PUBLICIDADE
Topo

Leonardo Sakamoto

Governo Temer é transparente. Nele, a República é "vendida" a céu aberto

Leonardo Sakamoto

15/07/2017 12h46

De uma coisa Michel Temer não poderá nunca ser acusado: de não ser transparente. Pelo contrário, em seu governo, muita coisa acontece a céu aberto.

Deputados federais são "convencidos" financeiramente para impedirem a abertura de ação penal contra Temer na Suprema Corte. O Senado assume ser apenas um "puxadinho" da Presidência da República, aprovando sem modificações o projeto da Reforma Trabalhista, terceirizando para Temer os ajustes que gostariam de fazer e alegrando os grandes empresários. O Congresso Nacional prepara um perdão de até 99% dos juros e dívidas de sonegadores, afirmando que o governo havia fechado isso como contrapartida à aprovação das reformas.

Isso sem contar que, segundo a Folha de S.Paulo, o Palácio do Planalto liberou R$ 1 bilhão para projetos de emendas de parlamentares aliados nos últimos dois meses. Nesse período, o governo tentava convencer deputados e senadores a permanecerem a seu lado em meio ao escândalo iniciado com as gravações revelando a promiscuidade entre Temer e o dono do JBS e durante o trâmite das Reformas Trabalhista e da Previdência.

A solicitação e liberação de emendas para atender demandas justas da população faz parte da democracia. O problema é quando o processo de sua liberação inclui tomaladacás – o que é o caso.

A tática não é nova, pelo contrário, foi sistematicamente utilizada por todos os governos até aqui. O interessante desta vez é que ela tem o objetivo claro de compensar o prejuízo eleitoral que deputados e senadores terão por estar ao lado de Michel Temer.

Ou seja, torcer para que o povo fique tão feliz com um esperado asfaltamento de rodovia vicinal que esqueça que perdeu direitos trabalhistas e que poderá ter que trabalhar mais para se aposentar. E, como não esquecer, que seu deputado ou senador apoiou um governo que chegou a 7% de popularidade por transformar o Estado brasileiro em sucursal da Casa da Mãe Joana a fim de salvar a si mesmo da guilhotina da Lava Jato.

O mais absurdo é que o próprio Temer aprovou no Congresso Nacional a PEC do Teto dos Gastos para congelar, pelos próximos 20 anos, investimentos públicos em áreas como educação e saúde. A justificativa para reduzir a qualidade dos serviços públicos à disposição da população mais pobre foi de garantir que o Estado brasileiro continuasse funcionando. E ele continua funcionando perfeitamente. Do jeito que foi programado para ser, como uma grande feirão – compra, venda, troca, financiamento.

E como bons republicanos que são, Temer e aliados garantem que tudo seja feito aos olhos do povo. Feito uma sala de suplícios com paredes de vidro em que os torturados somos nós.

Sobre o Autor

É jornalista e doutor em Ciência Política pela Universidade de São Paulo. Cobriu conflitos armados em diversos países e violações aos direitos humanos em todos os estados brasileiros. Professor de Jornalismo na PUC-SP, foi pesquisador visitante do Departamento de Política da New School, em Nova York (2015-2016), e professor de Jornalismo na ECA-USP (2000-2002). É diretor da ONG Repórter Brasil, conselheiro do Fundo das Nações Unidas para Formas Contemporâneas de Escravidão e comissário da Liechtenstein Initiative - Comissão Global do Setor Financeiro contra a Escravidão Moderna e o Tráfico de Seres Humanos. É autor de "Pequenos Contos Para Começar o Dia" (2012), "O que Aprendi Sendo Xingado na Internet" (2016), entre outros.