Blog do Sakamoto

FHC chama de “desastrada” ação de Temer que dificulta libertação de escravo

Leonardo Sakamoto

Foto: Alan Marques/Folhapress

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso criticou, nesta quarta (18), a mudança nas regras do combate ao trabalho escravo promovida pelo governo Michel Temer. E pediu para que ele reveja a portaria que alterou a fiscalização contra esse crime.

''Considero um retrocesso inaceitável a portaria do Ministério do Trabalho que limita a caracterização do trabalho escravo à existência de cárcere privado. Com isso, se desfiguram os avanços democráticos que haviam sido conseguidos desde 1995, quando uma comissão do próprio Ministério, ouvindo as vozes e ações da sociedade, se pôs a fiscalizar ativamente as situações de superexploração da força de trabalho equivalentes à escravidão'', afirmou através de sua conta no Facebook.

''Em um país como o nosso, no qual a escravidão marcou tanto a cultura, é inaceitável dificultar a fiscalização de tais práticas. Espero que o Presidente da República reveja esta decisão desastrada'', concluiu.

O governo Fernando Henrique criou, em 1995, os grupos móveis de fiscalização do Ministério do Trabalho, que são a base do sistema de combate à escravidão contemporânea no Brasil. Coordenados por auditores fiscais, eles verificam denúncias e resgatam trabalhadores, obrigado ao pagamento de salários e direitos trabalhistas atrasados. No mesmo ano, seu governo reconheceu, diante das Nações Unidas, a persistência de formas contemporâneas de escravidão no país – o que contribuiu para que o tema fosse debatido internacionalmente.

A fiscalização é o principal alvo da portaria publicada, nesta segunda (16), no Diário Oficial da União, que reduz as condições que caracterizam escravidão, dificultando a libertação de pessoas. A pauta é antiga demandas da bancada ruralista no Congresso Nacional, base de apoio do governo Temer e peça fundamental na rejeição à segunda denúncia movida pela Procuradoria-Geral da República contra ele.

A declaração de Fernando Henrique acontece no dia seguinte ao prefeito João Doria defender as posições da bancada ruralista sobre a portaria do Ministério do Trabalho. Recebido como pré-candidato à Presidência da República em um almoço da Frente Parlamentar da Agricultura, ele afirmou que apoia o deputado Nilson Leitão (PSDB-MT), que comanda a frente e defende a portaria.

''Eu endosso plenamente as posições apresentadas pelo deputado, que é do nosso partido. Então, a posição dele é a posição que eu endosso'', disse Doria.

Ao mesmo tempo, o presidente da Comissão de Direitos Humanos da Assembleia Legislativa de São Paulo, Carlos Bezerra Jr, do mesmo partido de FHC e Doria, emitiu uma dura nota pública contra a mudança. ''O conceito de trabalho escravo foi vendido pelo presidente da República à bancada ruralista a troco de seu projeto de poder e de seu afã por sobreviver politicamente. Assim como ele já fez com a demarcação de terras indígenas, com a frouxidão das regras para regularização fundiária de terras da Amazônia, e com as benesses concedidas à bancada ruralista a partir da redução da alíquota de contribuição da previdência rural e do parcelamento em até 176 vezes àqueles que possuem débitos com Funrural.''

Hoje, quatro elementos podem definir escravidão contemporânea: trabalho forçado, servidão por dívida, condições degradantes (trabalho que nega a dignidade humana, colocando em risco a saúde e a vida do trabalhador) ou jornada exaustiva (levar ao trabalhador ao completo esgotamento dado à intensidade da exploração, também colocando em risco sua saúde e vida).

A nova portaria estabelece a existência de cerceamento de liberdade como condicionante para a caracterização de ''condições degradantes'' e de ''jornada exaustiva'', ao contrário do que está no artigo 149 do Código Penal. Segundo a lei, qualquer um dos quatro elementos é suficiente para caracterizar esse tipo de exploração.

Dessa forma, as condições de trabalho a que estão submetidas as vítimas, por piores que sejam, passam a ser acessórias para os flagrantes de trabalho análogo ao de escravo pelos auditores fiscais e a concessão de seguro-desemprego aos resgatados. O texto da portaria obriga a todas as fiscalizações a obedecerem a nova interpretação do conceito.

Polêmica –A bancada ruralista e alguns membros de outros setores econômicos com incidência de trabalho escravo, como o da construção civil e vestuário têxtil, têm defendido que é difícil caracterizar ''condições degradantes'' e ''jornada exaustiva'', o que geraria ''insegurança jurídica''. Técnicos do Ministério do Trabalho e procuradores do Ministério Público do Trabalho afirmam que há instruções e enunciados detalhados e conhecidos a respeito disso, além de jurisprudência e decisões do próprio Supremo Tribunal Federal.

A nova portaria reforça a questão do não consentimento do trabalhador para a caracterização de trabalho forçado. Hoje, em consonância com as Nações Unidas, as operações de resgates de pessoas têm considerado o consentimento irrelevante para a caracterização. Dessa forma, mesmo que uma pessoa aceite uma proposta de trabalhar só por comida, o Estado tem a obrigação de considerar tal ato como escravidão contemporânea.

Ela também condiciona a inclusão de nomes à ''lista suja'' do trabalho escravo, cadastro de empregadores flagrados por esse crime que garante transparência ao combate à escravidão, a uma determinação do próprio ministro. Ou seja, a divulgação pode deixar de ter uma caráter técnico e passar a contar com uma decisão política.

As novas regras afirmam que, para serem válidos para levarem um empregador à lista, os autos de infração relacionados a um flagrante de trabalho escravo dependem da presença de um boletim de ocorrência lavrado por uma autoridade policial que tenha participado da fiscalização. Dessa forma, a palavra final sobre a existência de trabalho escravo pode sair das mãos de auditores fiscais, especialistas no tema, e passar para a dos policiais.

A portaria foi publicada menos de uma semana após a exoneração do coordenador nacional de fiscalização do trabalho escravo do próprio ministério, André Roston. Sua dispensa causou polêmica porque a mudança teria partido da base de apoio do governo no Congresso Nacional em meio às negociações para que não seja admitida a segunda denúncia da Procuradoria-Geral da República contra Michel Temer. Em depoimento ao Senado Federal, Roston havia informado que as operações de fiscalização de trabalho escravo estavam sem recursos financeiros.