Topo
Blog do Sakamoto

Blog do Sakamoto

Categorias

Histórico

Bolsonaro "brinca" com tortura no dia em que Eduardo é criticado por AI-5

Leonardo Sakamoto

01/11/2019 04h54

Foto: Reprodução/Facebook

O presidente Jair Bolsonaro disse que "quem quer atrapalhar o progresso, vai atrapalhar na Ponta da Praia". Ele se referia a funcionários públicos que estariam demorando para conceder licenças para a construção de um empreendimento. "Ponta da Praia" se refere à base da Marinha na Restinga de Marambaia, no Rio de Janeiro, que teria sido usada como centro de interrogatório, tortura e execução de dissidentes durante a ditadura militar. O comentário, feito de forma descontraída, está em live transmitida na noite desta quinta (31).

O uso da expressão ocorreu na mesma quinta (31) na qual seu filho, o deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-RJ), foi duramente criticado por afirmar, em uma entrevista à jornalista Leda Nagle, que "se a esquerda radicalizar", o governo terá que dar "uma resposta que pode ser via um novo AI-5". O ato institucional, de 1968, deu poderes ao Poder Executivo para fechar o Congresso, cassar direitos e censurar e adotar violência contra opositores.

Eduardo pediu desculpas "a qualquer tipo de pessoa que tenha se sentido ofendida ou imaginado o retorno do AI-5", após a repercussão negativa do caso. Antes, Jair criticou publicamente as declarações do filho. Mas, logo na sequência, deu essa declaração, normalizando a tortura.

O presidente é conhecido por ser um parlamentar que sempre defendeu o regime de exceção que vigorou entre 1964 e 1985. Desde que assumiu, já disse que "não houve ditadura", em entrevista a José Luiz Datena, no programa Brasil Urgente, na TV Bandeirantes. Também ordenou que o aniversário do golpe militar fosse celebrado nos quartéis. E homenageou, repetidas vezes, o falecido coronel Carlos Brilhante Ustra, ex-chefe do DOI-Codi, acusado de ser um dos mais violentos torturadores da época.

Na campanha eleitoral, ele já havia usado a referência, da "Ponta da Praia", adotada por grupos de militares, ao atacar o PT. "Pretalhada, vai tudo vocês para a Ponta da Praia. Vocês não terão mais vez em nossa pátria", afirmou em outubro do ano passado.

A declaração do presidente ocorreu no momento em ele reclamava de uma suposta demora para obtenção de licenças para a construção de uma loja do empresário Luciano Hang, seu apoiador. Disse que não tinha "ascendência" sobre o caso porque os diretores dos órgãos envolvidos têm mandato. Mas se tivesse, "cortaria a cabeça mesmo" dos funcionários públicos responsáveis pela demora. E completou afirmando que mandaria os que querem atrapalhar o progresso à Ponta da Praia.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Sobre o Autor

É jornalista e doutor em Ciência Política pela Universidade de São Paulo. Cobriu conflitos armados em diversos países e violações aos direitos humanos em todos os estados brasileiros. Professor de Jornalismo na PUC-SP, foi pesquisador visitante do Departamento de Política da New School, em Nova York (2015-2016), e professor de Jornalismo na ECA-USP (2000-2002). É diretor da ONG Repórter Brasil, conselheiro do Fundo das Nações Unidas para Formas Contemporâneas de Escravidão e comissário da Liechtenstein Initiative - Comissão Global do Setor Financeiro contra a Escravidão Moderna e o Tráfico de Seres Humanos. É autor de "Pequenos Contos Para Começar o Dia" (2012), "O que Aprendi Sendo Xingado na Internet" (2016), entre outros.