Blog do Sakamoto

Dez sambas para você encarar o ódio e a intolerância na internet

Leonardo Sakamoto

Como Carnaval só acaba quando enforcarem o último Pierrô nas tripas de confete da última Colombina, resolvi resgatar e ampliar sugestões carnavalescas para os leitores suportarem com bom humor a escassez de amor e a falta de interpretação de texto.

Ao receber um insulto na rua, ler um impropério na rede, encarar um comportamento pouco fraterno ou se deparar com a ausência plena de solidariedade, a tendência é perder um pouco mais a fé no ser humano. Para evitar torcer sempre pelo meteoro redentor, preencho, não raro, o vazio decorrente de uma sessão de intolerância explícita lembrando alguns versos de samba.

Neste post, trago dez em resposta a comentários bizarros, que já deveriam estar expostos apenas em museus da intolerância ao invés de correrem soltos por aí, com o risco de passarem sapinho adiante.

1) ''Você vai morrer, seu vagabundo defensor de escória!''

Recomendo ''Fita Amarela'', de Noel Rosa: ''Quando morrer, não quero choro nem vela. Quero uma fita amarela, gravada com o nome dela. Não quero flores, nem coroa com espinho, só quero choro de flauta, violão e cavaquinho''.

2) “Por que o país não acaba com essa merda de direitos humanos?''

Recomendo ''O Mundo é um Moinho'', de Cartola: ''Preste atenção, querida. De cada amor, tu herdarás só o cinismo. Quando notares, estás à beira do abismo. Abismo que cavaste com os teus pés''.

3) ''Para que libertar trabalhadores escravizados se eles vão gastar o dinheiro que ganham com cachaça, muitos deles até cometer crimes?''

Recomendo ''Agoniza, mas não Morre'', de Nelson Sargento: ''Inocente, pé-no-chão, a fidalguia do salão te abraçou, te envolveu. Mudaram toda a sua estrutura, te impuseram outra cultura e você nem percebeu…''

4) “Tá com dó de criança de rua/pessoa em situação de rua/usuário de drogas? Leva para casa!''

Recomendo ''Partido Clementina de Jesus'', de Candeia: ''É o progresso, tia Clementina, trouxe tanta confusão. Um litro de gasolina, por cem gramas de feijão. O homem é civilizado. A sociedade é que faz sua imagem. Mas tem muito diplomado que é pior do que selvagem''.

5) ''Você fica criticando os casos em que os homens batem nas mulheres. Mas, pelas Leis de Deus, há direitos dentro da relação e ninguém pode se intrometer nisso. Você não sabe o que levou o homem a determinado ato, então não se intrometa.''

Recomendo ''Mundo Melhor'', de Pixinguinha: ''Você que pensa que é bem não pensar em ninguém e que o amor tem hora. Conto com você, um mais um é sempre dois. Você deve ter muito amor pra oferecer, então pra que não dar o que é melhor em você?''

6) ''Essas denúncias de corrupção são falsas! Ele é um homem de deus! Pare de espalhar esses boatos ou faremos você parar'' 

Recomendo ''Pastor Trambiqueiro'', de Bezerra da Silva: ''Cuidado com ele, de terno e gravata bancando o decente. É o diabo vivo em figura de gente, é o pastor trambiqueiro enganando inocentes''.

7) “Alianças na política são necessárias, seu idiota. Esse mimimi de ética não leva a nada''

Recomendo ''Vou Festejar'', de Jorge Aragão: ''Você pagou com traição. A quem sempre lhe deu a mão''.

8) ''Você e os seus são um mal que serão extirpados por Deus da face da Terra.''

Recomendo ''Vá Morar com o Diabo'', de Riachão: ''Ela quer me ver bem mal, vá morar com o diabo que é imortal. Ela quer me ver bem mal, vá morar com o sete pele, que é imortal. Ai, meu Deus, ai, meu Deus o que é que há? Ai, meu Deus, ai, meu Deus o que é que há''.

9) 
''Os negros continuam nessa situação, hoje, porque não quiseram trabalhar pesado ao serem libertados.''

Recomendo ''Sorriso Negro'', de Jorge Portela e Adilson Bispo: ''Negro é a raiz da liberdade''.

10) ''Esses sem-teto/sem-terra são um bando de vagabundos. Apanhar é pouco, deveriam matar mais alguns para que parem de atacar a propriedade alheia.''

Recomendo ''Apesar de você'', de Chico Buarque: ''Apesar de você, amanhã há de ser, outro dia…''