Topo
Blog do Sakamoto

Blog do Sakamoto

Categorias

Histórico

Neste dia, celebramos o surgimento do primeiro coelho que produz chocolate

Leonardo Sakamoto

20/04/2014 12h19

A Páscoa, como todos sabemos, é o dia em que celebramos o surgimento do primeiro espécime ovíparo de coelho que metaboliza cenoura em chocolate.

Dizem que judeus e cristãos deram outros significados para a data, provavelmente querendo pegar uma onda na milenar tradição criada pelo comércio. Alguma coisa sobre uma fuga da escravidão no Egito e outra sobre celebrar a ressurreição de alguém no terceiro dia.

Mas dada a quantidade de ovos pendurados nos mercados desde fevereiro, do lado dos iogurtes que é para não derreter, quem acreditaria que a data significa algo mais? No Coelho é que está a verdade e a vida – e não nessa versão religiosa de Walking Dead que querem nos enfiar goela abaixo.

Como os coelhos mutantes têm dificuldade de fazer tudo sozinhos, a indústria dá uma ajudinha. Produz-se cacau em locações das novelas das 21h, em lojas de shoppings e, eventualmente, em fazendas na Bahia e no interior do Pará.

E como o coelho escolheu as crianças para serem, com ele, protagonistas desta data, recontarei aqui uma historieta.

Uma ação de fiscalização de trabalhadores do governo federal libertou, há alguns anos, 150 pessoas em Placas (PA), dentre elas mais de 30 crianças. Atuavam na colheita do cacau.

O cacau, que é usado para produzir ovos de chocolate, entregues neste domingo, em que celebramos o Coelho.

O grupo estava sujeito a condições humilhantes de habitação, alimentação e higiene.

De acordo com o Ministério do Trabalho e Emprego no estado, a maior parte das crianças estava doente, com leishmaniose ou úlcera de Bauru.

Elas eram levadas ao trabalho para aumentar a remuneração, se sujeitando a todo tipo de situação. Tanto que uma das crianças perdeu a visão ao cair de cara em um toco de árvore.

Eles já começavam o serviço devendo aos empregadores por terem que pagar equipamentos de trabalho e bens de necessidade básica. De acordo com as informações colhidas pelos fiscais, quem não cumpria as determinações dos patrões era ameaçado de morte.

Parte da indústria de alimentação – que ajuda o Coelho na sua tarefa – e compra não só cacau, mas também outras matérias-primas de setores que vêm sendo sistematicamente envolvidos em trabalho escravo e trabalho infantil contemporâneo para fazer ovo, não demonstra lá muita energia para garantir o controle e a transparência de suas cadeias produtivas.

Há muitas formas de se controlar a qualidade da própria cadeia produtiva, tanto que em alguns setores isso já acontece. Mas adotar esse comportamento  significa investir uma boa grana para mudar processos. E quem quer investir grana em algo que quase ninguém se importa?

Afinal de contas, o que é realmente fundamental para você: que uma criança não tenha perdido um olho na colheita de cacau para fazer um ovo de chocolate ou o que ovo não venha com um brinquedinho repetido?

O consumidor não pode ser culpado porque ele não tem informação, claro. Mas, convenhamos: para quê sair da ignorância? É um lugar tão quentinho, não é mesmo?

Mudança é possível. Tanto que temos experiências de cultivo inclusivo de cacau orgânico, feito por pequenos produtores, como aqueles do Projeto de Desenvolvimento Sustentável "Esperança", em Anapu – pelo qual viveu e morreu a irmã Dorothy Stang. Mas mudança mata. Dorothy, como sabemos, suicidou-se com seis tiros, no corpo e na cabeça, em um local ermo, apenas para incriminar honestos fazendeiros da região avessos à mudança.

Se houvesse valores morais envolvidos nesta data, eu acharia que o mundo é muito, muito louco.

Mas como é só a Páscoa, dia em que celebramos o surgimento do primeiro espécime ovíparo de coelho que metaboliza cenoura em chocolate, então viva o Coelho!

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Sobre o Autor

É jornalista e doutor em Ciência Política pela Universidade de São Paulo. Cobriu conflitos armados em diversos países e violações aos direitos humanos em todos os estados brasileiros. Professor de Jornalismo na PUC-SP, foi pesquisador visitante do Departamento de Política da New School, em Nova York (2015-2016), e professor de Jornalismo na ECA-USP (2000-2002). É diretor da ONG Repórter Brasil, conselheiro do Fundo das Nações Unidas para Formas Contemporâneas de Escravidão e comissário da Liechtenstein Initiative - Comissão Global do Setor Financeiro contra a Escravidão Moderna e o Tráfico de Seres Humanos. É autor de "Pequenos Contos Para Começar o Dia" (2012), "O que Aprendi Sendo Xingado na Internet" (2016), entre outros.