Topo
Blog do Sakamoto

Blog do Sakamoto

Categorias

Histórico

Bolsonaro passa vergonha, queima pontes e isola ainda mais o Brasil

Leonardo Sakamoto

24/09/2019 12h27

Jair Bolsonaro nem tentou parecer palatável à comunidade internacional de países na abertura da Assembleia Geral das Nações Unidas, em Nova York, na manhã desta terça (24). Com clara dificuldade de ler o discurso no teleprompter, o presidente fez uma intervenção profundamente ideológica, como se ainda fosse vigente a Guerra Fria, batendo no socialismo, criticando desafetos globais, atacando a mídia e negando responsabilidade no aumento do desmatamento da Amazônia. Recebeu aplausos protocolares da maioria dos presentes e efusivas comemorações do bolsonarismo-raiz no Brasil – para quem, aliás, as palavras parecem ter sido dirigidas.

Por outro lado, o discurso inaugura um "Novo Brasil" para a comunidade internacional. Esta terça foi um marco para o fim de uma antiga imagem externa brasileira, com características que passavam pelo equilíbrio e pelo diálogo. A questão é que essa "novidade" remete ao século 19, com o isolacionismo pré-abolição, o nacionalismo tacanho que se orgulhava do atraso, a hostilidade exacerbada aos vizinhos, a subserviência colonial. Em 74 anos de ONU, o Brasil, pela primeira vez, adotou inédito discurso de embate com a organização.

A participação de Bolsonaro foi alinhada à de Donald Trump, que veio logo a seguir. O que não é coincidência. Uma fonte informou ao blog que o discurso de Bolsonaro tomou sua forma final após o encontro, nesta segunda (23), do deputado federal Eduardo Bolsonaro e do assessor para assuntos internacional da Presidência da República, Filipe Martins, com Steve Bannon, que foi estrategista da campanha de Donald Trump e é uma das lideranças do movimento ultraconservador internacional.

Querendo agir como os Estados Unidos, mas sem ter condições geopolíticas para tanto, o presidente brasileiro reforçou a posição defensiva do país em todos os tabuleiros internacionais ao evitar uma fala conciliatória. Ou seja, apesar de ter começado afirmando que essa era "a oportunidade de reestabelecer a verdade", seu discurso foi visto por membro de missões estrangeiras com a qual o blog conversou como uma "oportunidade perdida".

Por ser país em desenvolvimento e por ter limitado poder militar, econômico e político, o Brasil sempre defendeu a importancia das Nações Unidas por ser uma forma de conter o poderio de países hegemônicos. A contrapartida seria o de respeitar diretrizes em direitos humanos, meio ambiente e, claro, ter postura construtiva. O que não foi o caso.

Tropeço em contradições

Bolsonaro criticou os regimes autoritários de Cuba e da Venezuela, mas elogiou o regime autoritário da Arábia Saudita. Denunciou "trabalho escravo" de médicos cubanos (o que já foi negado pelo Ministério Público do Trabalho, que investigou o assunto), apesar de criticar o sistema que atua na fiscalização de escravidão contemporânea no Brasil. Lamentou a perseguição religiosa, principalmente de cristãos, em todo o mundo, ignorando que adeptos de religiões de matriz africana têm sido sistematicamente atacados no país por membros de algumas denominações cristãs. Houve, aliás, novidade na defesa internacional de uma identidade "cristã", em detrimento ao que o país defendia, desde o fim da escravidão.

Ele exaltou seu discurso no Fórum Econômico Mundial, em Davos, na Suíça (que durou poucos minutos e foi criticado por investidores); falou da viagem que fez ao Chile (mas não disse que ela provocou intensos protestos da sociedade de lá por suas posições pró-ditadura e contra os direitos humanos); citou sua ida a Israel (quando chocou a sociedade local por afirmar, no Memorial do Holocausto, que o nazismo era de esquerda); ressaltou que foi à Argentina (ignorando que seu apoio a Maurício Macri, por lá, é radioativo).

Também foi um discurso de um governo que provou não entender a dinâmica das Nações Unidas. A submissão a Donald Trump e sua retórica será mal vista por China, importante parceiro comercial, e Rússia. Sua crítica à França será encarada, diplomaticamente, como extensiva à toda União Europeia. A exaltação a Israel não será compensada por sua declaração de que pretende visitar alguns países árabes.

