Blog do Sakamoto

Violência política pode parir milícias de ódio para calar e punir em 2019

Leonardo Sakamoto

A servidora pública Paula Guerra foi espancada num bar, em Recife, após criticar ideias do candidato Jair Bolsonaro

Caso um freio não seja posto imediatamente na escalada de violência perpetrada por seguidores de Jair Bolsonaro, veremos esse ódio parir milícias que atuarão para que grupos vulneráveis, adversários ideológicos e opositores políticos sejam calados e punidos em um possível futuro governo do deputado.

Quem lê este blog sabe que tenho escrito há meses que isso aconteceria dado o monitoramento de grupos que propagam ódio nas redes sociais. A situação, contudo, é bem pior do que a caça às bruxas realizada durante o processo de impeachment, em que pessoas apanharam por usarem a ''cor errada''.

Não há, sob nenhum aspecto racional, possibilidade de comparar os casos de violência envolvendo seguidores de Jair Bolsonaro, que partiram para a porrada nas ruas empoderados com a perspectiva de sua vitória, com as denúncias de violência por parte de seguidores do PT. Não que apoiadores do partido de Fernando Haddad não tenham ameaçado e agredido, mas a escala é absurdamente desproporcional. As ações de bolsonaristas que circulam pelas redes têm inspirado outros a fazerem o mesmo. A sensação é de ''liberou geral'' à medida que o dia 28 de outubro se aproxima.

Não adianta Bolsonaro dizer que será um ''escravo'' da Constituição Federal, como declarou. Enquanto seus seguidores estiverem atacando outras pessoas nas ruas inspirados pelo conjunto de seus discursos violentos ao longo dos anos, não é possível acreditar que defenderá a democracia – se eleito. Precisa abandonar o discurso violento, condenar veementemente os ataques e comprometer-se que coisas assim serão especialmente punidas sob seu mandato.

Quando o presidente Rodrigo Duterte ganhou as eleições nas Filipinas, grupos de seus apoiadores sentiram-se livres para atacar quem consideravam o lixo da sociedade. Se nada for feito agora no Brasil, o anúncio do resultado do segundo turno pode ser sucedido de uma onda maior de ataques do que a que vivemos agora. E após a posse presidencial no início de janeiro, milícias passariam a operar nas sombras.

O que isso significa? Jovens rapazes de uma escola se juntando para dar ''corretivos'' nas colegas feministas e mostrar quem manda junto às outras mulheres do bairro. Fazendeiros se juntando para atacar movimentos de sem-terra, indígenas, quilombolas, ignorando decisões judiciais. Empresários recriando grupos de extermínio para remover a população em situação de rua e os sem-teto de seu entorno. Grupos homofóbicos se juntando para atacar baladas do público LGBTT e grupos racistas partindo para o ataque a rapazes negros que voltam à noite para casa após o trabalho. Grupos indo atrás de jornalistas e de opositores políticos, que insistem em dizer o contrário do que o grupo de WhatsApp ensinou.

Nenhum desses brotará de um chamamento do presidente eleito. Mas munidos com armas legalizadas e com o ódio que fermentaram ao longo do tempo e com a sensação de estarem fazendo um serviço público, agirão para ''limpar o país da escória''.

Um líder político como ele, exemplo a tantas pessoas, não pode afirmar que não tem responsabilidade com a violência que agora brota. Não são suas mãos que agridem, mas é a sobreposição de seus argumentos e a escolha que faz das palavras ao longo do tempo que distorcem a visão de mundo de seus seguidores e tornam o ato da violência banal. Suas ações e regras redefinem, lentamente, o que é ética e esteticamente aceitável, visão que depois é consumida e praticada por terceiros. Estes acreditarão estarem fazendo o certo, quase em uma missão civilizatória ou divina, e irão para a guerra.

Como já disse aqui várias vezes, Bolsonaro, mais do que ninguém, sentiu na pele o significado da loucura política e do ódio através do atentado abominável que sofreu. Isso mostra, no mínimo, que ele não tem a mesma empatia pelas vítimas que os seus adversários tiveram com ele.

Se as instituições fossem sólidas, como muitos gostam de alardear, o poder público já teria colocado a situação como prioridade e tanto o Tribunal Superior Eleitoral quanto o Supremo Tribunal Federal não estariam amedrontados e negando a realidade, mas articulando uma resposta à altura. Pois quando cidadãos apanham e morrem nas ruas em meio a um processo eleitoral pelas mãos de fãs de um candidato, as eleições já não ''transcorrem tranquilas''. E o que pode sair disso tudo talvez não tenha cara de democracia.

Não adianta Bolsonaro avisar que agressores não devem votar nele, como fez. É preciso deixar claro que seu governo não dará salvo-conduto a esse pensamento e punirá com rigor violência política e crimes de ódio. O necessário combate à corrupção não pode servir de desculpas para levar alguém ao cargo político máximo que feche os olhos – e, logo, seja conivente – com atitudes de violência política explícita.