Topo
Blog do Sakamoto

Blog do Sakamoto

Categorias

Histórico

Protestos no Chile têm origem na privatização de serviços, diz especialista

Leonardo Sakamoto

21/10/2019 04h48

Foto: Ivan Alvarado/Reuters

"Os manifestantes veem que seus pais e avós recebem aposentadorias de miséria, 80% delas abaixo do salário mínimo e 44% da linha de pobreza. Percebem que, dessa forma, não há capacidade de sobreviver dignamente." De acordo com  Andras Uthoff, professor da Faculdade de Economia e Negócios da Universidade do Chile e doutor em Economia pela Universidade de Berkeley, o descontentamento com o sistema de previdência é uma das razões que tem levado milhares às ruas no Chile.

O país sul-americano enfrenta uma onda de protestos – que começou com críticas ao aumento na tarifa do metrô, mas que logo passou a ser alimentada pelo descontentamento quanto à qualidade dos serviços públicos (tal qual as Jornadas de Junho de 2013, no Brasil). Alguns grupos entre os manifestantes optaram por incendiar e saquear estabelecimentos comerciais – sete vítimas fatais foram contabilizadas até agora. O presidente Sebastián Piñera, sob a justificativa de reduzir os casos de quebra-quebra, suspendeu o aumento e inundou as ruas com militares – fato que não ocorria desde o fim da ditadura militar.

"É uma manifestação contra o abuso que tem significado a privatização de serviços públicos com cobranças que a grande maioria não pode pagar, ficando excluída de bons serviços de saúde, educação, transporte, moradia, água, luz, energia", explica Andras, que foi membro de dois conselhos presidenciais para reformas no sistema previdenciário chileno e chefe da Divisão de Desenvolvimento Social da Cepal (Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe), em entrevista ao blog. "O caso emblemático foi o do ministro da Economia que, diante da alta do transporte, sugeriu aos trabalhadores que se levantassem uma hora antes para aproveitar tarifas mais baixas" [fora do horário de pico, a passagem é mais barata].

O exemplo chileno foi usado recorrentemente pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, como inspiração para nossa a Reforma da Previdência. Durante a ditadura do general Augusto Pinochet (1973-1990), foi adotado, por lá, o sistema de capitalização (em que cada trabalhador faz individualmente uma poupança), diferente de nosso sistema de repartição (no qual os que estão na ativa ajudam a pagar quem está aposentado). Andras afirma que "depois de 40 anos, percebemos que o sistema de capitalização individual empobreceu os idosos no Chile".

Polêmica, a proposta acabou retirada do processo pelo Congresso Nacional. Mas a ideia segue viva na pauta do governo Bolsonaro, sendo defendida sempre que possível.

O professor da Faculdade de Economia diz ainda que há uma relação entre as reclamações de manifestantes por serviços públicos de qualidade e os problemas no sistema de aposentadorias. Para financiar o custo da transição para o sistema de capitalização, uma das medidas foi cortar gastos em saúde, educação, moradia. "A qualidade dos serviços públicos se deteriorou e nunca recuperou níveis de dignidade, como prometido", afirma. Se alguém quer boa educação e saúde, tem que pagar por esses serviços. Vale ressaltar que a redução de gastos nessa área só foi possível porque o Chile vivia sob uma ditadura.

O que deve acontecer agora? "A situação no Chile é gravíssima. Há muita incerteza, pois não temos líderes. Está pendente a identificação de uma liderança firme, que nos permita canalizar esse descontentamento a fim de corrigir os abusos do modelo neoliberal que prevaleceu no Chile, sem sucesso para a grande maioria e benefício de apenas uns poucos." E resume: "A desigualdade é a ameaça".

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Sobre o Autor

É jornalista e doutor em Ciência Política pela Universidade de São Paulo. Cobriu conflitos armados em diversos países e violações aos direitos humanos em todos os estados brasileiros. Professor de Jornalismo na PUC-SP, foi pesquisador visitante do Departamento de Política da New School, em Nova York (2015-2016), e professor de Jornalismo na ECA-USP (2000-2002). É diretor da ONG Repórter Brasil, conselheiro do Fundo das Nações Unidas para Formas Contemporâneas de Escravidão e comissário da Liechtenstein Initiative - Comissão Global do Setor Financeiro contra a Escravidão Moderna e o Tráfico de Seres Humanos. É autor de "Pequenos Contos Para Começar o Dia" (2012), "O que Aprendi Sendo Xingado na Internet" (2016), entre outros.