Bolsonaro na ONU: Veja a íntegra do polêmico discurso

UOL Notícias

Sobre a Amazônia o discurso não é menos que desastroso. Afirmou que o seu "governo tem compromisso solene com o meio ambiente", mas não falou da responsabilidade de pecuaristas, madeireiros, grileiros e garimpeiros nas queimadas. Aliás, não disse como pretende conter a devastação da floresta, pelo contrário, negou que isso esteja acontecendo. Preferiu citar populações indígenas e pequenos produtores rurais como responsáveis por iniciar incêndios. Creditou a "ataques sensacionalistas da mídia" a repercussão negativa global e afirmou que o debate sobre a Amazônia despertou "nosso sentimento patriótico".

Chegou ao limite de dizer que "acabou o monopólio do senhor Raoni", acusando o líder caiapó, que é referência global em direitos de povos tradicionais e na defesa do meio ambiente, de ser manipulado por interesses estrangeiros. Leu uma carta de um grupo de indígenas agricultores, que respaldaram Ysani Kalapalo, a índígena que ele levou à Assembleia Geral e que apoia seu governo, para tentar provar que tem o respaldo das populações tradicionais – o que não é verdade. Não fugiu, contudo, ao preconceito ao dizer que "nossos nativos são seres humanos, exatamente como qualquer um de nós".

Consequência desse "Novo Brasil" 

Dessa forma, a participação de Bolsonaro não deve reverter a avaliação negativa de seu governo junto à maior parte da comunidade internacional causada pela forma com a qual vem lidando com a crise na Amazônia e por suas declarações críticas aos direitos humanos. Quem já estava com Bolsonaro, continuará com ele. E só. Um resumo da sua curta presença em Nova York poderia ser: do lado de fora, manifestações contra ele e a favor da Amazônia (o que dá no mesmo), e sentimento de desprezo de muita gente do lado de dentro do prédio da ONU.

Tínhamos uma política externa brasileira respeitada internacionalmente. Havia uma linha equilibrada, de mais de 100 anos, que não foi rompida nem pela ditadura. Vai demorar para a comunidade internacional entender as implicações desse "Novo Brasil" apresentado por Bolsonaro. O estrago está feito para a imagem do país. Quanto aos brasileiros, já entendemos muito bem o significado disso. 

Para quem se frustrou com a falta de demonstrações de repúdio no plenário da Assembleia, um aviso. A "normalização" de Bolsonaro vem acompanhada da "normalização" do Brasil como país-pária em meio ambiente e em direitos humanos, como país que se opõe ao multilateralismo, como país de governante autoritário, incapaz de articular consensos internos ou internacionais.

Esse Brasil parece incontornável. A maioria dos demais países poderosos vê uma oportunidade de ganhos no espólio do que já foi um país soberano e mais influente. Ninguém vai deixar de fazer negócios com o Brasil, mas, definitivamente, deixamos de ser interlocutor confiável para discutir e definir decisões coletivas. Caímos no pacote do grupo bizarro de nações.

Os países em desenvolvimento devem estar vendo o fim de um líder, de fonte de ajuda nos desafios da pobreza e no desenvolvimento sustentável, de um parceiro para demandar um maior equilíbrio do poder global. Hoje, o Brasil age como colônia política dos Estados Unidos. Enquanto isso, os países latino-americanos, principalmente os vizinhos, devem buscar formas de se preservar da inegável queda de poder econômico e político brasileiro. E, quando possível, buscar a liderança da região, abandonada pelo Brasil.

Só nos resta agradecer ao presidente pela sinceridade no discurso. Agora, o mundo pode entender melhor o que passamos por aqui, sem acharem que estamos exagerando. 

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Sobre o Autor

É jornalista e doutor em Ciência Política pela Universidade de São Paulo. Cobriu conflitos armados em diversos países e violações aos direitos humanos em todos os estados brasileiros. Professor de Jornalismo na PUC-SP, foi pesquisador visitante do Departamento de Política da New School, em Nova York (2015-2016), e professor de Jornalismo na ECA-USP (2000-2002). É diretor da ONG Repórter Brasil, conselheiro do Fundo das Nações Unidas para Formas Contemporâneas de Escravidão e comissário da Liechtenstein Initiative - Comissão Global do Setor Financeiro contra a Escravidão Moderna e o Tráfico de Seres Humanos. É autor de "Pequenos Contos Para Começar o Dia" (2012), "O que Aprendi Sendo Xingado na Internet" (2016), entre outros.