Topo

Histórico

Categorias

"Tinha era que matar mais": Temer escolhe assessores entre haters da rede?

Leonardo Sakamoto

07/01/2017 09h06

"Tinha era que matar mais. Tinha que fazer uma chacina por semana."

Na sua opinião, essa declaração sobre os presos mortos no Massacre de Manaus foi dada por:

a) Um hater da internet que, na opinião dos vizinhos, é um "homem de bem", "pai carinhoso", "trabalhador exemplar", "pagador de impostos", "pessoa tranquila", mas que, na frente do computador, torna-se capaz de matar com as próprias mãos com requintes de crueldade;

b) Um perfil falso de rede social criado para apoiar políticos ou movimentos que querem se vender como novos salvadores da pátria, mas defendem a tradição, a família e a propriedade, tentando mostrar que o problema do mundo é a defesa dos direitos humanos;

c) Um miliciano de um grupo que tomou uma área na periferia de uma grande cidade das mãos dos traficantes e obriga, com base em muita violência, o comércio e a população a pagarem por proteção (proteção contra ele próprio, no caso);

d) Um apresentador de TV ou um locutor de rádio que ganha dinheiro explorando a história de assassinatos e agressões, difundindo a narrativa de que a solução para a violência é mais violência e criando uma sociedade do medo sob a justificativa de "mostrar a realidade";

e) O secretário nacional de Juventude, responsável por elaborar, monitorar e implantar políticas de promoção da dignidade dos mais jovens, um cargo que, por natureza, deve trabalhar ideias novas e transpirar esperança.

A resposta é a alternativa "e".

A declaração foi dada por Bruno Júlio (PMDB), secretário nacional de Juventude. Aliás, ex-secretário, pois as declarações dadas ao blog Panorama Político, do jornal O Globo, nesta sexta (6), tornaram insustentável a sua permanência no cargo, que foi entregue a Michel Temer.

É inacreditável, mas não passa um dia sem que alguma autoridade dê uma opinião estapafúrdia sobre o caso. Como José Melo, governador do Amazonas justificando as mortes, dizendo que "não tinha nenhum santo". Ou Michel Temer, presidente da República afirmando que foi um "acidente pavoroso".

Isso não é engano. Na prática, todos sabem que, ao dizer essas aberrações, externam o que uma boa parcela da população realmente pensa sobre isso. Alguns, como Bruno, até parecem acreditar realmente nisso.

O ponto é que quem ocupa um cargo público deve defender a lei e não fazer proselitismo com quem não dá a mínima para ela. O Estado não deve agir com os mesmos métodos de bandidos, mas também seus representantes não podem adotar discursos que insultem a dignidade humana.

Abrir uma exceção a isso é decretar a falência do Estado de direito. E, repito, isso não é defesa de bandido, mas de nós mesmos. Porque, sem isso, será a regra do mais forte.

Parte da população, em momentos de comoção, feito uma horda desgovernada, pede sangue. Afinal de contas, "aquele bando de bandidos não são seres humanos porque desrespeitaram a lei". E mesmo "os que não mataram ou estupraram, matariam se pudessem", não é mesmo? "Devem apodrecer por lá".

Tenho medo desse ponto de vista. Ele está presente em turbas ensandecidas que ignoram a lei e fazem Justiça por conta própria, não raro matando inocentes. Mas também em uma população com tanto medo de si mesma que acaba por ignorar as leis e se guiar por discursos que prometem o impossível: garantir a paz promovendo a guerra. Pois, no final das contas, essa guerra com ares de inquisição se estenderá a todos, sem exceção. Daí, ou você está do lado deles ou contra eles.

O que me lembra sempre de Oscar Wilde: "Há três tipos de déspotas. Aquele que tiraniza o corpo, aquele que tiraniza a alma e o que tiraniza, ao mesmo tempo, o corpo e a alma. O primeiro é chamado de príncipe. O segundo de papa. O terceiro de povo".

Em tempo, se você chutou "a", "b", "c" ou "d" no teste, não duvido que também tenha acertado. O que é desesperador.

Sobre o Autor

É jornalista e doutor em Ciência Política pela Universidade de São Paulo. Cobriu conflitos armados em diversos países e violações aos direitos humanos em todos os estados brasileiros. Professor de Jornalismo na PUC-SP, foi pesquisador visitante do Departamento de Política da New School, em Nova York (2015-2016), e professor de Jornalismo na ECA-USP (2000-2002). É diretor da ONG Repórter Brasil, conselheiro do Fundo das Nações Unidas para Formas Contemporâneas de Escravidão e comissário da Liechtenstein Initiative - Comissão Global do Setor Financeiro contra a Escravidão Moderna e o Tráfico de Seres Humanos. É autor de "Pequenos Contos Para Começar o Dia" (2012), "O que Aprendi Sendo Xingado na Internet" (2016), entre outros.

leonardo sakamoto