PUBLICIDADE
Topo

Você se cansou dos políticos tradicionais? Muita gente nos EUA também

Leonardo Sakamoto

18/02/2016 08h45

Não se sabe ainda quem democratas e republicanos escolherão para disputar um dos cargos mais importante do planeta, a Presidência dos Estados Unidos. Mas o desgaste dos políticos tradicionais abriu espaço para o novo surgir na figura do socialista Bernie Sanders e do bilionário Donald Trump.

A repórter Mayra Cotta percorreu o Estado de New Hampshire, nos Estados Unidos, para acompanhar a votação de mais uma etapa das primárias para a eleição presidencial e produziu uma reportagem em vídeo para os leitores deste blog.

Quem seria nosso Bernie? E nosso Trump?

tax

A forma habitual de fazer política está sob forte contestação nos Estados Unidos – pelo menos no contexto das eleições. Em novembro, os americanos irão eleger quem vai suceder Barack Obama e a disputa dentro de cada partido para escolher seu candidato está super acirrada.

Na terra que se orgulha de ser a mais vibrante democracia do mundo, as principais vozes da mídia e do mercado previam eleições mornas com dois representantes das famílias que já governaram os Estados Unidos por quase 20 anos: Jeb Bush e Hillary Clinton seriam tranquilamente os escolhidos de cada lado.

Mas não é bem isso o que esta acontecendo…

Considerado um outsider do partido, Bernie Sanders é um socialista democrático que se recusa a receber dinheiro de lobistas e promete enfrentar os privilégios econômicos no coração do capitalismo. Já o bilionário Donald Trump tem ganhado a confiança do eleitorado por meio de discursos polêmicos e a promessa de não ser um político profissional: ele é um empresário de sucesso, que financia a própria campanha.

Apesar de ainda ser muito cedo para conhecer quem vai levar do lado democrata e republicano, já é possível saber quem, por enquanto, está perdendo dos dois lados: o sistema político tradicional.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Sobre o Autor

É jornalista e doutor em Ciência Política pela Universidade de São Paulo. Cobriu conflitos armados em diversos países e violações aos direitos humanos em todos os estados brasileiros. Professor de Jornalismo na PUC-SP, foi pesquisador visitante do Departamento de Política da New School, em Nova York (2015-2016), e professor de Jornalismo na ECA-USP (2000-2002). É diretor da ONG Repórter Brasil, conselheiro do Fundo das Nações Unidas para Formas Contemporâneas de Escravidão e comissário da Liechtenstein Initiative - Comissão Global do Setor Financeiro contra a Escravidão Moderna e o Tráfico de Seres Humanos. É autor de "Pequenos Contos Para Começar o Dia" (2012), "O que Aprendi Sendo Xingado na Internet" (2016), entre outros.