PUBLICIDADE
Topo

Leonardo Sakamoto

Na vida, há sempre dois Triplex ou "Vale tudo na guerra da informação?"

Leonardo Sakamoto

22/08/2016 11h43

Da mesma forma que um meteoro se aproxima da Terra toda vez que algum dos comediantes do Escola Sem Partido chama Paulo Freire de burro e picareta, dá para sentir o gosto amargo do Armagedom chegando quando pessoas divulgam qualquer informação para vencer um debate.

Como muita gente pouco se importa para a qualidade da informação que consome, a noção de "verdade" se torna tudo aquilo com a qual concordam e, de mentira, tudo aquilo com a qual discordam.

A bola da vez é parte das pessoas que são críticas às investigações contra o ex-presidente Lula estarem postando loucamente memes e textos dizendo que o inquérito da Polícia Federal não apontou a família Silva como proprietária do Triplex no Guarujá.

Explico: há dois Triplex na história – o que indiciou a proprietária, uma publicitária, e funcionários da Mossack Fonseca, empresa panamenha que gerencia offshores, e o apartamento que ficou famoso, cujo inquérito ainda está em aberto, no qual se investiga Lula.

Há muito erro de boa fé, claro. Como é claro também que muita gente sabe que são dois imóveis. E pode argumentar que não está mentindo, porque diz que aquele apê não é de Lula. Mas se aproveita para vender a história de que a família Silva teria sido inocentada sobre o outro apartamento também. Porque, depois de todo fuzuê armado, explicar à população que focinho de porco não é tomada, ou seja, que são dois Triplex, pode levar a história a não ter a mesma credibilidade.

Não estou entrando no mérito do Triplex.

(Particularmente, acho frágil que tendo a Lava Jato descoberto um escândalo de corrupção de proporções gigantescas com PT, PMDB, PSDB, DEM, PP, enfim, policiais, procuradores e juízes só consigam envolver o ex-presidente com reformas em um apartamento no Guarujá e um sítio em Atibaia.)

O que estou discutindo aqui é o processo de checagem e divulgação de informações.

Tratei na semana passada do caso do técnico do atleta de salto com vara francês que foi acusado de ter afirmado que o candomblé estava por trás da vitória do brasileiro Thiago Braz, ouro olímpico na modalidade. Ele nunca disse isso – boato que nasceu de uma "licença literária" de um repórter em um jornal francês, traduzida de forma equivocada por uma agência de notícias, não checada pela imprensa brasileira e difundida loucamente pelas redes sociais. Pequeno adendo: pobre candomblé que não tinha nada a ver com a história e segue sendo vítima de brutal preconceito.

E também discorri sobre outro caso, de uma agência de conteúdo brasileira que publicou um texto dizendo que integrantes do MST, em Goiás, haviam sido presos com base na lei antiterrorismo – o que era um equívoco. A história, com a pauta na ordem do dia e plausível, bastou para que fosse replicada aos borbotões por jornalistas e leitores.

Os dois casos acima não são idênticos à questão do Triplex. Afinal, muita gente caiu que nem pato pelo fato dos casos envolverem agências de notícias conhecidas e com credibilidade. Mas o processo de difusão de uma informação equivocada e de construção de uma "verdade" é o mesmo.

Podemos recontar casos semelhantes envolvendo a imprensa até o século 16 na Europa se desejarem. A verdade é que histórias assim sempre existiram. Por erro, que por ser intrínseco à falha natureza humana, vai estar presente até o fim dos tempos, mas também por excesso de trabalho, descuido, ignorância, incompetência e má fé.

Antigamente o jornalismo e a comunicação pública eram melhores? Cascata. Agora, contamos com o monitoramento do público e a possibilidade de nossos erros serem apontados em tempo real e ganharem mais visibilidade que nossas próprias matérias – coisa que, antes, era impossível. Tudo bem que a quantidade de pessoas nas redações agora é menor e o fordismo e o toyotismo das linhas de montagem de notícias está mais intenso, o que piora a qualidade da apuração. Mas a falta de feedback e a quantidade muito menor de leitores também mitificava profissionais que hoje não passariam pelo crivo maldoso de uma tuitada certeira.

Ao mesmo tempo, há duas décadas, um erro seria solucionado na edição seguinte de um periódico sem causar tanta repercussão quanto agora – um mundo conectado em tempo real, no qual primeiro se comenta um título que correu na timeline da rede social para, talvez, ler o conteúdo da matéria em questão. Isso, é claro, considerando que desmentidos, correções ou explicações, por não terem a mesma graça ou demonstrarem nossa inocência ou incompetência, não chegam a ter o mesmo alcance do erro ou boato original.

Isso também mostra o quanto o jornalismo profissional, com cada vez menos dinheiro e gente para produzir conteúdo próprio e checar o de terceiros, vai se tornando não um curador de informações (sejam elas de agências, sejam dos próprios leitores), como imaginávamos, mas um reprodutor automático de notícias. Com todos os impactos negativos que isso causa.

Boa parte da imprensa, tradicional e alternativa, poderia se dedicar mais a matérias que explicam confusões que ganham corpo na internet. Com louváveis exceções, hoje é como se os significados que são construídos na rede mundial de computadores fora das páginas de alguns veículos e de seus "iguais" não lhes dissesse respeito. Isso quando a própria imprensa não está, voluntária ou involuntariamente, envolvida nas maiores confusões – como diria um comercial da Sessão da Tarde.

O triste é que nossa presunção, arrogância ou medo vão fazer com que o jornalismo profissional sofra mais do que o necessário nesse momento de transição em que a profissão procura um lugar ao sol neste mundo novo digital – que chega chegando, chutando, sem cerimônias, os traseiros analógicos.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Sobre o Autor

É jornalista e doutor em Ciência Política pela Universidade de São Paulo. Cobriu conflitos armados em diversos países e violações aos direitos humanos em todos os estados brasileiros. Professor de Jornalismo na PUC-SP, foi pesquisador visitante do Departamento de Política da New School, em Nova York (2015-2016), e professor de Jornalismo na ECA-USP (2000-2002). É diretor da ONG Repórter Brasil, conselheiro do Fundo das Nações Unidas para Formas Contemporâneas de Escravidão e comissário da Liechtenstein Initiative - Comissão Global do Setor Financeiro contra a Escravidão Moderna e o Tráfico de Seres Humanos. É autor de "Pequenos Contos Para Começar o Dia" (2012), "O que Aprendi Sendo Xingado na Internet" (2016), entre outros.