia da força policial, o pessoal que é saudoso dos Anos de Chumbo dá chilique. Da última vez em que disse isso, muitos gastaram um bom tempo, em uma página de amigos da Rota, defendendo que eu fosse torturado. Deveriam ter aproveitado e lido um bom livro de história contemporânea brasileira…

Bem, Marco Feliciano está deixando a Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara dos Deputados. Viva! Mas me assusta a quantidade de pessoas, teoricamente com acesso à informação, que "discordavam, mas entendiam" as posições do profeta, que dizer, pastor, veiculadas durante 2013. O que preocupa, uma vez que as "abominações" continuam morrendo.

Tenho a certeza de que se Jesus, o personagem histórico, vivesse hoje, defendendo a mesma ideia presente nas escrituras sagradas do cristianismo, mas atualizando-a para os novos tempos, seria humulhado, xingado, surrado, queimado, alfinetado e explodido. Tachado de defensor de bicha, mendigo e sem-terra vagabundo. Olhado como subversivo, acusado de "heterofóbico" e "cristofóbico". Alcunhado como agressor da família e dos bons costumes.

Você, sim, você que diz que não é homofóbico.

Acha um absurdo homossexuais serem surrados, mas "entende" quando gays "extrapolam" em suas liberdades, tiram outras pessoas do sério e "exageros" acabam acontecendo.

Defende a igualdade perante a lei, mesmo que vivamos em uma sociedade com pessoas que, historicamente, tiveram mais direitos que outras e, portanto, estão em uma situação privilegiada.

Acredita, acima de tudo, na proteção à família cristã, com pai e mãe, como solução para todos os males do mundo.

Você pode ser dodói e, talvez, nem perceba. Pois o diabo, ele sim, não está apenas na morte de Kaique, mas também nos detalhes que causam dor no cotidiano.

Você fica no fundo da sala de aula tirando barato da colega só porque descobriu que ela é lésbica?

Senta no sofá da sala e concorda com seu pai que alguma coisa precisa ser feita pois o mundo está indo para o buraco e a prova disso é um casal de "bichas" ter se beijado na saída do cinema?

Na hora de contratar alguém no escritório, prefere o hétero inexperiente do que a travesti mais do que adequada para a função?

Fica possesso por um hétero se juntar a um grupo de gays e reclamar das piadinhas estúpidas e sem sentido que você faz?

Vê seu filho brincando de boneca com a amiguinha e, imediatamente, manda ele voltar para casa e nunca mais permite que a veja de novo, pois não quer má influências na formação dele?

Acha uma aberração às leis de Deus duas mulheres ou dois homens se dedicarem à criação de uma criança, mas gasta todo o seu tempo livre com amigos, terceirizando seus filhos para uma babá?

Considera que falar sobre preconceito, igualdade, tolerância e homofobia para as crianças na escola fazem com que elas "aprendam" a ser gays e lésbicas?

Fica lisonjeado quando recebe uma cantada de mulher, mas transtornado quando o gracejo vem de um homem?

Acha que beijar uma pessoa do mesmo sexo, demonstrando afeto, faz de você gay?

Você acha tudo isso uma grande besteira?

A família de Kaique, provavelmente, não.

Não sei onde estão os que executaram a ação, mas sugiro que os cúmplices sejam procurados no mais imponente dos prédios da Praça dos Três Poderes, em Brasília, onde, por trás da imunidade parlamentar, se escondem entrincheirados defensores da discriminação, do preconceito e da intolerância. Deputados e senadores que bradam indignados mediante a tentativa de aprovação da lei que criminaliza a homofobia. Supostos representantes dos interesses de Deus na Terra que afirmam lutar pelo direito de expressarem suas crenças. Mas que droga de crença é essa que diz que A é pior que B, gerando ódio sobre o primeiro, só porque A curte alguém do mesmo sexo?

Pode parecer exagero, mas não é. O Ministério Público Federal deveria co-responsabilizar os membros da bancada evangélica em Brasília por conta desses atos bárbaros de homofobia que pipocam aqui e ali. Pois ao travar uma medida que contribuiria com a solução, eles ajudam na manutenção das condições que geram o problema. São parte dele.

Cada homossexual que for espancado e morto deve ser acrescentado na conta desses representantes políticos. Mas como não acredito em acerto de contas no juízo final ou na celeridade da Justiça brasileira, muito menos em uma ação dos eleitores desse pessoal, só me resta ter fé.

Atualização (23/01): Com base no que apurei quando o fato ocorreu, minha avaliação continua a mesma. Nenhum dos elementos novos apresentados trouxe novidades que comprovem suicídio. Temos uma facilidade grande para duvidar de afirmações de governos, mas – não raro – atribuímos valor de verdade absoluta a discursos policiais e elementos periciais, mesmo quando eles não se apresentam dessa forma. Ainda mais em casos envolvendo direitos humanos.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Sobre o Autor

É jornalista e doutor em Ciência Política pela Universidade de São Paulo. Cobriu conflitos armados em diversos países e violações aos direitos humanos em todos os estados brasileiros. Professor de Jornalismo na PUC-SP, foi pesquisador visitante do Departamento de Política da New School, em Nova York (2015-2016), e professor de Jornalismo na ECA-USP (2000-2002). É diretor da ONG Repórter Brasil, conselheiro do Fundo das Nações Unidas para Formas Contemporâneas de Escravidão e comissário da Liechtenstein Initiative - Comissão Global do Setor Financeiro contra a Escravidão Moderna e o Tráfico de Seres Humanos. É autor de "Pequenos Contos Para Começar o Dia" (2012), "O que Aprendi Sendo Xingado na Internet" (2016), entre outros.