Blog do Sakamoto

A gente é pobre porque gasta muito ou porque ganha pouco?

Leonardo Sakamoto

Num boteco de São Paulo, a TV ligada trazia um consultor de economia dando dicas para resolver o atoleiro das dívidas. Em torno do aparelho, formou-se uma rodinha. Enquanto isso, um senhor curtido pela idade, trajando boné de um antigo candidato que, hoje, faz campanha em outro plano espiritual, assumiu o papel de comentarista, mumunhando entre os dentes…

''Verifique a possibilidade de novas linhas de crédito.''

Se o gerente aceitar me dar mais um empréstimo, é um idiota.

''Depois verifique a possibilidade de vender bens.''

Geladeira é velha, o fogão é velho, o sofá é velho. Se vender a TV, não posso assistir o que você tá falando.

''Não conseguindo, cheque com os parentes.''

O meu cunhado nem visita mais a gente por conta do dinheiro que peguei dele e não paguei. Com que cara vou pedir outro? Se ele aceitar, é um idiota como o gerente.

''Empréstimo tendo o 13o como garantia é uma saída.''

Primeiro, um emprego que tenha 13o seria bom.

Um outro homem, de bigode desbotado, se vira para ele e reclama do mau humor do colega, que prontamente retruca.

Eu sei que o homem tá com boa vontade, mas essas dicas não servem pra nós, não. Aqui o problema não é que a gente gasta demais. É que ganha de menos. Aí, não tem jeito. 

E depois de um longo gole de média e de afastar o gato malhado que procurava algo que despencasse do balcão, desabafa:

Quero é alguém que explique se dívida passa de pai pra filho quando o pai morre. Se não passar, já tá bom demais.

Não é que o jornalismo da TV era desconectado da realidade. A realidade é que é maior, muito maior, que o jornalismo.